Agora o povo sabe e não esquece: não existiria a corrupção do PT se não houvesse a participação do PMDB.

 
(Veja) Nas últimas três décadas, o PMDB exerceu com incomparável habilidade a arte de se manter no governo - e sempre arranjar uma justificativa aparentemente republicana para isso. A tática do adesismo irrestrito costuma funcionar bem: rende votos, influência e cargos privilegiados no primeiro e segundo escalão. Até que se esgote a popularidade do líder do momento e seja necessário pular do barco.

O PMDB está nessa situação. Os níveis baixíssimos de popularidade de Dilma Rousseff e a decadência do PT são sinais muito fortes para serem ignorados por um partido que almeja assumir o Palácio do Planalto em 2018. Ao mesmo tempo em que aumentam as críticas à presidente da República e ao seu partido, nomes de destaque do PMDB têm se aproximado de figuras da oposição. Mas ainda não há clareza a respeito do rumo a tomar. Rompimento imediato? Apoio aberto ao impeachment? Preservação do governo para lucrar com a imagem de fiador da estabilidade?

Em meio às incertezas, os peemedebistas se preparam para lançar no próximo congresso da legenda, previsto para a primeira quinzena de outubro, uma proposta de programa partidário com traga quinze caminhos para a política e a economia. O principal responsável pela elaboração do documento é o senador Romero Jucá (PMDB-RR). A depender das suas últimas declarações sobre as políticas econômicas de Dilma, é esperado que apresente propostas divergentes das adotadas pelo governo petista. Na última semana, o parlamentar disse que "chegou a hora da verdade dos números" e que nos cálculos não devem haver "maquiagens" ou "pedaladas".

Dentre os peemedebistas de destaque, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), é o que menos esconde a disposição de rompimento com o PT - embora não com o governo: "O PMDB, a cada dia que passa, está mais distante do PT e nós esperamos que fique a cada hora mais distante", disse ele na última quinta-feira. E prosseguiu: "Temos a responsabilidade da governabilidade de um governo que em que o PMDB faz parte na chapa, mas isso não quer dizer que temos que mergulhar nas teses equivocadas do PT". Desde que assumiu o comando da Câmara, Cunha tem pautado temas que desagradam o governo. Até agora, venceu mais do que perdeu.

O ex-deputado Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) é um dos personagens que ajudam a explicar a relação do PMDB com o PT. Antigo adversário dos petistas, ele se aproximou do governo ainda na gestão de Lula. No primeiro mandato de Dilma, se tornou vice-presidente da Caixa Econômica Federal. Depois, rompeu novamente com o PT. "Na medida em que a coisa vai se deteriorando, a nossa ideia de afastamento vai ganhando adeptos e se tornando mais real. Vai culminar em outubro no congresso do PMDB", avalia.

Já na convenção de 2014, a sigla mostrou-se dividida. O apoio à reeleição de Dilma Rousseff foi aprovado com apenas 54% do total de credenciados para votar. Se a votação ocorresse hoje, o resultado certamente seria amplamente desfavorável ao governo. A tese do impeachment ainda é minoritária. Para muitos peemedebistas, interessa manter a presidente Dilma Rousseff acuada e impopular. Por dois motivos. O primeiro, porque com uma presidente enfraquecida no poder o partido continua a controlar a agenda pública, como tem feito por meio de Eduardo Cunha e Renan Calheiros. O segundo, porque assim será mais fácil derrotar o PT em uma eventual candidatura avulsa à Presidência em 2018. 

Mas a estratégia traz riscos. Se chegar na próxima eleição presidencial ao lado de Dilma, mesmo que apenas simbolicamente na figura de Michel Temer, o PMDB terá muita dificuldade em se apresentar como o porta-voz da mudança.Como negar que o PMDB também é parte dos motivos para a crise? A instabilidade econômica é fruto de políticas irresponsáveis de Dilma Rousseff no seu primeiro mandato e de Luiz Inácio Lula da Silva. 

Tanto um quanto outro contaram com o apoio providencial do PMDB, que nunca questionou a sério a política econômica petista. Presidente da Fundação Ulysses Guimarães e figura próxima a Temer, o ex-ministro Moreira Franco tenta eximir o partido: "O partido não participou e nem participa da formulação das estratégias econômicas", diz.

No caso do petrolão, outra causa direta da impopularidade do governo, não há dúvida de que a estrutura foi montada por governos petistas, para atender prioritariamente o PT. Mas também é inegável que o PMDB desfrutou do esquema. Eduardo Cunha e Renan Calheiros estão na lista de investigados da operação Lava Jato. É outro tema em que o partido terá de se esforçar muito para passar a imagem de que é diferente do PT.

O PMDB pode, por outro lado, abarcar a tese do impeachment. Nesse caso, o herdeiro da Presidência seria Michel Temer. Mas a história mostra que o partido só faria isso quando o cenário estivesse desenhado contra o governo. Não é do perfil da sigla tomar a dianteira em um processo sem volta como esse.

Enquanto avalia qual rumo tomar em 2018, o PMDB já tem clareza que, nas eleições municipais de 2016, o afastamento do PT é o melhor caminho para obter um bom resultado nas urnas. Se colocado em prática, poderá ser o primeiro passo para o divórcio que o PT tanto teme.

14 comentários

-Resumindo/traduzindo: pra variar PMDB em cima do "muro".

Reply

E a conivência da oposição de mentirinha do PSDB

Reply

São avalistas deste governo desde a primeira hora, nunca fiscalizaram as contas, jamais questionaram qualquer coisa, muito pelo contrário, participaram alegremente do banquete e de todos só Jarbas Vasconcelos se tornou independente. PT e PMDB são faces da mesma moeda, péssimos gestores, corruptos até dizer chega.
O Brasil está sem saída e Impeachment é chover no molhado, trocar seis por meia dúzia, sai o sujo e entra o mal lavado pois a única parceria que deu certo e fez essa carroça sair do lugar foi com o PSDB/DEM (antigo PFL), aí sim, vimos o país melhorar e até sentíamos um pouco de orgulho de sermos brasileiros, no mais, desde a redemocratização é assim, damos um passo à frente e trocentos para trás e PT/PMDB são os responsáveis por nos levar ao século passado, 1990.
Fora Dilma!
Fora PT!
Fora PMDB!
Cassação da chapa e novas eleições já! Os brasileiros que sustentam a farra merecem uma segunda chance, é legal, infringiram a lei eleitoral e basta de malfeitos!

Reply

O Alckmim está fazendo a cotação de preço.

Vai disputar a candidatura para no fim cobrar caro pra apoiar o Aécio.

A outra alternativa é o Senado, porque provavelmente a turma do Serra vai ganhar a prefeitura paulistana em 2016 e depois o governo em SP em 2018 com Matarazzo, Aloysio ou o próprio Serra.

Reply

Magistrados lançam blogue conservador.

Vale a pena conferir. Deixo um link para um artigo sobre a redução da maioridade penal.

https://veritasquae.wordpress.com/2015/05/25/a-reducao-da-menoridade-penal-e-o-argumento-do-nao-resolve/

Reply

O povo tem que ter consciência.O PMDB é o fiel da balança,mantendo o pt no "comando"!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!.

Reply

A verdade o PMDB é um bando de abutres, que comeram o banquete junto com o PT, e agora esta esperando doente terminal morrer para jantar.

Reply

2016 pode ser o ano p o Brasil começar a votar mais consciente.todos temos o dever de votarmos melhor,tentar ter mais informaçoes dos candidatos,saber a q veio e cobrar,cobrar e cobrar.

Reply

Coronel, acho o título do post um pouco temerário. Existiria corrupção com o PT sim mesmo que não houvesse PMDB. Não vamos transformar o PT em vítima. Agora sim, devemos forçar o PMDB a tomar partido do impeachment, nada de ficar cozinhando a Dilma.

Felipe

Reply

Veja essa notícia!!!
Eleitores de cidades maranhenses que deram mais de 80% dos votos à Dilma se dizem arrependidos:
http://oglobo.globo.com/brasil/eleitores-de-cidades-maranhenses-que-deram-mais-de-80-dos-votos-dilma-se-dizem-arrependidos-16739337?utm_source=WhatsApp&utm_medium=Social&utm_campaign=compartilhar

Reply

Suspensão do Bolsa Família é criticada por pescadores do Maranhão:


http://oglobo.globo.com/brasil/suspensao-do-bolsa-familia-criticada-por-pescadores-do-maranhao-16739394

Reply

Evidente que sim, o PMDB sustentava as trapaças do PT, sua EX BASE DE ALUGUEL DO GOVERNO LULA E DILMA; O PMDB parece ter mudado de posição apenas pelo fato que sentia que seria engolido pelo PT e reduzido a zero!
Daí então o PMDB resolveu mudar de posição, quando sentiu que se tornou massa-de-manobra dos nazifascistas do PT que aos poucos ia descartando sua BASE DE ALUGUEL PMDB à medida que não precisava mais dele e o PMDB contava com parceria, não ser devorado, aí não!
Ainda bem, pois se o PMDB estivesse até hoje com o PT, o bolivarianismo já estaria implantado!
DE QUALQUER FORMA, O PMDB É MUITO MENOS RUIM QUE O PT!
Adote o comunismo e durma com o diabo!

Reply

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/folha-online/brasil/2015/07/12/beneficiarios-do-bolsa-familia-trilham-caminhos-opostos-ao-longo-de-dez-anos.htm

Reply

O PMDB sabe que virar o salvador da pátria, tanto 2016 e 2018 estão garantidos! O diabo muda a pessoa, mas a pessoa não muda o diabo!

Reply