Temer reage à ação de Dilma junto ao PMDB nos bastidores.


Na conversa entre Michel Temer e a presidente Dilma Rousseff, na noite de quarta-feira no Palácio do Planalto, o vice-presidente advertiu o governo a não se intrometer em assuntos domésticos de seu partido, o PMDB, principalmente tentando recolocar Leonardo Picciani (RJ) no cargo de líder da bancada da Câmara, do qual foi destituído na última quarta-feira. 

Na quinta, no entanto, Dilma já desconsiderou a sugestão de Temer e operou para reverter o afastamento de Picciani.— Isso pode acirrar os ânimos no partido, provocando inclusive a antecipação da convenção que vai decidir sobre a continuidade do apoio ao governo. E essa antecipação não é boa para o governo — disse Temer à presidente.

Só que, menos de 24 horas depois, a presidente e o vice voltaram a se confrontar, desta vez não publicamente, mas através de uma intensa guerra nos bastidores. Ignorando a advertência de Temer, Dilma continuou interferindo nas questões internas do PMDB. De Buenos Aires, onde estava para a posse do presidente argentino Mauricio Macri, ela ligou para o ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, do PR, pedindo que ele concordasse em ceder um deputado de seu partido para o PMDB como forma de tentar restituir a liderança do partido a Leonardo Picciani. A ligação de Dilma a Rodrigues foi confirmada ao GLOBO por pessoas próximas ao ministro.

Desde que Picciani foi destituído do cargo por ter se tornado leal ao governo, o Planalto tem operado para mudar votos de deputados. Até governadores estão sendo acionados, para chamarem deputados anti-Picciani para o comando de secretarias estaduais, abrindo vaga na Câmara a peemedebistas mais ligados a Dilma.

Em contrapartida, o vice, ao tomar conhecimento do telefonema de Dilma a Rodrigues, determinou imediatamente, como adiantou Lauro Jardim em seu blog no GLOBO, a impugnação da filiação de todo e qualquer parlamentar que tente ingressar no PMDB como reforço para Picciani retornar à liderança.

Há exatamente uma semana, no encontro de 20 minutos que suscitou uma série de versões que contrariaram o vice, Temer havia sugerido a Dilma que ela assumisse uma “postura institucional” na defesa de seu mandato, evitando polarizar com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Dilma também fez o contrário, intensificando suas críticas ao fato de Cunha estar sendo acusado de ter conta na Suíça.

VICE DEFENDE “REUNIFICAÇÃO” DO PAÍS
Na tarde de quarta-feira, ao participar de um evento com empresários em Porto Alegre, Temer defendeu a “reunificação” do país: — Se quisermos fazer o país prosperar, precisamos reunificá-lo, conversar com todos os movimentos sociais, com todos os partidos políticos. 

Na noite de quarta-feira, Temer tentou se esquivar de perguntas de correligionários sobre a conversa com a presidente. Depois da reunião no Planalto, ele foi a um jantar de confraternização na casa do líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE). Acabou falando a alguns senadores estar se sentindo “desconfortável” com a situação e que “não era para ter acontecido o que aconteceu”, referindo-se ao vazamento da carta que enviou a Dilma.

Antes de chegar ao jantar na casa de Eunício, Temer se encontrou com aliados no Palácio do Jaburu e disse ter estranhado a manifestação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), de que ele não consultara o partido para enviar a carta a Dilma.


— Como eu poderia consultar o partido sobre uma carta pessoal, que fiz questão de chamar de desabafo? Foi uma comunicação direta entre o vice-presidente e a presidente da República — disse Temer a um aliado.

Na conversa com Dilma, Temer afirmou que não pretende tomar posição sobre o impeachment porque o PMDB, está dividido em relação à questão. O vice, porém, diz que o movimento da ala pró-impeachment do PMDB tem que ser entendido como natural e decorrente do esgarçamento das relações entre o PT e o PMDB. 

Um senador peemedebista, que conversou com o vice no jantar, relatou que a relação de confiança mínima que existia entre Dilma e Temer se quebrou. — É preciso manter a relação institucional até o fim do governo. Mas nada além disso. Não há o que cole o que foi quebrado — disse. (Globo)

4 comentários

Temer disse que a dilma estava muito abatida na reunião que fizeram pela reconciliação após a divulgação da carta confidencial. Puro fingimento da dilma. Agora se lança com toda força para tramar a recondução do Picciani à liderança do PMDB .Por esta e por outras , acho que, como atriz, dilma teria mais sucesso do que como presidente.

Reply

Sabe Coronel, tem coisas que são por natureza política, incompreensíveis; mas, o PMDB, com todo o poder que tem continuar dormindo com o inimigo achando que elle não é perigoso, é de uma ingenuidade atroz. Acredito que a palavra que melhor os definem é SUBMISSÃO PATOLÓGICA"

Reply

Já vimos um pouco de tudo neste país, mas estadista não temos nenhum no momento que consiga aglutinar forças em prol do país e, só do país e, o principal adjetivo que deve ter esse estadista é CORAGEM. Não vejo nenhum com esse atributo! Temer terá coragem de usar mecanismos constitucionais e a lei para enfrentar esses esquerdopatas após a saída da dilmanta. Se a resposta for negativo, já vai começar mal!

Reply
Despetralhando mod

O mordomo só está esperando para pegar a caneta e mandar ver.
Já li comentários que o X-9dedos quer entregar o "seu poste" para poder se aproximar do mordomo 'Temer', com o intuito de que o mordomo não deixe evoluir a cobrança de suas kgadas e o coloquem num "ENGRADADO".

Reply