Fator previdenciário: Levy acusa PT de armar bomba fiscal.

 Clique na imagem para ampliar 

(O Globo) A mudança nas regras para se aposentar, aprovada na quarta-feira pela Câmara dos Deputados, vai criar uma bomba fiscal para as próximas gerações. O custo estimado para os cofres públicos ao tornar mais flexível o fator previdenciário, que reduz o benefício conforme aumenta a expectativa de vida, vai ser de R$ 40,6 bilhões em dez anos e de R$ 2,5 trilhões em 35 anos.

Em 2050, quando a faixa etária de 60 anos ou mais vai representar um terço da população — atualmente é de 12% — o deficit da Previdência Social vai dobrar. Diante do tamanho do impacto, a presidente Dilma Rousseff deverá vetar a mudança, e integrantes do governo já buscam alternativas que devem ser apresentadas o mais rápido possível ao grupo de trabalho, criado no fim de abril para tratar do tema.

Em outra frente, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, fez uma advertência ao Senado. Na saída de um evento em São Paulo, ele afirmou que é preciso “muito cuidado para quando votarem não criarem uma nova necessidade de mais impostos”. A interlocutores, foi mais direto: — A Câmara demonstrou que quer uma carga tributária maior. O Senado vai ter que decidir se também quer esse aumento na carga tributária.

Pelos cálculos de Leonardo Rolim, consultor da Câmara dos Deputados e ex-secretário da Previdência Social, a medida vai fazer o rombo aumentar em 1,14% do Produto Interno Bruto (PIB, conjunto de bens e serviços produzidos no país), o que representaria hoje R$ 61,5 bilhões, praticamente toda a economia que o governo se comprometeu a fazer este ano para sanar as contas públicas. Atualmente, o rombo da Previdência é de 1,1% do PIB, chegaria a 2,24% em 2050. — Nos primeiros anos não vai ter impacto. As pessoas vão esperar para se aposentar com as novas regras mais favoráveis. Mas, ao longo do tempo, o deficit dobra — afirmou Rolim.

Pelas contas do especialista, a regra que soma a idade e o tempo de contribuição, que deve ter como resultado 85 para as mulheres e 95 para os homens, quase dobra o benefício da mulher. Em média, as mulheres se aposentam aos 52 anos, com 30 anos de contribuição. Se esperar mais um ano e meio, o salário sobe 44,2%. Para os homens, que buscam o benefício em média aos 55 anos, mais dois anos e meio de trabalho aumentariam a aposentadoria em 20,5%. A soma de 85 para mulher e 95 para o homem permite que o trabalhador se aposente com o benefício máximo de R$ 4.663,75.

— Vai na contramão de um ajuste fiscal de médio e longo prazo e do que está acontecendo no mundo. Mais um saquinho de bondades que vai se tornar um belo saquinho de maldades lá na frente. A medida vai arrebentar as contas públicas. O financiamento da Previdência do cidadão brasileiro das próximas gerações estará comprometido, por pura demagogia — afirmou a professora da Coppead, da UFRJ, Margarida Gutierrez, especialista em contas públicas.

Foi essa situação explosiva que revoltou o ministro da Fazenda. Levy irritou-se especialmente com os votos dados pelo PT e que alteraram o perfil da medida provisória 664, um dos pilares do ajuste fiscal, em uma manobra que considerou “irresponsável”. Ele sinalizou a integrantes do governo que poderá endurecer mais o ajuste. A primeira medida seria um possível aumento da carga tributária. As outras seriam a possibilidade de estender às linhas de crédito do Banco do Brasil o arrocho de crédito que a Caixa já vem sofrendo e a ampliação do contingenciamento do Orçamento deste ano. A reunião que vai sacramentar o tamanho do represamento dos gastos do governo foi marcada para domingo, em Brasília.

No governo, a esperança ainda é convencer os senadores a votar contra a alteração, sob o argumento de que a medida é o “pior dos mundos” porque não acaba com o fator e eleva os gastos da Previdência com o aumento das aposentadorias. Mas esse quadro mostrou-se muito complexo, especialmente depois de o presidente do Senado, Renan Calheiros, afirmar ontem que o novo cálculo deve passar na Casa.

— Como o Senado já resolveu acatar o fim do fator previdenciário, é óbvio que ele vai aproveitar essa oportunidade para colocar no lugar do fator uma regra que seja mais favorável aos trabalhadores e ao povo brasileiro. Sou a favor (do fim do fator). Acho que delonga demasiadamente a aposentadoria dos trabalhadores. Não concordo que todos os problemas do Brasil se resolvam cortando direito trabalhista e previdenciário — disse Renan.

No dia seguinte à derrota na mudança da aposentadoria, o governo respirou aliviado com a rejeição de todas as novas tentativas de alteração à Medida Provisória (MP) 664, que torna mais rígidas as regras para pensão e auxílio-doença. Evitar uma nova derrota foi possível pelas promessas da articulação política do governo de que as nomeações de apadrinhados políticos acordadas serão publicadas no Diário Oficial e também de que as emendas parlamentares e os restos a pagar de anos anteriores serão em breve liberados, de acordo com a fidelidade de cada deputado nas votações do ajuste fiscal.

12 comentários

O Brasil está essa bagu, porque seus "governantes" nunca pensaram como estadistas e sim como candidatos no palanque. Estou para me aposentar, mas acho que tem que ser feito, sim, um estudo sério sobre o impacto no futuro, de algumas decisões eleitoreiras.

Reply

O fator previdenciário foi uma maneira técnica de se fazer uma monstruosidade com os trabalhadores com aparência de algo científico.
A fórmula 85 / 95 é simplista, não analisa as consequências.
Ambos, a cara do Brasil !

Reply

E que tal alterar a aposentadoria dos parlamentares????

Atuam por dois mandatos, e saem com aposentadoria integral! Isto sim é uma vergonha.



Chris/SP

Reply

Mentira,Lula e Dilma investiram 500 bilhões do nosso dinheiro via BNDES em países comunistas que eu tenho certeza que não vão pagar,porque o Levy não cobra este dinheiro emprestado para países aliados do PT?

Reply

Infelismente ,isso e so uma desculpa do PT,apos ter aprovado o projeto da Dilma,mesmo porque essa bomba vai estourar daqui a uns 10 anos.E a petezada nao esta nem ai ,ela quer coisa para o hoje o resto que se arraste.

Reply

Enquanto o Brasil não crescer a taxas decentes o fator previdenciário será um mal necessário!

Gabriel-DF

Reply
fred oliveira mod

O pt governa mas quer ser oposiçao. Quer bagunça maior que esta? Povo brasileiro e' quem pode alterar tudo isso.

Reply

e' trabalhador, estudante, aposentado, empresarios, todos tomando ....e todos quietinhos, quietinhos; me lembro do Brasil da decada de 90 `estrupiado`, inflacao nas alturas impeachment de collor, e com o REAL o pais foi se ajustando e a cada decisao NECESSARIA tomada pelo governo, o Brasil era invadido pelas bandeiras vermelhas levantadas por estudantes, une, sindicatos, oab, mst, ongs, professores, aposentados,funcionarios publicos, igreja, cnbb, .....lista interminavel!
O BRASIL TEM QUEDA PELO VERMELHO, MESMO ESTANDO NO VERMELHO!

Reply

Dar o direito ao cidadão é acabar com o Brasil? Então, que esse brasil esquerdista e sujo acabe e surja um outro, liberal, conservador e de centro-direita pelo qual valha a pena o sacrifício de uma geração. Mas não este atual paizeco de ladrões e arrogantes.

Reply

Chris/SP

15 de maio de 2015 09:40

Não esquecendo que tem políticos que acumulam aposentadorias de Governador, Senador, magistrado e presidente, aliás porque temos que bancar, além da aposentadoria por quatro anos de "trabalho", 2 carros de luxo e oito servidores para ex-presidentes? Que isso seja cortado imediatamente, porque nenhum deles merece nossa gratidão, deveriam nos indenizar pela má gestão sem falar das roubalheiras astronômicas.


Reply

Hummm: 40 bilhões em 10 anos? Pouco mais de 4 bilhões anuais????

Isso é fichinha! E vamos fazer de conta que, de acordo com muitos economistas, o rombo da previdência não existe né?

Agora vamos explicar porque foi despejado outros 50 bilhões SÓ ESTE ANO no BNDES????

Reply

Só pra citar, alguns links com leitura interessante, e que informa que a seguridade social é avitária.

http://www.ajufergs.org.br/boletim_eletronico_30102010.asp

http://cartamaior.com.br/?/Coluna/Mais-mentiras-sobre-a-Previdencia-Social/30521 (até tu, CartaMaior?)

Reply