Mesmo fritado por Dilma, boca mole Levy não desiste nunca.


A presidente Dilma Rousseff quer evitar uma saída traumática do seu ministro da Fazenda, Joaquim Levy, mas considera que terá de trocá-lo para criar um discurso de mudança na economia a fim de enfrentar o processo de impeachment na Câmara. 

Segundo assessores presidenciais, Dilma já está convencida de que Levy está "chegando ao final de linha" e que ele não consegue incorporar um discurso de esperança sobre a recuperação econômica.A princípio, auxiliares dizem que ela planejava fazer a troca em janeiro, mas sempre condicionada a um período mais calmo para evitar grandes turbulências e já com o nome do substituto definido.Agora, revelam assessores, os últimos movimentos de Levy, que bateu de frente com o Planalto na decisão de reduzir a meta fiscal, podem até acelerar a troca na Fazenda. 

A avaliação é que o clima contrário à presidente na tramitação do impeachment piorou e que ela correrá sério risco de ser afastada se não conseguir mostrar que terá condições de fazer a economia se recuperar em breve. Nessa estratégia, na segunda-feira (14) o ministro Jaques Wagner (Casa Civil) fez, a pedido da presidente, uma viagem reservada a São Paulo para ter conversas sobre macroeconomia e o que fazer para tirar o país da recessão. 

O que pode dar uma sobrevida a Levy é a escolha do seu substituto. Assessores disseram que o nome precisa ter força e impacto para sinalizar que haverá, sim, mudança no rumo da economia.
Dentro do PT, a preferência é pelo ministro Nelson Barbosa (Planejamento), mas Dilma estaria buscando um nome de peso do mercado, de preferência do setor empresarial. 

A dificuldade é encontrar alguém que aceite assumir a missão num período de fragilidade do governo. Nesse contexto, surge de novo o nome de Henrique Meirelles, que aceitaria desde que tivesse carta branca. Entre assessores, foi citado ainda o nome de Luiz Schymura, presidente do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia) da FGV e ex-presidente da Anatel.

10 comentários

Esse sujeito perdeu completamene a vergonha na cara.

Reply

nao sei o que este homem faz no meio desta quadrilha, misterio.... todo dia é pisoteado, humilhado e mesmo assim fica baixando a cabeça

Reply

A Fitch já colocou a pá de cal em Dilma. Acabou!!!

Reply

Levy só está fazendo o que seu patrão Bradesco mandou ele fazer.

Reply
Despetralhando mod

A nova meta do BOCA MOLE é ter força para chegar até o fim do ano (31), será que o trabuco não lhe deu outra opção?
De levyantã, para zumbi meta, oo desmoralizante boca mole.

Reply

A mim me parece claro que ao aceitar em um governo deste o cidadão não pode ter amor nenhum às calças que veste.

Reply

>>

Realmente, esse J Levy é tão cordato e humilde que não merece o cargo de ministro da Economia.

Arruma um pouco só de amor próprio, Joaquim, e cai fora desse governo corrupto e incompetente dominado por uma quadrilha.

<<

Reply

Cel
Duvido que exista alguém suficientemente desequilibrado para aceitar o cargo de ministro da Fazenda. O Levy não xabe o que quer nem o que fazer. A Anta não deixa o elemento fazer nada.
Esther

Reply

Acredito que ele utiliza um tarja preta para justificar sua atuação de lerdaço.Ele retrata o cenário econômico do país...totalmente paradão.

meire

Reply

Senhor Henrique Meirelles - não vá nesta onda de assumir o cargo de Min. da Fazenda no lugar do Snr. Levy. Esta senhora presidenta é muito difícil e o senhor não vai aguentar o repuxo.
.

Reply