TRACKING DO NINHO

O tracking tucano fechou DIA DE HOJE (24) ESTABILIZADO em 53% Aécio x 47% Dilma. NÃO CONFIE EM INSTITUTOS DE PESQUISA. ELES SÓ ERRAM CONTRA AÉCIO.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Bateu o desespero no PT. Milícias chavistas da Dilma picham sede da VEJA.

Em protesto contra reportagem de capa da revista "Veja", cerca de 50 pessoas picharam a sede da editora Abril, localizada na zona oeste de São Paulo, e espalharam edições picadas da publicação em frente ao prédio na noite desta sexta-feira (24).

Segundo a revista, o doleiro Alberto Youssef disse em depoimento à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal, no seu processo de delação premiada, que a presidente Dilma Rousseff (PT) e o ex-presidente Lula tinham conhecimento do esquema de desvio de dinheiro na Petrobras. 

Candidata à reeleição, Dilma classificou a reportagem de "terrorismo eleitoral" e disse que a revista "agride nossa tradição democrática" ao publicar as acusações do doleiro "sem prova concreta". Na calçada, nas paredes e na placa da Abril, que publica o semanário, foram escritas frases como "Veja mente" e "fora Veja". As pichações são assinadas pela UJS (União da Juventude Socialista), organização de militância jovem ligada ao PC do B. 

Além de edições da revista, foram espalhados sacos de lixo rasgados e pedaços de papel higiênico em frente ao portão da empresa. A Folha não conseguiu entrar em contato com a UJS para verificar a autenticidade da assinatura. 

Segundo testemunhas, os manifestantes passaram cerca de meia hora no local cantando gritos de guerra contra a revista. Eles deixaram o local por volta das 19h30.
A Polícia Militar, que esteve na sede às 20h20, disse que fará rondas na área para tentar identificar os responsáveis. (Folha Poder)

MERCADO AVISOU QUE AÉCIO NEVES SUBIU! Divulgue este banner com os resultados dos principais trackings. Estamos na frente, rumo à vitória, com Aécio Presidente.

Os trackings, pesquisas diárias feitas em série, por telefone, acertaram no primeiro turno. Os institutos erraram feio. Não vamos deixar que pesquisas manipuladas desestimulem a nossa militância. A verdade está nos trackings. E os trackings mandaram avisar: é Aécio Presidente!

AÉCIO EMBALA, BOLSA SOBE, DÓLAR CAI. Pesquisas de tracking e denúncias contra Dilma aumentam as chances do tucano.

O tracking BTG aponta Aécio com 53% e Dilma com 47%. O tracking do Itaú segue a mesma tendência, dando Aécio com 52,5% e Dilma com 47,5%. O tracking tucano aponta o candidato do PSDB com 53,5% e a petista com 46,5%. E a pesquisa Sensus, dando Aécio 9 pontos à frente de Dilma animou os investidores e confirmou as pesquisas internas, fazendo a Bolsa subir e o dólar perder valor.

No último pregão antes do segundo turno da eleição presidencial, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 2,42%, aos 51.940 pontos. Após iniciar o dia instável, o pregão chegou a marcar alta de 4,65%, mas perdeu intensidade ao longo da tarde. Segundo analistas, o movimento foi reflexo, em grande parte, da divulgação de uma nova pesquisa eleitoral, que aponta vantagem ao candidato Aécio Neves. 

Mesmo com o avanço, a Bovespa acumula queda de 6,79% nesta semana. Já o câmbio fechou em queda de 2,18%, a R$ 2,456 para compra e R$ 2,458 para venda. Ao longo do dia, a divisa chegou a recuar 2,6% (para R$ 2,46). Assim, a oscilação da divisa chegou a ser a maior desde o dia 6 de outubro, logo após o primeiro turno das eleições, quando a moeda registrou queda de 3,88% durante o dia. Na semana, o dólar acumula alta de 1,1%. Na quinta-feira, por exemplo, a divisa chegou a fechar a R$ 2,510 - na maior cotação desde dezembro de 2008.

De acordo com dados compilados pela Bloomberg, o real apresenta nesta sexta-feira a maior valorização frente ao dólar no mundo entre as 31 principais moedas no mundo. Segundo Raphael Figueredo, analista da Clear Corretora, a semana foi marcada por muita volatilidade, com os investidores preocupados com as incertezas eleitorais. - E essa incerteza acaba se refletindo no câmbio, como um reflexo da Bolsa, e no preços das ações das companhias, em especial, a Petrobras - diz Figueredo.

Segundo Hersz Ferman, da Elite Corretora, a alta da Bolsa e a queda do dólar refletem em parte os ajustes depois da forte queda de ontem e as notícias positivas para Aécio Neves. Hoje, cita Ferman, houve a divulgação de uma pesquisa, que mostra vantagem para o candidato tucano. Além disso, reportagem da revista "Veja" desta semana liga o ex-presidente Lula e a candidata à reeleição Dilma Rousseff à operação Lava-Jato, da Polícia Federal.

- Ontem, houve um movimento exagerado na Bolsa e no dólar, o que ajudou a descolar completamente do cenário externo. Então, hoje está ocorrendo um ajuste. Ao mesmo tempo, saíram notícias positivas para o candidato da oposição, o que acaba ajudando no humor do mercado. Mas as pesquisas eleitorais estão mostrando muita divergência, o que acaba aumentando a volatilidade da Bolsa, com movimentos fortes de alta e de queda - explicou Ferman.(Globo)

Aécio quer investigação sobre caixa dois de R$ 20 milhões na campanha de Dilma.

"A denúncia é extremamente grave e tem que ser confirmada, mas é preciso que seja também apurada", afirmou o candidato tucano, que acusou o PT de tentar censurar a publicação. "O Brasil merece uma resposta daqueles que governam o País. Infelizmente, a única manifestação foi pela censura, pela retirada de circulação da maior revista nacional. Essa não é, certamente, a resposta que os brasileiros aguardam" (Declaração de Aécio Neves)

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, convocou a imprensa para falar sobre as acusações publicadas nesta sexta-feira (24) pela revista "Veja". Ele disse que os relatos são " extremamente graves" e que apontam para a possibilidade de caixa 2 na campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). "Hoje a revista 'Veja' reproduz um trecho do depoimento do doleiro Alberto Youssef que diz que a presidente da República e o ex-presidente Lula sabiam do esquema de corrupção na Petrobras", disse o tucano. 

Segundo a revista, que adiantou sua publicação para esta sexta, Youssef disse em depoimento à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal, no seu processo de delação premiada, que Dilma e Lula tinham conhecimento do esquema de desvio de dinheiro na Petrobras.

Ele chamou atenção para a indicação feita pela revista de que a cúpula da campanha de Dilma solicitou, segundo Youssef, o repatriamento de US$ 20 milhões para financiar a campanha presidencial deste ano. "Se comprovado, é a prova de que houve caixa dois nessa campanha", disse Aécio, acrescentando que a delação premiada só se reverte em benefício para o réu se ele comprovar as acusações, insinuando que as afirmações de Youssef devem ter lastro em provas. 

Aécio acrescentou ainda que a única manifestação do PT sobre as denúncias foi "pela censura", já que o partido tentou retirar a revista de circulação. O ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Admar Gonzaga negou nesta sexta um pedido apresentado pela coligação de Dilma para que fossem retirados do Facebook links e menções à reportagem da revista "Veja" desta semana. 

Para o ministro, o pedido da coligação de Dilma não é cabível, uma vez que se baseou num dispositivo legal que só valerá para as eleições do ano que vem. Na peça, os advogados do PT dizem que "Veja" antecipou sua edição com o objetivo de "agredir" a imagem de Dilma e "afetar a lisura do processo eleitoral". 

O tucano gravou um depoimento sobre o caso para seu programa eleitoral da noite, o último antes do segundo turno.(Folha Poder)

Dilma tenta censurar reportagem da Veja para abafar denúncia de sua participação nos desvios da Petrobras. TSE nega!

O ministro Admar Gonzaga, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou nesta sexta-feira o pedido de liminar feito pela campanha da presidente Dilma Rousseff de retirada da publicação da reportagem da revista “Veja”, publicada no site e no Facebook da revista, que traz informação atribuída ao doleiro Alberto Youssef de que Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabiam do esquema de corrupção na Petrobras. 

Para negar o pedido, o ministro Admar Gonzaga justificou que o artigo da lei eleitoral citado na representação (art. 57-D, § 3º, da Lei das Eleições) para pedir a retirada do ar não está em vigor nas eleições deste ano. Ele arquivou a representação, sem julgamento do mérito.

Na representação, a coligação de Dilma sustenta que a matéria veiculada pela Revista “Veja” é ofensiva à candidata e foi publicada na edição online da revista e em sua página do Facebook. De acordo com a representação, a revista teria antecipado sua edição para sexta-feira para "tentar afetar a lisura do pleito eleitoral". A representação diz ainda: " a matéria absurda de capa [...] imputa crime de responsabilidade à candidata Representante (...) e a mensagem ofensiva da capa da revista tem por objetivo bem delineado: agredir a imagem da candidata Representante" .

Em seu curto despacho, o ministro Admar Gonzaga afirmou o seguinte: "O dispositivo invocado para a suspensão da veiculação (§ 3º do art. 57-D da Lei nº 9.504/1997), consoante entendimento deste Tribunal Superior (Consulta nº 1000-75), não tem eficácia para o pleito de 2014, razão pela qual indefiro liminarmente a petição inicial e extingo o processo sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, I, do Código de Processo Civil."

O parágrafo terceiro do artigo 57-D, citado pela representação e pelo ministro foi incluído na Lei das Eleições pela chamada minirreforma eleitoral, aprovada pelo Congresso e que virou lei no final de 2013, menos de um ano antes desta eleição. O entendimento do TSE é de que as alterações desta lei não iriam vigorar para as eleições de 2014. O artigo trata da livre manifestação do pensamento, mas vedando o anonimato nas campanhas eleitorais. O parágrafo diz que: " Sem prejuízo das sanções civis e criminais aplicáveis ao responsável, a Justiça Eleitoral poderá determinar, por solicitação do ofendido, a retirada de publicações que contenham agressões ou ataques a candidatos em sítios da internet, inclusive redes sociais." (Jornal O Globo)

IPEA DESMENTE DILMA E MANTEGA Comprovado: Brasil está em recessão e a culpa não é da crise internacional. Governo esconde a informação e engana o eleitor.

O fraco desempenho da economia brasileira, em recessão técnica, tem pouco a ver com uma crise internacional e está mais ligado à desaceleração da demanda doméstica e à redução dos investimentos na produção. A visão, contrária aos argumentos da presidente Dilma Rousseff e do ministro da Fazenda, Guido Mantega, não vem da oposição ao governo, mas de uma ampla análise do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Divulgada sem alarde no site do Ipea, a Carta de Conjuntura derruba dois dogmas do discurso do governo federal. O Ipea reconhece a "recessão técnica", ou seja, a queda da atividade econômica por dois trimestres consecutivos. O governo rejeita esse conceito. "Este resultado (do 2º trimestre) configurou um cenário de recessão técnica, uma vez que o Produto Interno Bruto (PIB) já tinha caído 0,2% no trimestre anterior", diz no documento.

O instituto, vinculado à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência (SAE), também nega que a crise mundial seja a única explicação para o fraco resultado do PIB registrado ao longo dos últimos quatro anos.

A análise, assinada pela Diretoria de Estudos e Política Macroeconômicas, sai em um momento de crise interna no Ipea e de adiamento na divulgação de indicadores negativos para a economia às vésperas da eleição. Na semana passada, o diretor de Estudos e Políticas Sociais, Herton Araújo, pediu demissão após ser voto vencido em reunião da cúpula do Ipea que decidiu não divulgar análises com dados públicos durante o período eleitoral. Na ocasião, Araújo defendia a divulgação de estudo sobre miséria a partir de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do IBGE. (Veja )

SENSUS DESMENTE IBOPE E DATAFOLHA Aécio tem 54,6% das intenções de voto e lidera a corrida presidencial.

14983235364_cd8a5e56b2_o.jpg
Pesquisa ISTOÉ/Sensus realizada a partir da terça-feira 21 reafirma a liderança de Aécio Neves (PSDB) sobre a petista Dilma Rousseff nos últimos dias da disputa pela sucessão presidencial. Segundo o levantamento que entrevistou 2 mil eleitores de 24 Estados, o tucano soma 54,6% dos votos válidos, contra 45,4% obtidos pela presidenta Dilma Rousseff. Uma diferença de 9,2 pontos percentuais, o que equivale a aproximadamente 12,8 milhões de votos. 

A pesquisa também constatou que a dois dias das eleições 11,9% do eleitorado ainda não decidiu em quem votar. “Como no primeiro turno, deverá haver uma grande movimentação do eleitor no próprio dia da votação”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. Se for considerado o número total de votos, a pesquisa indica que Aécio conta com o apoio de 48,1% do eleitorado e a candidata do PT 40%.
 
De acordo com Guedes, a pesquisa realizada em cinco regiões do País e em 136 municípios  revela que o índice de rejeição à candidatura de Dilma Rousseff se mantém bastante elevado para quem disputa. 44,2% dos eleitores afirmaram que não votariam na presidenta de forma alguma. A rejeição contra o tucano Aécio Neves é de 33,7%. 
 
Segundo o diretor do Sensus, a taxa de rejeição pode indicar a capacidade de crescimento de cada um dos candidatos. Quanto maior a rejeição, menor a possibilidade de crescimento. Outro indicador apurado pela pesquisa Istoé/Sensus diz respeito á votação espontânea, quando nenhum nome é apresentado para o entrevistado. Nessa situação, Aécio também está à frente de Dilma, embora a petista esteja ocupando a Presidência da República desde janeiro de 2011. O tucano é citado espontaneamente por 47,8% dos eleitores e a petista por 39,4%. 0,2% citaram outros nomes e 12,8% disseram estar indecisos ou dispostos a votar em branco.
 
Para conquistar os indecisos as duas campanhas apostam as últimas fichas nos principais colégios eleitorais do País: São Paulo, Minas e Rio de Janeiro. O objetivo do PSDB e ampliar a vantagem obtida em São Paulo no primeiro turno e procurar virar o jogo em Minas e no Rio. Em São Paulo, Aécio intensificou a campanha de rua, com a participação constante do governador reeleito, Geraldo Alckmin, e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. 
 
De acordo com as pesquisas realizadas pelo comando da campanha de Aécio, em Minas o tucano já estaria na frente de Dilma e a vantagem veio aumentando dia a dia na última semana. Processo semelhante ocorreu em Pernambuco, depois de Aécio receber o apoio explícito da família de Eduardo Campos e do governador eleito, Paulo Câmara. Os mesmos levantamentos indicam que no Rio de Janeiro a candidatura do senador mineiro vem crescendo, mas ainda não ultrapassou a presidenta. 
 
Para reverter esse quadro, Aécio aposta no apoio de lideranças locais, basicamente de Romário, senador eleito pelo PSB, que deverá acompanhá-lo nos últimos atos de campanha. Para consolidar a liderança, Aécio tem usado os últimos programas no horário eleitoral gratuito para apresentar-se ao eleitor como o candidato da mudança contra o PT. Isso porque, as pesquisas internas mostram a maior parte do eleitor brasileiro se manifesta com o desejo de tirar o partido do governo.
 
No comando petista, embora não haja um consenso sobre qual a melhor opção a ser colocada em prática nos dois últimos dias de campanha, a ordem inicial é a de continuar a apostar na estratégia de desconstrução do adversário. Nas duas últimas semanas, o que se constatou é que, ao invés de usar parlamentares eleitos para esse tipo de ação – como costumava fazer o partido em eleições passadas -- os petistas escalaram suas principais lideranças para a missão, inclusive o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a própria candidata. Os petistas apostam no problema da falta d’água para tirar votos de Aécio em São Paulo e numa maior presença de Dilma em Minas para procurar se manter á frente do tucano no Estado.   
 
PESQUISA ISTOÉ/Sensus
 
Realização – Sensus
Registro na Justiça Eleitoral – BR-01166/2014
Entrevistas – 2.000, em cinco regiões, 24 estados e 136 municípios do País
Metodologia – Cotas para sexo, idade, escolaridade, renda e urbano e rural
Campo – De 21 a 24 de outubro
Margem de erro - +/- 2,2%
Confiança – 95%

Dilma sabia de tudo. Logo, Dilma é a maior responsável pela roubalheira de bilhões da Petrobras. O que ela ganhou com isso?

Abaixo, segue a reportagem da Veja que abalou esta eleição. Se Dilma for reeleita, não governará, pois as provas contra ela são irrefutáveis. Sim, no caso dela basta saber. Como presidente do Conselho de Administração da Petrobras, primeira e última palavra, depois assumindo a Presidência da República, como chefe suprema da estatal, ela poderia ter impedido tudo, se não achasse, como ao que tudo indica, melhor participar e se locupletar do esquema escandaloso. É preciso alertar o país sobre isto: elegendo Dilma Rousseff, o país estará escolhendo Michel Temer, seu vice, pois ela possivelmente será alvo de processo de impeachment, como Fernando Collor de Mello. E quem assumirá será o presidente do PMDB, cujo partido é um dos que, junto com o PT, estão roubando a Petrobras. Para ler a reportagem, cliquem na imagem para ampliar, usem o ctrl+, enfim, se virem, que o conteúdo é explosivo.


 

























Resta saber se Dilma Rousseff ganhou dinheiro com isso ou apenas teve a sua campanha de 2010 financiada pelo roubo da Petrobras. Lula, este não conta. Não está concorrendo a nada e não tem imunidade alguma. Se for condenado, vai pro fundo da cadeia como José Dirceu. Aliás, como chefão do mensalão, já deveria estar lá. Vamos divulgar esta reportagem urgentemente. Ainda há tempo para salvar o país das mãos desta quadrilha.

Quem tem 53% é Aécio e os institutos não podem negar.

Nas duas pesquisas apresentadas ontem, pelo menos uma enorme distorção. O Datafolha encontrou, na Região Sul, 57% para Aécio e 43% para Dilma. Já o Ibope, conforme denunciado por este blogueiro no twitter, encontrou um empate, cada um dos candidatos com 50%. Uma nítida tentativa de desestabilizar o eleitor sulista que dará, sem dúvida 60% para Aécio e 40% para Dilma. Uma excrescência. Da mesma forma, Datafolha acha 5% de indecisos e Ibope encontra somente 3%. É preciso levar em conta que as pesquisas erraram a votação de Aécio Neves, às vésperas do primeiro turno, por mais de 20%. As duas pesquisas, desta forma, podem estar mostrando exatamente o contrário: Aécio com 53% e Dilma com 47%.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

"Vou votar em Aécio Neves", declara Neymar Jr.

Craque abre seu voto e, assim como Romário, Ronaldo, Bebeto, Zico e tantos outros craques, também vai de Aécio Neves!