quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Marina "Papa-Defunto" transforma camiseta que filhos usaram no velório de Eduardo Campos em material de campanha.

Agora todo mundo pode ser um pouquinho filho de Eduardo Campos. Marina Silva, conforme o previsto, vai às raias da falta de caráter para usar a imagem do ex-presidenciável morto no desastre aéreo. A sua campanha lança como material de campanha eleitoral as camisetas que muitos acreditavam ser uma cândida e emocionante homenagem dos filhos ao pai morto. Não era. Era uma jogada de marketing urdida por Marina Silva. É a nova política usando o que a velha política sempre fez com esmero: a desinformação do eleitor.
Agora dá para entender o motivo de tantos sorrisos... 

Fraude na CPI da Petrobras: Graça Foster demite chefe de gabinete, mas não pede demissão.

Chefe de gabinete ajudando a "chefe" a fraudar a CPI da Petrobras 

O chefe do escritório da Petrobrás em Brasília, José Eduardo Barrocas, homem de confiança da presidente da petroleira, Graça Foster, deixou o cargo nesta quinta-feira, 28. O Estado apurou que Barrocas caiu por causa do seu envolvimento em uma suposta trama para fraudar a CPI da Petrobrás no Senado. 

Barrocas aparece em um vídeo, revelado pela revista Veja, no qual discute com dois colegas da empresa as perguntas que seriam feitas a atuais e ex-diretores da petroleira pelos membros da CPI. A ação seria acordada com o PT. Na gravação, Barrocas conta que enviara o "gabarito" com os questionamento à Graça Foster. Dessa forma, os depoentes teriam conhecimento prévio das perguntas que lhes seriam feitas pelos senadores da CPI. 

 O Estado apurou que Barrocas, que é funcionário de carreira, foi transferido para um cargo de assistente de Graça Foster no Rio de Janeiro. Ele comandava o escritório da petroleira em Brasília desde 2012, quando Graça assumiu o comando da empresa. Antes disso, trabalhou com Graça na BR Distribuidora. 

O Estado revelou nesta quarta que a Polícia Federal já investiga a suposta fraude na CPI. Barrocas vai prestar depoimento em setembro. O cargo em Brasília está vago e é ocupado interinamente por Antonio Augusto Almeida Faria, chefe de gabinete de Graça no Rio.

Quatro anos depois, Marina Silva repete o mesmo bla bla bla no Jornal Nacional.

 
Compare a Marina Silva de 2010...

 
... com a Marina Silva versão 2014. 

Nas duas versões, Marina Silva se enrola ao tratar de corrupção. Em 2010, foi posta contra a parede por não ter tomado posição sobre o Mensalão do seu partido, o PT. Em 2014, não conseguiu responder sobre o avião utilizado por ela, pago com dinheiro criminoso de "laranjas". Quem tinha razão está falando no vídeo a seguir:

Pare de reclamar e comece a agir.

Com a presença do candidato à Presidência da República Aécio Neves e de seu vice, Aloysio Nunes, a Coligação Muda Brasil lançou, ontem, em São Paulo, o portal de internet “Vamos Agir” , que se destina à mobilização de voluntários em todo país. Na sua largada, o portal cadastrou 10.177 pessoas dispostas a colaborar.

“Esse conjunto de voluntários que se somam a nós me dão uma convicção muito grande de que estamos no caminho certo. Nós temos um projeto para o Brasil, que não foi improvisado e é muito diferente desse que aí está”, comemorou o candidato. “Na hora da decisão, na hora em que a razão prevalecer, o Brasil não vai querer a continuidade do que está aí, nem vai querer correr novos riscos, com novos improvisos.”

Aécio afirmou que manterá o ritmo intenso de atividades de rua que têm marcado a sua campanha, com comícios e caminhadas. “Eu quero rua. Eu quero olhar para as pessoas, e isso nos diferencia da candidatura oficial. Eu estou caminhando pelas ruas do Brasil inteiro dizendo: ‘Temos a melhor proposta e por isso tenho confiança de que vamos vencer’.” Segundo Aécio, há uma “dificuldade” de a presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff, levar a campanha petista para as ruas.

Voluntariado

O portal www.vamosagir.com.br começou a mobilizar voluntários há cerca de duas semanas. Nesse período, já promoveu uma série de atividades de rua, como a limpeza do Largo do Machado, no Rio de Janeiro, com “adesivaço” e distribuição de material de campanha, “bandeiraço” em Belo Horizonte e limpeza em ruas entre o Vale do Anhangabaú e a Praça da República, no centro de São Paulo.

Os voluntários fazem o cadastro no próprio portal e recebem instruções sobre como agir. Há atividades virtuais, como postagens e compartilhamentos de conteúdos em redes sociais, e chamadas de impacto, que são as ações de rua. Os cadastrados vão disseminar as ideias da campanha com base nos seguintes princípios: não violência, pluralismo, responsabilidade, ética, cultura colaborativa, alegria no trabalho. Um dos líderes do núcleo de voluntariado, Rodrigo Baggio destacou que a ação é uma nova “forma de fazer política”.

Dilma "assalta" plano de governo de Aécio para a segurança pública.

Ontem Dilma Rousseff, cujo partido está no poder há 12 anos, informou que vai "roubar" parte do programa de governo de Aécio Neves, cuja proposta é a criação de um super Ministério da Justiça e Segurança Pública. Vejam o que Aécio propõe:
  • execução integral do orçamento do Fundo Penitenciário e do Fundo Nacional de Segurança
  • reforma do Código Penal e do Código de Processo Penal
  • aumento do efetivo da Polícia Federal e parcerias com as Forças Armadas para fortalecer a vigilância das fronteiras
  • foco em projetos de desenvolvimento social nas áreas mais violentas das cidades para prevenir crimes
  • coordenação entre as polícias e desenvolvimento de trabalho de inteligência no combate ao crime
  • investimento num sistema de informações da população carcerária para avaliar quem poderia estar fora da prisão e, principalmente, quem deveria estar preso
Dilma declarou ontem, às vésperas da eleição, que vai unificar as polícias e integrá-las com as Forças Armadas:

“É a questão de unificar e padronizar. Unificar e padronizar é ter a capacidade de integrar informações, cadastros, procedimentos, padronizar equipamentos de comum acordo. Isso só dá certo de comum acordo”.

“Para resolver o problema da segurança pública tem de ter responsabilidade da União. Queremos é que se possa construir uma política nacional comum. Vamos mandar (o projeto) o mais rápido possível (para o Congresso)”,

Segundo a candidata fantasiada de presidente, para que a integração seja possível, vai encaminhar Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para o Congresso Nacional. Exatamente como prevê o programa de governo de Aécio Neves. 

No caso do presidente do BB, Folha informa que dinheiro vivo em casa é indício de sonegação. Por que nunca fez esta afirmação sobre os R$ 152 mil que Dilma guarda em casa?

Aldemir Bendine e Dilma Rousseff: juntos, guardam quase R$ 600 mil debaixo do colchão. Ele é presidente do Banco do Brasil. Ela é presidente do Brasil.
 
Hoje a Folha de São Paulo publica uma reportagem informando que o presidente do Banco do Brasil pagou multa milionária à Receita Federal para não ter sua declaração de bens investigada. Cerca de R$ 120 mil à vista. Cash! Há claros sinais de enriquecimento ilícito na evolução patrimonial de Aldemir Bendine, esse é o nome dele. Para justificar a compra de bens, o presidente do BB informa que guardou, debaixo do colchão, cerca de R$ 400 mil nos últimos quatro anos. Imaginem vocês! Um presidente de banco guardar dinheiro vivo em casa. Virou moda. Virou álibi! Lá pelas tantas, na esteira da matéria, o jornal paulistano faz as seguintes afirmações:

Questionado pela Folha, Bendine não quis falar sobre o dinheiro, alegando tratar-se de uma questão familiar. Não é crime comprar imóveis com recursos em espécie. Assim como não é crime guardar dinheiro embaixo do colchão. Mas essas práticas são consideradas pelo Fisco como sinais de sonegação de tributos e por isso despertam a curiosidade dos auditores. O dinheiro passado de mão em mão, sem circular pelo sistema bancário, não pode ser detectado pelos controles da Receita Federal e do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). 

"Que razões haveria para alguém guardar uma alta soma em vez de pôr numa conta bancária, numa aplicação?", pergunta o diretor de Relações Institucionais do Instituto Justiça Fiscal, Dão Real Pereira dos Santos, ex-superintendente da Receita Federal no Rio Grande do Sul. 

Ele fez uma análise do caso a pedido da Folha, sem ser informado do nome do contribuinte. "É uma situação em que naturalmente se inverte o ônus da prova", afirmou. "Numa situação normal, o Fisco teria que correr atrás das provas. Nessa situação, não. Cabe ao contribuinte explicar por que tem esse dinheiro guardado em casa." 

Recentemente, a Folha de São Paulo participou de uma entrevista com Dilma Rousseff, onde ela declarou que guardava R$ 152 mil em casa. Josias de Souza, o entrevistador que representava o jornal, preferiu brincar com a presidente, dizendo que ela estava perdendo uns R$ 10 mil por ano. Ao que ela respondeu: o que são R$ 10 mil? O jornalista poderia ter perguntado a origem do dinheiro. Não o fez. Estamos vivendo num país cada vez mais exótico. A presidente da República e o presidente do Banco do Brasil guardam dinheiro vivo debaixo do colchão, perdendo valor para a inflação e não explicam de onde veio a dinheirama. A Receita Federal fecha o olho. A CGU não está nem aí. E a Imprensa tem medo de inquirir as autoridades. Não é à toa que o Brasil está no topo entre os países mais corruptos do mundo.

Marina Silva e o PT tem um compromisso histórico. Votar em Marina não é votar contra o PT. Votar em Marina é manter o PT no poder.

O post é longo, mas precisa ser. Quando Marina Silva decidiu sair do PT em 2009, para a sua primeira candidatura à presidência da República, a bancada do PT no Senado fez uma carta pedindo que ela ficasse. Não logrou êxito. Quando Marina Silva saiu do PT em 2009 escreveu uma carta eivada de elogios e agradecimentos ao partido. Nem mesmo teve o mandato requerido por infidelidade partidária. Quem lê as duas cartas, publicadas abaixo, tem a prova de que Marina Silva não é terceira via e nem representa uma nova política. Marina Silva não terá a mínima dificuldade de chamar o PT para governar junto com ela. Alguma dúvida que o PT virá correndo?

CARTA ABERTA À COMPANHEIRA SENADORA MARINA SILVA

A trajetória de Marina Silva se confunde com a trajetória do PT. Ambos surgiram muito pequenos e humildes e tiveram que enfrentar obstáculos quase intransponíveis para se tornarem o que são hoje.

Mas autoritarismo, censura, preconceitos, ausência de oportunidades e de condições econômicas, discriminação política e dos veículos de comunicação foram todos dura e pacientemente vencidos nessa trajetória comum. Marina Silva, de pequena menina pobre e analfabeta de um seringal do Acre, transformou-se numa importante figura pública do país e persona de prestígio internacional. O PT, de um pequeno e quixotesco aglomerado de cidadãos que lutavam pela democracia e por um país melhor, tornou-se o partido que governa, com grande êxito, o país há sete anos. Com eles, cresceu também o Brasil.

No Senado, acompanhamos a trajetória de Marina Silva e lutamos lado a lado com ela pelas melhores causas da nação. Doce e determinada, calma e perseverante, Marina Silva contribuiu decisivamente para a estruturação do partido e sempre teve uma ação construtiva na bancada. À frente do Ministério do Meio Ambiente por seis anos, Marina Silva teve um desempenho histórico que contribuiu substancialmente na luta pela sustentabilidade ambiental no Brasil, com o apoio de seus companheiros de bancada e de partido. Destacou-se, lutou, perseverou. Engrandeceu seu nome, o do seu partido e o do seu país.

Trajetórias como essa só se constroem com sonhos. Sonhos coletivos que transformam a realidade. Assim, a identidade que une Marina Silva ao PT é inquebrantável, pois ela foi forjada na luta comum por um país próspero e justo, no qual todos tenham oportunidades. Uma luta que continua.

Por isso, desejamos sinceramente que a nossa querida companheira Marina Silva permaneça no Partido dos Trabalhadores, sua casa política, e prossiga nessa trajetória coletiva que já conquistou tanto, mas que tem tanto ainda para conquistar.

Mas qualquer que seja a sua decisão, seu vínculo com o PT jamais se quebrará. Sempre será assim, esteja onde ela estiver. E, esteja onde ela estiver, terá nosso carinho, nossa admiração, nossa história comum.

Bancada do PT no Senado

 CARTA ABERTA DE MARINA SILVA AO PT

“Brasília, 19 de agosto de 2009

Caro companheiro Ricardo Berzoini,

Tornou-se pública nas últimas semanas, tendo sido objeto de conversa fraterna entre nós, a reflexão política em que me encontro há algum tempo e que passou a exigir de mim definições, diante do convite do Partido Verde para uma construção programática capaz de apresentar ao Brasil um projeto nacional que expresse os conhecimentos, experiências e propostas voltados para um modelo de desenvolvimento em cujo cerne esteja a sustentabilidade ambiental, social e econômica.

O que antes era tratado em pequeno círculo de familiares, amigos e companheiros de trajetória  política, foi muito ampliado pelo diálogo com lideranças e militantes do Partido dos Trabalhadores, a cujos argumentos e questionamentos me expus com lealdade e atenção. Não foi para mim um processo fácil. Ao contrário, foi intenso, profundamente marcado pela emoção e pela vinda à tona de cada momento significativo de uma trajetória de quase trinta anos, na qual ajudei a construir o sonho de um Brasil democrático, com justiça e inclusão social, com indubitáveis avanços materializados na eleição do Presidente Lula, em 2002.

Hoje lhe comunico minha decisão de deixar o Partido dos Trabalhadores. É uma decisão que exigiu de mim coragem para sair daquela que foi até agora a minha casa política e pela qual tenho tanto respeito, mas estou certa de que o faço numa inflexão necessária à coerência com o que acredito ser necessário alcançar como novo patamar de conquistas para os brasileiros e para a humanidade. Tenho certeza de que enfrentarei muitas dificuldades, mas a busca do novo, mesmo quando cercada de cuidados para não desconstituir os avanços a duras penas alcançados, nunca é isenta de riscos.

Tenho a firme convicção de que essa decisão vai ao encontro do pensamento de milhares de pessoas no Brasil e no mundo, que há muitas décadas apontam objetivamente os equívocos da concepção do desenvolvimento centrada no crescimento material a qualquer custo, com ganhos exacerbados para poucos e resultados perversos para a maioria, ao custo, principalmente para os mais pobres, da destruição de recursos naturais e da qualidade de vida.

Tive a honra de ser ministra do Meio Ambiente do governo Lula e participei de importantes conquistas, das quais poderia citar, a título de exemplo, a queda do desmatamento na Amazônia, a estruturação e fortalecimento do sistema de licenciamento ambiental, a criação de 24 milhões de hectares de unidades de conservação federal, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade e do Serviço Florestal Brasileiro. Entendo, porém, que faltaram condições políticas para avançar no campo da visão estratégica, ou seja, de fazer a questão ambiental alojar-se no coração do governo e do conjunto das políticas públicas.

É evidente que a resistência a essa mudança de enfoque não é exclusiva de governos. Ela está presente nos partidos políticos em geral e em vários setores da sociedade, que reagem a sair de suas práticas insustentáveis e pressionam as estruturas públicas para mantê-las.

Uma parte das pessoas com quem dialoguei nas últimas semanas perguntou-me por que não continuar fazendo esse embate dentro do PT. E chego à conclusão de que, após 30 anos de luta socioambiental no Brasil – com importantes experiências em curso, que deveriam ganhar escala nacional, provindas de governos locais e estaduais, agências federais, academia, movimentos sociais, empresas, comunidades locais e as organizações não-governamentais – é o momento não mais de continuar fazendo o embate para convencer o partido político do qual fiz parte por quase trinta anos, mas sim o do encontro com os diferentes setores da sociedade dispostos a se assumir, inteira e claramente, como agentes da luta por um Brasil justo e sustentável, a fazer prosperar a mudança de valores e paradigmas que sinalizará um novo padrão de desenvolvimento para o País. Assim como vem sendo feito pelo próprio Partido dos Trabalhadores, desde sua origem, no que diz respeito à defesa da democracia com participação popular, da justiça social e dos direitos humanos.

Finalmente, agradeço a forma acolhedora e respeitosa com que me ouviu, estendendo a mesma gratidão a todos os militantes e dirigentes com quem dialoguei nesse período, particularmente a Aloizio Mercadante e a meus companheiros da bancada do Senado, que sempre me acolheram em todos esses momentos. E, de modo muito especial, quero me referir aos companheiros do Acre, de quem não me despedi, porque acredito firmemente que temos uma parceria indestrutível, acima de filiações partidárias. Não fiz nenhum movimento para que outros me acompanhassem na saída do PT, respeitando o espaço de exercício da cidadania política de cada militante. Não estou negando os imprescindíveis frutos das searas já plantadas, estou apenas me dispondo a continuar as semeaduras  em outras searas.

Que Deus continue abençoando e guardando nossos caminhos.

Saudações fraternas,

Marina Silva”

FHC chama Dilma de mentirosa e burra.

Em artigo no Observador Político, Fernando Henrique ressalta a limitação de Dilma Rousseff em relação à economia. Leiam abaixo:

Agora vejo o motivo pelo qual a presidente Dilma Roussef não conseguiu obter grau de pós-graduação na Unicamp: ela entende pouco de economia. E mesmo de números. Disse no debate de ontem (26/8), na Band, que o Brasil “quebrou três vezes” no governo do PSDB. De onde tirou tal falsidade?

O Brasil estava em moratória desde o final do governo Sarney (será que é a isso que ela se refere quando diz “quebrado”). Desde quando assumi o ministério da Fazenda, no governo Itamar, começamos a refazer a credibilidade do país. Em outubro de 1993 assinamos uma renegociação da dívida externa e voltamos aos mercados internacionais. Fizemos em 1994 o Plano Real, sem apoio do FMI, e erguemos a economia. Começava o período de construção da estabilidade, que durou todo meu primeiro mandato, passando por crises bancárias, Proer, renegociação das dívidas dos estados e municípios etc.

No início do segundo mandato, depois das consequências da crise da Ásia (1997), da crise argentina e toda sorte de dificuldades externas e internas –graças a atos políticos irresponsáveis da oposição e à incompletude do ajuste fiscal – sofremos forte desvalorização cambial em janeiro de 1999, apesar de havermos assinado em 1998 um acordo de empréstimo com o FMI (será que é isso que a Presidente chama de “quebrar o país?). A inflação não voltou, apesar das apostas em contrário, e antes do fim do primeiro semestre de 1999 já havíamos recuperado condições de crescimento, tanto assim que em 2000 o PIB cresceu 4,7%.

Nova dificuldade financeira, a despeito das restrições na geração de energia, só ressurgiu no segundo semestre de 2002. Por que? Devido ao “efeito Lula”: os mercados financeiros mundiais e locais temiam que a pregação do PT fosse para valer. Sentimos o efeito inflacionário (os 12% a que a Presidente sempre se refere, que devem ser postos à conta do PT). Aí sim, recorremos ao FMI, mas com anuência expressa de Lula e para permitir que seu governo reagisse em 2003, como fez. Do empréstimo, 20% seriam para usar no resto de meu mandato e 80% no de Lula… Não houve interrupção do fluxo financeiro internacional, nem quebradeira alguma.

É mentira, portanto, que o governo do PSDB tenha quebrado o Brasil três vezes. Por essas e outras, o governo Dilma Roussef perdeu credibilidade: em vez de informar, faz propaganda falsa.

Armínio ataca "mitos do PT" e desmonta mentiras de Dilma sobre economia.

Em artigo publicado hoje na Folha, intitulado "Mitos do PT", Armínio Fraga, presidente do BC na gestão FHC e ministro da Fazenda em eventual governo de Aécio Neves, desmonta as mentiras do PT, que sempre retornam em tempos de eleição. Leia abaixo.

Não é de hoje que o PT adota uma retórica agressiva e populista para marcar suas posições. Em tempos de campanha, esta prática se radicaliza, adquirindo tons cada vez mais berrantes, e chegando frequentemente a se desentender com os fatos. Abaixo alguns exemplos. 

O primeiro mito, mencionado em entrevista na televisão pela própria presidente Dilma, é que a culpa do baixo crescimento é da economia internacional. Não é verdade. Nos governos FHC e Lula, o Brasil cresceu a taxas médias muito próximas das da América Latina. Para os anos Dilma, o crescimento projetado está 2% ao ano inferior ao da região, o que demonstra que não foi problema externo, foi interno mesmo. 

O segundo diz que "basta estimular a demanda e o resto se resolve". Não tem sido bem assim. Falta investimento, vítima de preconceitos ideológicos e má gestão. A produção e a importação de bens de capital afundaram nos últimos meses. A infraestrutura virou uma barreira ao crescimento. O investimento está flutuando em torno de 18% do PIB há anos, valor insuficiente para acelerar o ritmo de crescimento. É preciso elevar esse porcentual a 24% até 2018, que é a nossa meta. 

O terceiro é que os problemas da indústria serão resolvidos com medidas pontuais. Na verdade, a indústria nunca esteve tão mal. As taxas de juros estão para cima e o câmbio para baixo. O complexo sistema tributário é custoso e cumulativo, prejudicando as exportações e o investimento. A logística não está à altura das necessidades do país. 

O quarto é o "querem fazer um arrocho", em resposta à posição honesta de que (para voltar a crescer) o país necessita corrigir muitas de suas políticas. A verdade é que a economia está devagar quase parando, amarrada por uma enorme e crescente incerteza sobre seu futuro. As perspectivas para o ano que vem são sombrias, como mostram todos os indicadores de confiança disponíveis. O arrocho, com dispensas e suspensões de contrato de trabalho, já chegou, vamos cair na real. 

O quinto é o estridente "vão fazer um tarifaço". Aqui cabe perguntar, antes de mais nada, que situação é essa e como chegamos nela. Falo do irresponsável represamento dos preços de combustíveis e de energia, e da taxa de câmbio. No campo dos combustíveis, sofre a Petrobras asfixiada em seu fluxo de caixa, sofre o setor de etanol, onde as falências crescem, e sofre o meio ambiente, com o absurdo subsídio implícito a combustíveis fósseis. No setor elétrico, um movimento voluntarista de redução de tarifas saiu pela culatra, e vem gerando uma dívida bilionária com as distribuidoras de energia. Por último, a repressão da taxa de câmbio desestimula as exportações e pressiona ainda mais o deficit em conta corrente, hoje em 3,5% do PIB. 

Em sexto lugar, há a acusação de que "o governo FHC sempre cortou o gasto social". Acusação falsa, como demonstra Samuel Pessôa em artigo recente nesta Folha. Medido como a soma de INSS, Lei Orgânica da Assistência Social, abono salarial, seguro-desemprego e bolsas, o gasto social cresceu cerca de 1,5 ponto do PIB em cada um dos governos Itamar/Collor, FHC, Lula e Dilma (esta em cerca de 1 ponto até agora). Na verdade, o governo FHC representou uma guinada no foco do gasto público na direção da educação e da saúde, ponto nunca reconhecido pelo PT. 

Finalmente, o governo diz que "quebraram o país e nós pagamos o FMI". Em 2002, o Brasil quase quebrou, sim, em função do medo do que faria o PT no poder (e que Lula resolveu, para seu eterno mérito). No segundo semestre de 2002 o governo FHC (com anuência da oposição) tomou um empréstimo com o FMI de US$ 30 bilhões. Cerca de 80% do empréstimo foram reservados para o próximo governo, sendo 20% desembolsados (e não gastos) em dezembro de 2002 e o restante já durante o governo Lula. Portanto os recursos ficaram, na prática, à disposição do governo Lula. 

O populismo e a mentira são inimigos da democracia e da boa política. Temos que melhorar a qualidade do debate público, que deve ser baseado em fatos e dados.

Arrogante e agressiva, Marina mente na bancada do Jornal Nacional

Marina Silva sempre foi contra os transgênicos e nunca lutou contra forças poderosas no Acre, onde até hoje é aliada dos irmãos petistas Viana, para quem seu marido trabalhava até poucos dias atrás. Os Viana dominam a política do Acre há cerca de 20 anos. Sobre os transgênicos, Marina tentou, à base de resoluções e portarias do Conama, proibir o seu plantio em 2004, aterrorizando os produtores rurais, especialmente do Rio Grande do Sul. Em 2013, o Brasil exportou U$ 31 bilhões no complexo soja.
 
A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, disse nesta quarta-feira, em entrevista ao “Jornal Nacional”, da TV Globo, que não sabia que laranjas foram responsáveis pela transferência da propriedade do jato que caiu em Santos (SP) e matou o ex-governador Eduardo Campos. Marina, que também usou a aeronave para a campanha eleitoral, indicou que a responsabilidade por possíveis irregularidades é do comitê financeiro da campanha de Campos. Perguntada se ela não pediu informações sobre o jato antes de usá-lo ou se havia “confiado cegamente em aliados”, a candidata respondeu:

— Nós tínhamos a informação de que era um empréstimo, que seria feito um ressarcimento, no prazo legal, que pode ser feito, segundo a própria Justiça Eleitoral, até o encerramento da campanha. E que esse ressarcimento seria feito pelo comitê financeiro do candidato. Existem três formas de fazer o provimento da campanha: pelo partido, pelo comitê financeiro do candidato e pelo comitê financeiro da coligação. Nesse caso, (o provimento foi feito) pelo comitê financeiro do candidato. Essas informações eram as informações que nós tínhamos — disse ela, que completou: — Não tinha qualquer informação sobre qualquer ilegalidade referente à postura dos proprietários do avião.

A candidata defendeu a investigação do caso, e negou que o acontecimento possa ser um indício da prática da velha política.

— Há uma investigação que está sendo feita pela Polícia Federal. O nosso interesse e a nossa determinação é de que essas investigações sejam feitas com todo o rigor para que a sociedade possa ter os esclarecimentos. E para que não se cometa uma injustiça com a memória de Eduardo — disse ela, ressaltando que tem um “compromisso com a verdade”.

Marina disse que não irá “tangenciar”, e sim “enfrentar” o problema. Perguntada por Willian Bonner se não havia faltado rigor para ter as informações necessárias sobre a propriedade do jato, ela sugeriu que perguntou a quem deveria perguntar: — O rigor era tomar as informações com aqueles que deveriam prestar as informações, em relação à forma como aquele avião estava prestando o serviço.

De acordo com reportagem do “Jornal Nacional exibida na última terça-feira, o avião Cessna que caiu em Santos matando Campos e mais seis pessoas foi pago por meio de empresas fantasmas. O “Jornal Nacional” mostrou que, entre as empresas, estão a peixaria Geovane Pescados, a RM Construtora - que funciona numa casa em Recife - e a Câmara & Vasconcelos, cuja sede é uma sala vazia.

‘É MUITO DIFÍCIL SER PROFETA EM SUA PRÓPRIA TERRA’

A candidata do PSB também foi questionada sobre o fraco desempenho eleitoral em seu berço político, o Acre. Em 2010, ela ficou atrás de José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) nas eleições presidenciais.

— Tem um provérbio que a gente usa muito. É muito difícil ser profeta em sua própria terra porque às vezes a gente tem que confrontar os interesses. Eu venho de uma trajetória política que desde os meus 17 anos, eu tive que confrontar muitos interesses no meu estado do Acre, ao lado de Chico Mendes e de pessoas que se posicionaram ao lado da justiça, da defesa dos índios, dos seringueiros, da ética na política. Isso fez com que eu tivesse que seguir uma trajetória que não era o caminho mais fácil. Aliás, na minha vida, nunca é fácil. Nesse caso eu era candidata por um partido pequeno concorrendo contra duas máquinas muito poderosas, com 1 minuto e 20 segundos de televisão. E mesmo assim, a candidata do PT que tinha o governo do estado, senadores, prefeitos, eu fiquei muito próximo a ela.

Interpelada por Patrícia Poeta, que questionou se o mau resultado da candidata em seu estado de origem seria culpa dos eleitores acrianas e não dela, candidata, Marina respondeu:

— Talvez você não conheça bem a minha trajetória. Você talvez tenha um certo desconhecimento do que significa ser senadora na situação em que eu fui. Eu não sou filha de político tradicional, de nenhum empresário, porque no meu estado até minha eleição pra ser senadora da república era necessário ser filho de ex-governador, era preciso ser dono de TV, jornal e rádio pra falar bem de si mesmo e mal dos outros. Não é culpa dos acrianos. É culpa das circunstâncias. Os acrianos já foram generosos comigo muitas vezes. Eu já fiquei a ficar 4 anos sem poder andar em metade do meu estado porque queriam fazer uma estrada sem estudo de impacto ambiental, sem respeitar a terra dos índios e as unidades de conservação. E eu não poderia trocar o futuro das futuras gerações pelas próximas eleições. Eu preferi perder os votos. Lembra quando eu saí do Ministério do Meio Ambiente eu disse que perdia o pescoço mas não perdia o juízo. Essa tem sido a minha trajetória no Brasil. E é assim que eu quero governar o Brasil.

TRANSGÊNICOS

Perguntada sobre as diferenças políticas que se sobressaem na aliança com Beto Albuquerque, seu vice, Marina disse que sabe trabalhar com divergências. Ela afirmou que não é contra o plantio de transgênicos — tema sobre o qual Albuquerque posicionou no Congresso Nacional.

— Nós somos diferentes e a nova política sabe trabalhar na diversidade e na diferença. Mas há uma lenda de que eu sou contra os transgênicos, mas isso não é verdade. Eu defendia um modelo de coexistência, área com transgênicos e áreas livres de transgênico. Infelizmente, no Congresso essa proposta não passou e o Beto votou na outra proposta. Eu e Beto temos uma visão diferente em relação a células-tronco e transgênicos mas tivemos um trabalho juntos no Congresso, quando ele foi o relator da lei de gestão de florestas, que criou o serviço florestal e me ajudou a aprovar a lei da Mata Atlântica e tantas outras medidas importantes. A vida não tem essa simplificação que às vezes a gente acha. Isso não tem nada a ver com a velha política. Eu marquei minha trajetória de vida trabalhando com os diferentes. E essa é uma oportunidade de mostrar que essa história de que a Marina é intransigente, que só conversa com os que pensam igual a ela, não é tão verdade assim. (O Globo)