Alckmin derrotado pela própria inabilidade suspende reorganizaçao escolar.


O governo de São Paulo anunciou no início da tarde desta sexta-feira, 4, a suspensão da reorganização do ensino público estadual. Desde que foram anunciadas, as mudanças causaram protestos de estudantes, que ocuparam centenas de escolas no Estado, e bloquearam diversas vias da capital paulista. O governador dará uma entrevista coletiva às 13h desta sexta-feira para comentar o assunto. A matéria é do Estadão.

O recuo do governo ocorre após mais um dia de manifestações de alunos nas ruas de São Paulo, em que a Polícia Militar mais uma vez dispersou com bombas os manifestantes. A informação foi adianta pelo jornal SPTV , da Rede Globo.

Estudantes que participaram de manifestação nesta sexta-feira comemoraram, aos prantos, a notícia na Praça da República, região central da capital paulista.

Na manhã desta sexta-feira, a polícia lançou bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral para dispersar os estudantes que protestavam na Avenida Paulista e na Rua da Consolação contra a reorganização. A manifestação, que começou perto das 7 horas, na Cidade Universitária, no Butantã, subiu a Avenida Rebouças, percorreu um trecho da Paulista, desceu a Consolação e chegou até a Praça da República, sede da Secretaria Estadual da Educação (SEE). Ao longo do protesto, estudantes ouviam palavras e apoio e a polícia, críticas.
A artesã Lindaura Carvalho Teixeira, de 55 anos, trabalha na região da República e disse que apoia o protesto dos estudantes nas ruas. "Eles estão certos. Se não fizerem assim, não vão conseguir nada". Lindaura criticou ainda a ação policial. "É errado. Um absurdo. Estudante só quer estudar. Não faz mal a ninguém", afirmou.

Nesta sexta-feira, pesquisa Datafolha, divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo, mostrou que o governo Alckmin enfrenta taxa de rejeição histórica

17 comentários

Não entro no mérito se a reorganização do ensino foi uma atitude correta ou não, mas uma coisa ficou clara com esse episódio: o terror venceu. Quando os caminhoneiros começaram a interditar as rodovias, o governo federal os chamou de criminosos, editou uma MP bolivariana, e mandou a Força Nacional e a PRF reprimir os manifestantes. Na grande imprensa, a maioria esmagadora apoiou a medida do governo. Élio Gaspari, na Folha, chamou a manifestação dos caminhoneiros de bagunça; a Folha de S. Paulo escreveu um editorial descendo o sarrafo nos caminhoneiros e elogiando o governo federal. Quando os ditos movimentos sociais - todos franjas do PT - partiram para o mesmo tipo de manifestação (interdição de vias publicas para causar o caos na cidade), ninguém condenou essa tática. Ao contrario, acharam legitima. Dois pesos e duas medidas.

A verdade é que esse recuo trará consequências terríveis para as populações que estiverem sob um governo de oposição ao PT. Daqui pra frente, esses grupos usarão essa tática violenta para fazer politica e impor as suas vontades - mesmo sendo uma minoria sem representação significativa na sociedade. Abriu-se um precedente perigosíssimo. Podem se preparar para mais baderna, caos e violencia nas próximas reinvidicações desses grupos ligados ao PT. Já usaram o mesmo método violento contra o governador do Paraná, Beto Richa, do PSDB; agora fizeram a mesma coisa com o Alckmin em S. Paulo. Alguém acredita que foi coincidência?

A verdade é que o PT e seus satélites resolveram usar a truculência como método de se fazer politica. Da pra imaginar como seria um governo do Aécio Neves? Fica o alerta.

Reply

Assino embaixo

Reply

Cidadão paulistano, cansado de oportunistas tomarem as ruas, acredito que todos os bananas que ficam horas em seus carros, aguardando a PM para dispersar a uma duzia de moleques e meia duzia de cutistas que param a cidade, deveriam unir-se e reagir, pois o mesmo pau que bate em chico, bate em francisco.

Sr. governador, tomou uma atitude covarde e deu brecha para anarquistas. Esse país tá uma ________________. Grato Globo, Folha et caterva.

Toloco

Reply

Palhaçada são milhões e milhoes de alunos em são Paulo,isto aí foi meio por cento só, a esmagadora maioria n foi pra rua foram meia dúzia,grupinhos de 30, e muitos eram infiltrados, pelegos vermelhos nem alunos eram,kkkk ..nas ruas só se ouvia o povo nas calçadas indignado com meia dúzia de gato pingado espalhando lixo e fazendo baderna,e o povo gritava nas ruas p eles,fora pt,fora lula fora Dilma kkkk,a mídia esconde

Reply
Vânia Carvalho mod

Vê se publica!!!!!

Coronel pare de ficar atacando o Alckmin porque ele é adversário do Aécio!! isso não pega bem!A oposição deve se unir, mas vcs só ficam brigando!!!!

Reply

Concordo

Reply

Infelizmente entre o governador inábil, os militontos massa de manobra vermelha e principalmente uma imprensa ideologicamente dominada, quem perde é a educação de São Paulo...

Reply

ERAM MEIA DUZIA DE BADERNEIROS, EM sao paulo sao milhoes de alunos, estes eram apenas meio por cento e muitos eram infiltrados mortadelas como fizeram no parana, nem alunos eram , parabens ao governador por ser humilde e desistir , este povo só quer baderna

Reply

Em meu Estado, Minas Gerais, os estudantes sempre foram organizados em turmas por faixa etária "em espaços diferentes'. Os alunos dos Primeiros anos da educação básica, antigo primário, com idade entre 6 e 10 anos, sempre Vândalos de fora da escola que fazem isso.

Reply

O único governador que tenta fazer uma alguma coisa para melhorar o ensino básico do Brasil e tem um bando de idiotas acha legal. Ao invés de atacar a atitude covarde do PT que usou estudantes retardados turbinados pela gangue da Bebel (presidente do sindicado de professores de SP), a cretina petista que só atormenta e sataniza ano após ano o ensino básico público de SP. Parabéns Coronel você está fazendo o joguinho sujo do PT, quem sabe na próxima eleição em SP você faça militância para o Padilha. Este negócio de fogo amigo do PSDB já está enchendo o saco, será que para babar ovo para o Aécio tem que fustigar o governador mais competente e sério deste país?

Reply

Alkimin fez o correto, não podia continuar alimentando uma manifestação que virou politca e que estava desviando o foco atual que é o impicheament.Se continuasse seria como jogar mais combustivel no incêndio.

Reply

Gostaria de publicar esse texto no facebook. Muito bem colocado.

Reply

Coronel publique os nomes dos infiltrados no meio dos alunos,são os mesmos petistas q estiveram no Paraná,eu li na veja lá no blog do reinado Azevedo, são infiltrados pagos pelo pt nem estudantes são,a mídia esconde tem os nomes e as fotos de todos

Reply

Concordo contigo em partes, Vânia.
O Alckmin está mais pra petralha, do que tucano. Agora, só não enxerga quem não quer, que essa invasão das escolas foi extremamente politiqueiro. Ano que vem tem eleição, e o "exército do Lula" está agindo desde já... Enfraquecer o governo paulista, é uma vitória pra pixulecada. Tentaram, inclusive, colocar a culpa no Alckmin, pela falta de chuva em SP, e não colou. Agora o governador se dobrou à militância esquerda... Vamos ver qual será a próxima baderna que esses terroristas vão inventar, no estado que mais arrecada dinheiro - palavrinha que brilha os olhos da pixulecada -.

Reply

Este Alckmin demonstrou ser um fracote, senão vejamos, como presidente, caso eleito fosse, voltaria atras em uma manifestação dos MTST, MST ou similares....Sujeitinho fracote, em caso de guerra entregaria o país para o inimigo sem vacilar....Fui Jarjura

Reply

Parabéns ao governador por ter voltado atras ,estes petistas eram infiltrados...... E quanto ao Aécio neves teve mais votos do q ele como candidato, e mais do que Serra,mas os 3 são competentes hehehe,sou Aécio neves 30 anos,4X deputado federal,2 X governador eleito em 1 turno,levou prêmio como melhor governador do país,e por último senador até 2018,Lembrando que minas é tão grande que é quase os 3 estados do sul juntos,a Dilma é mineira também mas nunca concorreu a nada antes,caiu de paraqueda por causa d lula,hoje aqui em minas ela tem 7%,foi muito vaiada qd veio aqui uma semana após da tragédia ...

Impeachment

Reply

EStudante não invadiu escola coisa nenhuma. Quem invadiu foi a turma do Haddad, os mesmo da eleição de 2012, a saber: Movimento Passe Livre; UNE; MTST; PCdoB, PSOL, PCO, PSTU; MST, que luta por terras mas adora invadir instituições do Estado também e se bobear tem até gente da CNBB, além do apoio ferrenho de certa imprensa chapa branca, inclusos Folha e Estadão. Alckmin poderia ter feito essa mudança na surdina, sem esse barulho todo, mas quis ser mais honesto e mais democrata do que a situação pedia. A esquerdalha estava louca para arrumar uma bandeira e conseguiu, já que o governador caiu que nem patinho.

Reply