Pego em flagrante, Padilha cancela convênio firmado por ele com ONG do pai.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha (PT), afirmou ontem que vai cancelar o convênio da pasta com a ONG Koinonia-Presença Ecumênica e Serviço, da qual seu pai, Anivaldo Padilha, é sócio e fundador. A ONG promete recorrer da decisão. "Para poupar a instituição de qualquer exploração política, eu tomei a decisão de solicitar ao jurídico do ministério a tomar todas as medidas legais possíveis para cancelar esse convênio", disse Padilha durante participação em evento em São Paulo.

Ontem, a Folha revelou que, no final de 2013, um mês antes de deixar o ministério para deflagrar a pré-campanha ao governo de São Paulo, o ministro assinou um convênio de R$ 199,8 mil com a Koinonia para treinamento de jovens sobre a prevenção e tratamento de doenças sexualmente transmissíveis.

A oposição afirmou que investigará a situação da ONG e pedirá à Comissão de Ética Pública da Presidência que avalie a conduta do ministro, que deixará a Saúde formalmente na segunda-feira para se dedicar integralmente à campanha pelo Palácio dos Bandeirantes. Ontem, repetindo o que o Ministério da Saúde já dissera na véspera, Padilha afirmou que o convênio foi firmado "dentro de todos os procedimentos regulares", e que o pai não recebe nenhuma remuneração da ONG desde 2009, quando deixou de dirigir a instituição.

Apesar de ter saído da direção, Anivaldo é convidado a participar de palestras e eventos em que relata as ações da organização. Como sócio da entidade, está previsto que ele participe das assembleias que, anualmente, definem as linhas gerais de atuação da ONG. "É uma ONG criada há 20 anos por fundadores como Betinho, Rubem Alves, meu pai, dentre os associados fundadores. Ela passou por todo o procedimento legal, foi edital público", disse o ministro.

O ministro lembrou que a Koinonia já havia firmado outros contratos com o poder público, inclusive com políticos do PSDB --caso de convênio firmado com o tucano José Serra na época em que ele era ministro da saúde. Desde 1998, a ONG fez pelo menos nove convênios com diferentes ministérios que, juntos, somam cerca de R$ 1,75 milhão.

Até agora, segundo o ministro, nenhuma parcela do dinheiro aprovado pelo ministério foi repassado à ONG, que promete "recorrer pelos meios cabíveis" caso o cancelamento seja confirmado. "Trata-se de um contrato assinado. No entender de Koinonia, cumprimos todos os trâmites exigidos", informou a ONG ontem.

Apesar de a Koinonia ter representação no Rio, em Salvador e em São Paulo, o projeto que havia sido contemplado com a verba do Ministério da Saúde seria executado somente na capital paulista, de acordo com funcionários da própria ONG.(Folha de São Paulo)

10 comentários

naum o mas engraçado foi ontem uma jornalsita no globobews super famoso no meio politico dizer na maior cara de pau que 200 mil nem é tanto dinheiro assim... naum deve ser pra ela

Reply

por que o papi do dotô nao tem uma empresa que fabrique ao menos cabeças de prego para gerar empregos e recolher impostos?

impressionante o "talento" dessa gente para gravitar em torno dos cofres publicos...

Reply

Só cancelou porque foi pego. Se houvesse uma investigação séria destes convênios com ONGs....Mas achei uma saída: entrar no site do TCU e fazer uma denuncia, exigindo investigação. Direito de qq cidadão brasileiro. Há muitas perguntas a se fazer ao TCU.

Reply
Despetralhando mod

Pela cara do senhor (está puto da vida) deve ser o pai do Alexandre da quadrilha.

Reply

O homem de vermelho com cara de poucos amigos,ao lado do PAIdilha,está parecendo o Spock.

Nome Próprio

Reply

A maracutaia já começa no valor, que não é 200, mas 199,x, para parecer menos.

Reply

Caaaaaaaaaaaaaaaadê a oposição!!!
Ela existe???????????

Reply

Cara-de-pau, que nojo.

Reply

Resta saber se o paulistano vai cair no caso do "conto do petralha"! kkkkkkkkkkk

Reply

Coronel,

acredito que o povo de São Paulo não cai nessa mas as urnas eletrônicas são um buraco negro manipulado pela petralhada…
PCC trabalhando arduamente para acabar com a segurança e o transporte na cidade, Haddadolândia crescendo de vento em popa - ou seria de cachimbo à pedra?

Flor Lilás

Reply