CPI do Carf blinda turma do Lula. Quem comandou o"não" foi Delcídio Amaral, envolvido no Petrolão. E Otto Alencar, réu por improbidade administrativa.

(Globo) A base aliada do governo conseguiu derrubar pela segunda vez na CPI do Carf requerimentos que pediam a convocação de Luis Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, e dos ex-ministro Gilberto Carvalho (Secretaria Geral). Foi rejeitada ainda pela terceira vez a convocação da ex-ministra Erenice Guerra (Casa Civil). Os três foram citados na quarta fase da Operação Zelotes, que apurou suposta “compra” de medidas provisórias que beneficiaram empresas do setor automobilístico.

O líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS) (Foto), fez questão de acompanhar a votação. Líder do governo no Congresso, o senador José Pimentel (PT-PI) foi quem apresentou o requerimento para que a votação acontecesse em bloco e a rejeição ocorresse de forma conjunta. Ele rejeitou proposta do presidente da CPI, Ataídes Oliveira (PSDB-TO), de que outros requerimentos fossem votados antes.

As convocações foram rejeitadas em votação simbólica. O mesmo já tinha ocorrido no dia 8 de outubro. A relatora da CPI, senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), afirmou que os requerimentos tinham motivação “política” e não teria relação com o Carf, foco da CPI. – O requerimento é meramente político, não tem nenhuma ligação com o objeto dessa CPI – afirmou a senadora. 

Otto Alencar (PSD-BA) afirmou que a oposição estava “raivosa” pela derrota das eleições no ano passado. Criticou ainda a Polícia Federal por ter intimado o filho de Lula na noite do dia 27 de outubro após este sair do aniversário de seu pai. – Essa intimação do filho do ex-presidente às 23 horas no dia do aniversario do presidente foi coisa deliberada para macular a imagem do ex-presidente Lula – afirmou Otto. 

Antes da votação, o presidente da CPI fez uma defesa da aprovação dos requerimentos. Autor dos pedidos de convocação ele argumentou que Luis Claudio e os ex-ministros deveriam explicar na comissão as suspeitas levantadas na Operação Zelotes. – Vejo que há uma ligação extremamente contundente na relação da ex-ministra Erenice, do ex-ministro Gilberto Carvalho, como também do senhor Luis Claudio na venda dessas medidas provisórias – afirmou Ataídes. 

Ex-chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho é apontado pela Polícia Federal como o principal interlocutor de lobistas que atuaram no governo para aprovar a medida provisória que concedeu benefícios fiscais a empresas automotivas. 

A CPI do BNDES, na Câmara, vai votar convocações do ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci, para falar sobre suas consultorias ao BNDES, e também do empresário José Carlos Bumlai, amigo de Lula. Bumlai é alvo de cinco requerimentos e os deputados querem que ele explique financiamento de R$ 300 milhões do BNDES para Usina São Fernando, de sua propriedade.

4 comentários

CPI não serve pra nada, o negocio e´MP na cola desses ladrões!
abç
neto gaya

Reply

Essa gente e muito poderosa e estao em todos os lugares necessarios para livrar a cara da quadrilha.

Reply
fred oliveira mod

Estao brincando com a proverbial paciencia do brasileiro. Nao pensem eles que estamos dormindo. Vai chegar o momento em que isto vai estourar e a justica sera' responsavel por isso.

Reply

atençao ccoronel e todos que estao lendo,

caminhoneiro revoltado faz desabafo emocionante e convoca todos para greve geral apartir de segunda feira

video no folha politica

é rapidinho, uns 2 minutinhos olhem e repassem

Reply