Lula diz que não vai ser mais presidente porque não pode ser melhor do que ele mesmo. O câncer não afetou a modéstia.

Abaixo Lula, em entrevista para a Folha de São Paulo:

Folha - Como o sr. está?
Luiz Inácio Lula da Silva - O câncer está resolvido porque não existe mais aqui [aponta para a garganta]. Mas eu tenho que fazer tratamento por um tempo ainda. Tenho que manter a disciplina para evitar que aconteça alguma coisa. Aprendi que tanto quanto os médicos, tanto quanto as injeções, tanto quanto a quimioterapia, tanto quanto a radioterapia, a disciplina no tratamento, cumprir as normas que tem que cumprir, fazer as coisas corretamente, são condições básicas para a gente poder curar o câncer.

Foi difícil abrir mão...
Hoje é que eu tenho noção do que o Zé Alencar passou. [Fica com a voz embargada e os olhos marejados]. Eu, que convivi com ele tanto tempo, não tinha noção do que ele passou. A gente não sabe o que é pior, se a quimioterapia ou a radioterapia. Uns dizem que é a químio, outros que é a rádio. Para mim, os dois são um desastre. Um é uma bomba de Hiroshima e, o outro, eu nem sei que bomba é. Os dois são arrasadores. 

O sr. teve medo?
A palavra correta não é medo. É um processo difícil de evitar, não tem uma única causa. As pessoas falam que é o cigarro [que causa a doença], falam que é um monte de coisa que dá, mas tá cheio de criancinha que nasce com câncer e não fuma.

Qual é a palavra correta?
A palavra correta... É uma doença que eu acho que é a mais delicada de todas. É avassaladora. Eu vim aqui com um tumor de 3 cm e de repente estava recebendo uma Hiroshima dentro de mim. [Em alguns momentos] Eu preferiria entrar em coma.

Kalil [interrompendo] - Pelo amor de Deus, presidente!

Em coma?
Eu falei para o Kalil: eu preferiria me trancar num freezer como um carpaccio. Sabe como se faz carpaccio? Você pega o contrafilé, tira a gordura, enrola a carne, amarra o barbante e coloca o contrafilé no freezer e, quando ele está congelado, você corta e faz o carpaccio. A minha vontade era me trancar no freezer e ficar congelado até...

Sentia dor?
Náusea, náusea. A boca não suporta nada, nada, nada, nada. A gente ouvindo as pessoas [que passam por um tratamento contra o câncer] falarem não tem dimensão do que estão sentindo.

Teve medo de morrer?
Eu tinha mais preocupação de perder a voz do que de morrer. Se eu perdesse a voz, estaria morto. Tem gente que fala que não tem medo de morrer, mas eu tenho. Se eu souber que a morte está na China, eu vou para a Bolívia. 

O sr. acredita que existe alguma coisa depois da morte?
Eu acredito. Eu acredito que entre a vida que a gente conhece [e a morte] há muita coisa que ainda não compreendemos. Sou um homem que acredita que existam outras coisas que determinam a passagem nossa pela Terra. Sou um homem que acredita, que tem muita fé.

Mesmo assim, teve um medo grande?
Medo, medo, eu vivo com medo. Eu sou um medroso. Não venha me dizer: 'Não tenha medo da morte'. Porque eu me quero vivo. Uma vez ouvi meu amigo [o escritor] Ariano Suassuna dizer que ele chama a morte de Caetana e que, quando vê a Caetana, ele corre dela. Eu não quero ver a Caetana nem...

Qual foi o pior momento neste processo?
Foi quando eu soube. Vim trazer a minha mulher para um exame e a Marisa e o Kalil armaram uma arapuca e me colocaram no tal de PET [aparelho que rastreia tumores]. Eu tinha passado pelo otorrino, o otorrino tinha visto a minha garganta inflamada.
Eu já estava há 40 dias com a garganta inflamada e cada pessoa que eu encontrava me dava uma pastilha No Brasil, as pessoas têm o hábito de dar pastilha para a gente. Não tinha uma pessoa que eu encontrasse que não me desse uma pastilha: 'Essa aqui é boa, maravilhosa, essa é melhor'. Eu já tava cansado de chupar pastilha.
No dia do meu aniversário, eu disse: 'Kalil, vou levar a Marisa para fazer uns exames'. E viemos para cá. O rapaz fez o exame, fez a endoscopia, disse que estava muito inflamada a minha garganta. Aí inventaram essa história de eu fazer o PET. Eu não queria fazer, eu não tinha nada, pô. Aí eu fui fazer depois de xingar muito o Kalil.
Depois, fui para uma sala onde estava o Kalil e mais uns dez médicos. Eu senti um clima meio estranho. O Kalil estava com uma cara meio de chorar. Aí eu falei: 'Sabe de uma coisa? Vocês já foram na casa de alguém para comunicar a morte? Eu já fui. Então falem o que aconteceu, digam!' Aí me contaram que eu tinha um tumor. E eu disse: 'Então vamos tratar'.

Existia a possibilidade de operar o tumor, em vez de fazer o tratamento que o senhor fez.
Na realidade, isso nem foi discutido. Eles chegaram à conclusão de que tinha que fazer o que tinha que fazer para destruir o bicho [quimioterapia seguida de radioterapia], que era o mais certo. Eu disse: 'Vamos fazer'.
O meu papel, então, a partir dessa decisão, era cumprir, era obedecer, me submeter a todos os caprichos que a medicina exigia. Porque eu sabia que era assim. Não pode vacilar. Você não pode [dizer]: 'Hoje eu não quero, não tô com vontade'. 

O senhor rezava, buscou ajuda espiritual?
Eu rezo muito, eu rezo muito, independentemente de estar doente. 

Fez alguma promessa?
Não.

Existia também uma informação de que o senhor procurou ajuda do médium João de Deus.
Eu não procurei porque não conhecia as pessoas, mas várias pessoas me procuraram e eu sou muito agradecido. Várias pessoas vieram aqui, ainda hoje há várias pessoas me procurando. E todas as que me procurarem eu vou atender, conversar, porque eu acho que isso ajuda.

E como será a vida do sr. a partir de agora? Vai seguir com suas palestras?
Eu não quero tomar nenhuma decisão maluca. Eu ainda estou com a garganta muito dolorida, não posso dizer que estou normal porque, para comer, ainda dói.
Mas acho que entramos na fase em que, daqui a alguns dias, eu vou acordar e vou poder comer pão, sem fazer sopinha. Vou poder comer pão com aquela casca dura. Vai ser o dia!
Eu vou tomando as decisões com o tempo. Uma coisa eu tenho a certeza: eu não farei a agenda que já fiz. Nunca mais eu irei fazer a agenda alucinante e maluca que eu fiz nesses dez meses desde que eu deixei o governo. O que eu trabalhei entre março e outubro de 2011... Nós visitamos 30 e poucos países.
Eu não tenho mais vontade para isso, eu não vou fazer isso. Vou fazer menos coisas, com mais qualidade, participar das eleições de forma mais seletiva, ajudar a minha companheira Dilma [Rousseff] de forma mais seletiva, naquilo que ela entender que eu possa ajudar. Vou voltar mais tranquilo. O mundo não acaba na semana que vem. 

Quando é que o senhor começa a participar da campanha de Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo?
Eu acho o Fernando Haddad o melhor candidato. São Paulo não pode continuar na mesmice de tantas e tantas décadas. Eu acho que ele vai surpreender muita gente. E desse negócio de surpreender muita gente eu sei. Muita gente dizia que a Dilma era um poste, que eu estava louco, que eu não entendia de política. Com o Fernando Haddad será a mesma coisa. 

O senhor vai pedir à senadora Marta Suplicy para entrar na campanha dele também?
Eu acho que a Marta é uma militante política, ela está na campanha.

Tem falado com ela?
Falei com ela faz uns 15 dias. Ela me ligou para saber da saúde. Eu disse que, quando eu sarar, a gente vai conversar um monte.

E em 2014? O senhor volta a disputar a Presidência?
Para mim não tem 2014, 2018, 2022. Deixa eu contar uma coisa para vocês: eu acabei de deixar a Presidência da República, tem apenas um ano e quatro meses que eu deixei a Presidência.
Poucos brasileiros tiveram a sorte de passar pela Presidência da forma exitosa com que eu passei. E repetir o que eu fiz não será tarefa fácil. Eu sempre terei como adversário eu mesmo. Para que é que eu vou procurar sarna para me coçar se eu posso ajudar outras pessoas, posso trabalhar para outras pessoas?
E depois é o seguinte: você precisa esperar o tempo passar. Essas coisas você não decide agora. Um belo dia você não quer uma coisa, de repente se apresenta uma chance, você participa.
Mas a minha vontade agora é ajudar a minha companheira a ser a melhor presidenta, a trabalhar a reeleição dela. Eu digo sempre o seguinte: a Dilma só não será candidata à reeleição se ela não quiser. É direito dela, constitucional, de ser candidata a presidente da República. E eu terei imenso prazer de ser cabo eleitoral.

34 comentários

Sai pra lá vodu do caralho.
Desaparece !!!!!!

Reply

puta que pariu, mas que estorvo...

as mesmas merdas, as mesmas besteiras, as mesmas idiotices...

não pode ser verdade...

Reply

Deus ele que ser um PRESUNTO , faça-lhe logo o seu pedido , um PRESUNTO para ser comido pleos VERMES, este homi é o próprio cancer da vida do brasileiro XÔ XÕ, vai logo vira um presunto

Reply

Coronel,

esse imbecil ignorante malévolo destruidor do Brasil não será presidente pois estará Nullo-mortinho-da-Silva.

Flor Lilás

Reply

Como ele é "modestioooo"!!!
Ouvi de um médico muito competente que esse tipo de cancer é provocado por virus e se adquire no sexo oral.
Esse Moluscão não tem jeito, existe sim um lugar para onde pessoas como ele vai depois dessa vida, as profundezas do inferno.
É de lá que ele tem medo.

Reply

Bingo Coronel.

"Mas eu tenho que fazer tratamento por um tempo ainda. Tenho que manter a disciplina para evitar que aconteça alguma coisa".

EU SABIA, SE ELE NÃO SE CUIDAR VAI COMER SOPINHA COM O SATANÁS.

Reply

"Eu sou um medroso" - data venia, vossa excrescência é um cagão.

Reply

A entrevista toda é um NOJO um LIXO

Mas o trecho mais nauseabundo e asqueroso é:

"O Kalil estava com uma cara meio de chorar."

Reply

Lembrem-se do que Millôr disse a respeito de Lula.

Reply

O velhaco é tão safado que, se colocado ao lado do tinhoso, esse vai pedir arrego ao velhinho.
Se elle fosse assim tão bom como prega ser, teria uma morte tranquila.
Não leio o que elle joga no ventilador.

Reply

Coronel,

Vamos avisar o Lulla que a morte veio da China para o Brasil, assim elle vai para o Canada, com a Mariza!!!

JulioK

Ps.: Para a nossa industria, realmente a morte veio da China, a amiga do Lulla!!!

Reply

Cel.

A quimio fez muito mal à sua cachola! Ele ainda se julga o melhor. Quanta modéstina!

Sampa não precisa de nenhum “novo poste” como Haddad. Pode continuar na mesmice. Aliás, há até um ditado que diz: É MELHOR REPETIR, DO QUE VARIAR MAL. E Sampa faz questão de repetir SERRA, o melhor!!!!

Em Sampa, PT não passará !!!!!


Chris/SP

Reply

Editorial do Estadão

O desafio depois da cura

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,o-desafio-depois-da-cura-,855336,0.htm

Reply

Bastou o mardito começar a falar para feder a atmosfera.

Dá nojo!!!!!!!!!!!!!!

Mas a história ainda não terminou.

Quem vier, verá.

Reply

TINHA QUE SER CURINTIANU UM ESTRUPÍCIO DESSE!!!!!!!!!

Reply

Bem, em 2014 ele não vai ser candidato. Não é que não queira: ele não pode e não tem força política para isso. E sabe muito bem disso. E todos sabem também disso.

O candidato do governo em 2014 será a tentativa de reeleição da presidente atual.

Se o ex-presidente quiser ser candidato, gerará uma crise. Primeiro em seu partido. Segundo, com a presidente atual. Terceiro, sofrerá forte oposição de toda a sociedade, pois estaria tentando mudar as regras do jogo, alijando a presidente atual e seu direito de tentar reeleger-se. Quarto, o ex-presidente não tem força política e social para isso.

Então 2014 já é passado para o ex-presidente.

Reply

Sempre pensei que quando passamos por um problema tão difícil, tão penoso repensaríamos nosso modo de viver e de pensar, mas infelizmente esta desgraça ficou pior, o sentimento de ódio dele cresceu.
Se ele queria tanto virar carpaccio então que as forças divinas o atenda.

Reply

Ele não pode concorrer. Agora todos já sabem que ele é aposentado por invalidez. Vai ser cobrado na campanha.

Reply

Alguém que tem câncer consegue ser investido em cargo público, mesmo se concursado?


Por que para políticos regras como essa e a da idade não valem?

Até juiz das altas cortes são aposentados compulsoriamente ao completar 70 anos.

Reply

Que nojo, com licença que eu vou vomitar... bleargh!...

Reply

ele naum vai querer se queimar né ele sabe que o mundo mudou que essa crise naum passara tão cedo que a china naum crescera mas tanto como antes e com isso naum levara junto as economias mundial o que era bom ja passaou e naum voltara mas e ele naum vai se queimar virando novamente presidente pegando um país que naum crescera anda a ainda se enfiar em dividas pra sediar copa e olimpiadas

Reply

"Kalil [interrompendo] - Pelo amor de Deus, presidente!"

mas que puxada de saco, hein?

o doutor poderia ao menos nos dizer quem esta pagando esse tratamento caríssimo...

ou esta trampando "di gratis"?

Reply

Cel
Que merda é esse cara. Vamos ver até quando vai nos infernizar antes de ártir desta para pior. Que o capeta o tenha nos quintos dos infernos.
Esther

Reply

Dilma só não será candidata em 2014 se não quiser. Ou seja, ela não vai querer...

Reply
Oswaldo Leme. mod

"E como será a vida do sr. a partir de agora? Vai seguir com suas palestras?
Eu não quero tomar nenhuma decisão maluca. Eu ainda estou com a garganta muito dolorida, não posso dizer que estou normal porque, para comer, ainda dói.
Mas acho que entramos na fase em que, daqui a alguns dias, eu vou acordar e vou poder comer pão, sem fazer sopinha. Vou poder comer pão com aquela casca dura. Vai ser o dia!"

O CANCER É NA FARINGE?

Reply

A maior doença não é o câncer, mas a ignorância dos Homens, pois a morte é inevitável, faz parte da natureza.
Pelo jeito, a doença não fez ele perceber essa verdade.

Reply

Era tanto os comentários negativos contra o Lula, que o jornal Folha de São Paulo interrompeu temporariamente em seu site, os comentários postados pelos internautas.
Lamentável.
É a auto-sensura do Jornal ou foi ordem do PT ?

Reply

Que ladainha!!!

Reply

Passou pela presidência de forma exitosa??? Os petralhas acabaram com o país!!! O país deixou de crescer neste período, ficou décadas e décadas atrasado!!!

Reply

Coronel,
A boca-de-latrina do lullaráio produziu mais uma pérola, à altura da ignorância dele.
Depois de revelar um segredo de família, de que sua mãe nasceu analfabeta, ele descobriu que tem crianças que nascem com câncer sem nunca terem fumado! Incrível!!
E amanhã, 31 de março, bandeiras do Brasil nas janelas, contra a ditadura petralha!

Reply

CORONEL, VÊ SE ENSINA A ESSE POVO QUE DOS MALES NECESSÁRIOS À EXISTENCIA DA DEMOCRACIA, OS POLITICOS SÃO O MENOS IMPORTANTES DELES E QUANTO MENOS SE FAÇA NECESSÁRIO A SUA PRESENÇA, MAIS PERFEITA SE FARÁ ESSA DEMOCRACIA.
ENSINE-OS QUE TEMOS PODERES DISTINTOS E PARA QUE OS MESMOS FUNCIONEM CONFORME A CONSTITUIÇÃO TEMOS A PARTICIPAÇÃO POPULAR ATRAVÉS DE UMA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA.
PARA QUE ASSIM NÃO FIQUEMOS À MERCÊ DE OUVIRMOS A TODA HORA ESSAS CARGAS D'ÁGUA A RESPEITO DE POLITICOS E SUAS "HABILIDADES" QUE SOMENTE INTERESSAM À ÊLES PROPRIOS.
FAÇA CHEGAR A ELES TAMBÉM, COM A POPULARIDADE QUE TEM O SEU BLOG QUE DE RESTO, O PAÍS CAMINHA COM SUAS PRÓPRIAS PERNAS, PELA AÇÃO DO SEU POVO E QUE FICAMOS EU E MUITOS OUTROS TORCENDO PELO DIA EM QUE QUALQUER CACHORRO POSSA SER ELEITO
PRESIDENTE DA REPÚBLICA E NADA MUDARÁ, POR QUE É ASSIM QUE TEM QUE SER.
blogdojamellow.blogspot.com

Reply

..."Eu falei para o Kalil: eu preferiria me trancar num freezer como um carpaccio".

*Hummm... analisando psicologicamente a frase, acho que já saquei o âmago da expressão: elle acha que a doença é injusta com ele - como o "maior bonzinho de todos os tempos" acha que merece viver para sempre. Por isso quer se trancar num freezer, numa tentativa de parar o avanço da doença.
O que está esperando para ir se tratar em cuba, a melhor medicina do mundo?!!

Reply

Ou seja: Lula diz que o cancêr dele equivale a morte de 100.000 japoneses!

Reply

Nossa! Estou passando com os efeitos da quimioterapia. Eu sabia que o tratamento enfraquecia as células saudáveis do corpo. Graças ao Defunto, fica claro que isso é verdade.

Até os neurônios são danificados pela quimioterapia. Aí, o indivíduo começa a "tergiversar", falar merda mesmo, se auto-elogiar, etc. Como será o estágio final da deneração neuronal provocada pela quimioterapia?

Reply