Contra a crise e o desemprego, PT quer reduzir jornada de trabalho e cortar salários. Mais produtividade, nem pensar.

(Folha) Após os dados do mercado de trabalho mostrarem o pior resultado para abril em 23 anos, integrantes do governo estão finalizando um programa para segurar o nível de emprego na indústria. O plano é inspirado em um modelo alemão e prevê a redução da jornada de trabalho e de salários nas empresas afetadas pela crise econômica, sem causar perda de arrecadação ao governo federal. 

O governo ainda não definiu os percentuais de redução da jornada de trabalho e de salário. Uma das ideias em estudo é a defendida pelas centrais sindicais, que prevê jornada 30% menor e corte nos salários de 15%. O programa de proteção ao emprego, em estudo no governo, é uma alternativa aos "layoffs", sistema que tem sido adotado principalmente pelas montadoras.
No "layoff", há suspensão dos contratos de trabalho por um prazo de cinco meses (que pode ser prorrogado) e o trabalhador recebe o equivalente ao valor do seguro-desemprego, bancado pelo governo federal. Nesse regime, as empresas também deixam de recolher contribuições previdenciárias e trabalhistas.

A ideia proposta no programa de proteção ao emprego em estudo pelo Planalto é manter o trabalhador na fábrica com salário e jornada menores, mas sem causar perda de arrecadação ao governo, uma vez que as empresas têm de recolher as contribuições porque os contratos de trabalho não são suspensos. Com a jornada reduzida, as empresas, além de pagarem salário menor, conseguem ajustar a produção à demanda mais fraca. O período de redução da jornada pode ser de um ano, apurou a Folha, podendo ser prorrogado.

Na semana passada, CUT, Força Sindical e UGT entregaram carta à presidente Dilma Rousseff em que pedem a adoção do plano, em caráter de teste e de urgência, por um período de ao menos 12 meses para evitar mais demissões principalmente no setor automobilístico. 
COMO FUNCIONA
Para entrar em vigor, o plano tem de ser negociado com sindicato e passar por aprovação em assembleia. A proposta defendida pelas centrais ganha força em um momento em que existe a ameaça de cerca de 1.500 demissões nas próximas semanas em duas montadoras do Grande ABC (SP).

O pedido para adotar o plano foi reforçado pelo ex-presidente Lula em reunião com a presidente na sexta-feira (22). Ele manifestou preocupação com a ameaça de demissões no ABC paulista, berço e base eleitoral do PT. Dilma não descartou, mas mostrou dúvidas quanto à eficácia do plano. "Acho que isso beneficia uma elite do operariado", respondeu ela, conforme relatos.

Integrantes da equipe econômica e da área política da Esplanada defendem a ideia do plano por razões distintas.No primeiro caso, estudos internos mostram que é mais barato ajudar a pagar o salário reduzido via recursos do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), conforme desenho atual da proposta, do que arcar com o seguro-desemprego (como ocorre no caso dos "layoffs"), área que o governo tenta enxugar.

Mais: o modelo prevê a manutenção do pagamento de encargos trabalhistas enquanto o plano é adotado na fábrica. Ou seja: não haveria, inicialmente, impacto sobre a arrecadação federal. Já do ponto de vista político, ministros ponderam que a ação contribuiria para reabilitar as relações de Dilma com o reduto eleitoral petista, incomodado com as medidas de ajuste fiscal que endurecem as regras para a concessão de abono salarial e seguro-desemprego.

11 comentários

Coronel,

Solução "Frankenstein"!!

Levaremos uns 15/20 anos para consertar a "criatividade" do PT.

JulioK

Reply

Enquanto isso..

“GOVERNO DO PT ENVIA CENTENAS DE HAITIANOS E AFRICANOS PARA SANTA CATARINA. PREFEITO DE FLORIANÓPOLIS PROTESTA MAS ACOLHE IMIGRANTES. É O FIM DA PICADA”

http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2015/05/governo-do-pt-envia-centenas-de.html

Quem são eles esses imigrantes e por que o SUL?

Reply

Idéia de Jirico. Se a massa salarial diminue as vendas também diminuem. Logo, cai a arrecadação de impostos também. Todos conseguem ver isso, menos os petistas do governo.

Reply

Diz a ¨lenda¨ que o trabalhador brasileiro rende 7 vezes menos que o trabalhador americano.

Reply

>>

O projeto petista é inerente a incompetência petralha.

Afinal, o PT arrebentou a economia brasileira.

O que mais se poderia esperar dessa quadrilha a não ser planos e projetos fracassados?

<<

Reply

Anônimo das 07:51. ADIVINHA!!! Uma dica: para a Bahia é que não vão.

Reply

O PT roubou toda a grana dos cofres, não tem mais dinheiro pra nada, conseguiram TRAVAR o Brasil. E essa corja está fazendo o diabo para continuar na farra, com o poder nas mãos.
Só não cortaram o BOLSA VOTOS, uma maneira de garantir o poder eterno.

Reply

25 de maio de 2015 09:17

Dependendo da área isso até seria uma benção. Tem lugar que só bate ponto e olhe lá.

Reply

Por que não 4 horas de trabalho e a metade do salário. Dividir é preciso, a caridade começa no emprego igualdade para todos.Não é assim que os Petralhas pregam? Então que assim seja, amém.

Reply

Produtividade não é com os vagabundos do PT e com os funças.

Gabriel-DF

Reply

Em parceria com a Google e com o Grupo VIP oferecemos telas mosquiteiras SP importadas dos estados unidos aos clientes que querem proteção e bem-estar para sua família, isto porque o produto não propaga chamas, fungos ou mofos, são telas de fácil limpeza e protegem sua família contra picadas de insetos, principalmente os mosquitos da dengue. Telas mosquiteiras em São Paulo, telas mosquiteiras campinas, telas mosquiteiras valinhos, telas mosquiteiras vinhedo, telas mosquiteiras granja vianna, telas mosquiteiras alphaville, telas mosquiteiras tamboré , telas mosquiteiras jundiai.

telas mosquiteiras para idústrias de alimentos , telas mosquiteiras SP, telas mosquiteiras empresas químicas, telas mosquiteiras vinhedo, telas mosquiteiras granja vianna, telas mosquiteiras alphaville, telas mosquiteiras tamboré , telas mosquiteiras SP

Reply