Dilma quer novo PAC torrando reservas do Brasil em dólar.


O novo coelho na cartola de Dilma é meter a mão em parte das reservas internacionais para subsidiar um novo PAC. Mais de U$ 100 bilhões. Dar dinheiro barato para grupos financeiros e empreiteiras movimentarem a economia, Os outros PAC ficaram pela metade, inacabados e carregados de corrupção, onde petistas e aliados roubaram bilhões. Basta olhar os relatórios do TCU. O PT não sabe fazer diferente. O verbo é gastar, jamais poupar, ajustar, alinhar. A reportagem é do Estadão.
Para tentar reverter o pessimismo apontado pelos indicadores econômicos, a presidente Dilma Rousseff planeja apresentar ainda neste mês medidas e propostas que ajudem a retomar o crescimento e animar a economia, mas sem abandonar o ajuste fiscal que desde o início do segundo mandato tenta implementar. 

O plano já é tratado no Palácio do Planalto como uma espécie de “novo PAC” e tem como prioridade estimular o setor de construção civil. A expressão refere-se ao Programa de Aceleração do Crescimento, criado em 2007 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva para estimular a economia e posteriormente usado para ajudar a eleger a então ministra da Casa Civil Dilma Rousseff à Presidência da República. Para o Planalto, a escolha pela construção civil se deve à capacidade do setor de, uma vez estimulado, reagir mais rapidamente e, com isso, criar empregos.

Fora isso, o setor também foi o que mais eliminou postos de trabalho em 2015, com cerca de 500 mil demissões - o pior resultado da história. Dentre as principais demandas das empresas para voltar a crescer estão a retomada de projetos como a terceira fase do programa Minha Casa Minha Vida e a quitação de obras já executadas. Há atrasos de até quatro meses no pagamento a empresas contratadas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), autarquia que gerencia mais de mil contratos ativos e é dona do maior orçamento liberado pelo governo.

Contemplar esse setor e dar novo fôlego à economia casa com a agenda política de 2016. A presidente enfrentará na volta do recesso parlamentar, em fevereiro, um processo de impeachment e há a avaliação no governo e no PT de que é preciso agir o mais rápido possível para evitar uma derrota fragorosa nas eleições municipais, em outubro. A resposta seria um plano para tentar conter a alta do desemprego e reduzir a força do discurso oposicionista de que o partido arruinou a economia do País.

Isso explica por que nos últimos dias ministros têm admitido em público erros na condução econômica e, ao mesmo tempo, defendido Dilma do impeachment. Nesta segunda-feira, 4, pelo Twitter e pelo Facebook, o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, afirmou que o governo não apenas reconhece os erros que cometeu na economia como está trabalhando para resolvê-los. “Temos plena consciência de alguns erros que cometemos e das dificuldades que precisamos vencer na economia, mas impopularidade não é crime. É um defeito, um problema que vamos seguir trabalhando para resolver”, disse.

Nesta terça-feira, 5, Wagner se reúne com o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), para discutirem como viabilizar mais recursos para a cidade, maior colégio eleitoral do País e fundamental para as estratégias políticas do partido em 2016 e em 2018.

Conversa. Neste início de ano eleitoral ainda sob impacto da Operação Lava Jato e do processo de impeachment, o Planalto traça estratégias para aumentar sua base de apoio político e social. Para tanto, tenta atrair partidos, movimentos sociais e empresários para o debate sobre as soluções para a crise econômica. O governo espera que, se obtiver alguma melhora na relação com esses agentes, terá mais condições de conter o ânimo de deputados e senadores favoráveis ao afastamento da presidente em fevereiro, quando voltarem ao Congresso após o recesso parlamentar.

A elaboração, contudo, ainda está embrionária. A presidente tenta de novo passar a imagem de estar disposta ao diálogo com diversos segmentos da sociedade. Para tanto, vai retomar o funcionamento do antigo Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão.

Dilma e sua equipe terminaram 2015 convencidos de que o pior da crise política e da tentativa de tirá-la do governo já teria passado. Assim, anunciar as medidas econômicas ainda em janeiro ou início de fevereiro - de preferência antes do carnaval - é a prioridade. Isso traria a imagem de que o governo trabalha pela retomada do crescimento, mesmo sabendo que o primeiro e o segundo trimestre de 2016 serão ainda ruins para a economia.

Fora isso, é uma tentativa de contornar a desconfiança do empresariado. O governo quer anunciar, por exemplo, financiamentos de médio e longo prazo para determinadas atividades econômicas. Assessores da presidente explicam que não se trata de concessão de benefícios ou desonerações pontuais, como feito antes. As medidas em estudo visam criar um ambiente favorável de negócios, como melhor regulação de um setor ou promovendo investimentos em infraestrutura que possam ajudar aquele segmento.

11 comentários

E o PSDB, quando muito, vai emitir uma notinha criticando a ação.
Esse não me engana mais.

Reply

Cagou no Brasil por 13 anos. Cometeu todo tipo de crime,e essa FDP continua livre, leve e solta, cometendo novos crimes! Que PORRA é essa que está acontecendo no Brasil?

Vamos INVADIR o STF, TRE, e outros antros invadidos por esses bandidos e acabar com essa farra de crimes no Brasil. HOJE .... AGORA... não pode passar nem um dia a mais .... ou a cada dia que passa será mais difícil dominar esses bandidos.

Comecemos recolhendo ao cárcere os bandidos togados, pulhas traidores do Brasil.

Reply

Vai se fundê Dilma! Os brasileiros estão esperando o minuto certo para te mostrar com "quantos paus se faz uma canoa”.
CHEGA DE CAGADAS!
CHEGA DE CORRUPÇÃO!
CHEGA DE ROUBOS!
CHEGA DE LULA!
CHEGA DE DILMA!
CHEGA DE PT FDP!

Se os janots da silva, lulas barroso, antas weber e carmens, levandopinga e bostófollis ignácios ... são da quadrilha, então é preciso puní-los primeiro, para não atrapalharem mais a Lava Jato nem blindar seus comparsas..

Brasileiros, mãos à obra!

Reply

Coronel,

Reservas em Dólares formada por aumento de dívida em Reais pagando SELIC.

Agora o Brasil explode de vez!!

JulioK

Reply

Essa mulher é um perigo ambulante - tudo que resolve fazer leva o Brasil mais para o fundo do poço. Precisa ser internada com urgência.

Reply

Belíssimo artigo!
Crime de Omissão Supremo: Quem pune?
- Laércio Laurelli, Jurista, é apresentador do programa Direito e Justiça em Foco. Professor da Escola Paulista de Magistratura. Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Aqui:
http://www.alertatotal.net/2016/01/crime-de-omissao-supremo-quem-pune.html

Reply

Em frente minha casa tem uma obra do PAC2,estava parada até um dia desses!Agora botaram uns caras pra trabalharem lá!Motivo:eleição 2016!Tão perdendo tempo!Não voto nesses vagabundos surripiadores do PT!

Reply

Dilma, sempre mais do mesmo. EEEEEEEEEEEEEEEe gerentona incompetenta.



Toloco

Reply
Maria de Sá mod

Cuidado. Em curso a UNIFICAÇÃO das POLÍCIAS. Vergonhosa a PEC 51/2013.

Original/Completo em http://www.sociedademilitar.com.br/wp/2016/01/cuidado-em-curso-a-unificacao-das-policias-vergonhosa-a-pec-512013.html

Reply

Vagabunda começa a elaborar plano mirabolantes novamente pensando nas eleições de outubro. Novamente trapacear o povo brasileiro queimando as reservas que é do povo e não dela. Mas ela age como se fosse dela e vai distribuir para os companheiros e chupa saco deste governo como chico buarque. A unica saída para este país é nos meter o pé na bunda desta vagabunda.

Reply

Pouco importa o autor da obra, queremos o Brasil de novo na trilha do crescimento e isso é o que importa. Vamos deixar de lado as feridas de campanha e pensar no povo brasileiro.

Reply