Dilma corta bilhões dos programas sociais para cobrir rombo dos crimes da reeleição.

(Globo) A crise econômica e o ajuste fiscal levaram o governo federal a fazer cortes em pelo menos sete programas sociais, alguns exibidos como bandeiras de campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff. Somente em dois deles (Pronatec e Aquisição de Alimentos) os gastos previstos no orçamento de 2016 caíram R$ 2,487 bilhões em relação à previsão de despesas deste ano. 

O governo cortou, no orçamento do próximo ano do Farmácia Popular, R$ 578 milhões para subsídios na compra de medicamentos vendidos na rede conveniada, o que permite descontos de até 90% no preço dos remédios. Dilma, que chegou a prometer que a área social seria poupada, já admitiu cortes no setor.

Há casos de programas, como o Minha Casa Melhor (de aquisição de móveis e eletrodomésticos para beneficiados pelo Minha Casa Minha Vida) que tiveram suas contratações suspensas em fevereiro deste ano. Outros já haviam sofrido cortes drásticos em 2015. O Água para Todos, por exemplo, destinado a garantir água para regiões carentes, teve uma queda de R$ 550 milhões, se comparado o orçamento de 2014 com o deste ano.

No caso do Fies, a oferta de vagas do primeiro para o segundo semestre de 2015 ano caiu 75%. Além disso, os juros cobrados subiram de 3,5% para 6,5% ao ano. Entre 2014 e 2015, o programa já sofrera uma redução de 418 mil vagas (de 731 mil para 313 mil). 

Já o Ciência sem Fronteiras sofre um baque no número de bolsas oferecidas para interessados em estudar no exterior. O objetivo inicial, anunciado em 2011, era distribuir 101 mil bolsas até o fim deste ano. Mas o painel de controle do próprio programa informa que a meta não será alcançada. Até o primeiro trimestre de 2016, serão 87 mil bolsas oferecidas.

A redução dos investimentos prejudica a vida de quem depende dos programas sociais, entre eles, os produtores rurais. A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) afirma que em estados como São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná, o governo não renovou contratos de fornecimento de alimentos este ano, tampouco informou aos produtores com antecedência que o programa sofreria cortes. Com isso, os alimentos que já haviam sido plantados e estão em ponto de colheita vêm sendo descartados e até mesmo jogados aos porcos.

— Foi um desastre. Era a nossa sobrevivência. A gente não sabe o que vai acontecer daqui para frente — conta Lucilei Guilhem, presidente da Associação Nossa Senhora Das Graças e Malu, em Caiuá, interior de São Paulo.

A Confederação de Trabalhadores na Agricultura (Contag) confirma o impacto dos cortes e diz receber reclamações de atrasos de pagamento aos profissionais rurais. O governo nega a falta de pagamentos e cortes, mas confirma a redução do orçamento do programa este ano e também na previsão orçamentária de 2016. Enquanto em 2014 o orçamento do Aquisição de Alimentos era de R$ 1 bilhão, este ano a previsão de gastos já havia caído para R$ 647 milhões. Desse montante, foram gastos até setembro R$ 300 milhões. A previsão de orçamento para 2016 é de R$ 560 milhões.

— Já enviamos diversos documentos pedindo ao governo que o orçamento se recomponha. Recebemos reclamações de vários estados falando sobre a falta de pagamento aos agricultores — conta Alberto Broch, presidente da Contag.

Em Goiás, a presidente da Cooperativa Mista Agropecuária dos Produtores Rurais de Ferninópolis, Luciana Naves, conta que enviou à Conab o projeto de 2015, com o que cada agricultor continuaria a produzir, mas os contratos não foram celebrados.

— Enviamos o projeto de 2015 e a Conab aprovou. Mas, no fim de agosto, tivemos a má notícia de que a verba para atender aos projetos estava cortada. Pegaram-nos de surpresa. Não fomos orientados a não fazer o projeto e os produtores se organizaram para entregar esses produtos. São 84 famílias cadastradas pela cooperativa e a maioria tem esse valor como uma forma de sobrevivência. Nunca passamos por essa situação antes — diz.

Na pasta da Educação, os cortes atingem principalmente um dos programas mais exaltados durante a campanha presidencial, o Pronatec. O programa sofreu corte de mais da metade em seu orçamento para 2016, em comparação com o gasto previsto para 2015, que é de R$ 4 bilhões. Na lei orçamentária apresentada à Câmara pelo governo, a previsão caiu para R$1,6 bilhão no próximo ano. Do montante previsto para 2015, foram executados até setembro R$ 2,4 bilhões. O Pronatec terá este ano um milhão de vagas, um terço do oferecido em 2014.

Sobre a redução dos investimentos nos programas, o MEC afirma que tem trabalhado para viabilizar as metas do Plano Nacional de Educação e, para tanto, todos os programas e ações do ministério estão mantidos e terão continuidade no próximo ano. Porém, diante da situação fiscal pela qual passa o país, o ministério terá que fazer mais com menos.

SUSPENSÃO NO CRÉDITO
Lançado em junho de 2013, o Minha Casa Melhor, da Caixa, foi suspenso no fim de fevereiro deste ano e não há previsão de retomada das contratações. O objetivo do programa era oferecer linha de crédito para aquisição de móveis e eletrodomésticos para os beneficiários do Minha Casa Minha Vida. Dos R$ 3 bilhões destinados ao programa, aproximadamente R$ 2,92 bilhões foram utilizados. Cerca de 700 mil famílias utilizaram o cartão, segundo o banco.

Ainda na área da habitação, o governo afirma que pretende investir este ano R$ 250 milhões no programa Água para Todos. Deste montante, foram gastos R$ 204 milhões até setembro. Os investimentos estão bem abaixo do valor de 2014, quando foram gastos R$ 800 milhões no programa. Para 2016, a previsão orçamentária é de R$ 268 milhões. De acordo com o Ministério da Integração Nacional, o programa continua, e, desde 2011, já beneficiou mais de cinco milhões de pessoas com “tecnologias de abastecimento de água”.

Na área da Saúde, a navalha vai passar pelo Farmácia Popular. A doação de remédios vai continuar, mas o governo acabará com subsídios de R$ 578 milhões, que garantiam descontos nas farmácias e drogarias da rede privada com a identificação “Aqui tem farmácia popular”.

Com o fim do cofinanciamento de medicamentos, a Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa) estima que cerca de três milhões de pessoas devem deixar de ser beneficiadas. A modalidade oferece tratamento para colesterol, osteoporose, mal de Parkinson, glaucoma e rinite.

Em nota, o Ministério da Saúde disse que os medicamentos cofinanciados ofertados como parte do programa integram a Relação Nacional de Medicamentos (Rename) e, portanto, devem ser ofertados na rede pública de saúde, independente da disponibilização no Programa Farmácia Popular.

Sobre a redução nos programa sociais, o Ministério do Planejamento afirma que, em momento de cenário restritivo, escolhas precisam ser feitas. Segundo a pasta, a prioridade é pagar o que já está contratado e alterar o calendário de novas ações. O objetivo é reduzir os restos a pagar, com menos limite orçamentário e mais limite financeiro.

13 comentários

Que corte mais, deve chegar no bolsa família, tem cidades inteiras que vivem dessa mamata, está na hora dessa gente trabalhar e produzir. Estão todos gordos de tanto ingerir mortadela, refrigerante, bolachas recheadas, cerveja, etc. Que tirem a bunda da rede, parem de ver novelas, parem de fazer filhos para receber o salario maternidade, 5 salários mínimos, e outros pixulecos.
E vergonhoso ver que se criou uma "cultura" do estelionatário, esta em todas as classes, mesmo com essa crise, tem muitos" trabalhadores" que mal sabe desenhar o nome, com salários de mais de R$ 2000,00, seu celular 4G na mão e fone nos ouvidos, um Mickey Mouse a brasileira, fazendo o diabo para ser demitido, somente para receber do empregador os 40% de multa sobre o FGTS e ficar de pernas para o ar durante alguns meses. Que cortem também o FGTS na raiz, que estimula a malandragem, do empregado que leva 40% e governo com seus 10%. Quem paga a conta são os que trabalham sem pensar em levar vantagens. Que cortem a passagem, (que muitos vendem), também o vale refeição(que trocam em supermercados) e que se pague um salário decente.
O trabalhador deve entender que não é o governo, mas ele e somente ele tem a capacidade de crescer sem esses pixulecos que apenas o faz refém de governantes corruptos e estimula a desonestidade.
Que cada qual administre seu orçamento. Os "direitos trabalhistas", transformam o trabalhador honesto e que estuda, em burro de carga onde o pilantra vive como parasita do trabalho de outrem.

Reply

Amigos Coturneiros, leiam a notícia abaixo e reflitam: que maravilha ganhar o Bolsa_Internet no valor de 160 reais. Melhor ainda é saber da possibilidade do Governo falar comigo através de uma tecla determinada. Como faço para ganhar a mordomia???? É pau, é pedra, é o fim do caminho...

Reply

Perdoem esqueci o link do Bolsa-Internet
http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,familiasganhambolsatv-digital,10000000403

Reply

O circo está armado! Agora o espetáculo vai ser desastroso.

Reply

ela tem que ser reponsabilizada e afafastada já, o país nao é dela, cade a justiça, ela saiu gastando o que n tinha p se reeleger aumentou no ano eleitoral a quantia gasta em programas e bolsaredos, chega de palhaçada, existe uma lei a ser cumprida, cade, ou entao abram todas as cadeias e libertem os bandidos, pois se esta dona faz o que quer passa por cima das leis os demais tb tem o mesmo direito, dilma AUMENTOU o gasto com programas sociais isto está caracterizado como compra de votos sim, jogou desleal, maquiou as contas p dizer q estavam em ordem, mentiu q estavam em dia e nao estavam, agora depois da eleiçao tirou a sua mascara, mostrou o rombo astronomico e histórico, pela 1 vez o que nenhum governo anterior havia feito- maquiou os numeros p se reeleger

Reply

meu Deus, praticamente o país inteiro era movido a pixulecos governamentais...

nao temos setor produtivo independente algum...

Reply

É insuficiente para a massa imbecilizada pela mídia assassina.

Eu quero mais é que ela corte TRILHÕES dos que votaram nesse poço de cafagestice.

Aviso:

Comecem a criar ratos para servir de alimento para seus filhos.

Reply

Eles já estão armando o contra golpe como ocorreu na Venezuela. Estão dizendo que as pedaladas são por causa dos programas sociais e assim se Dilma cair, logo depois o povo trás ela de volta "no colo" para reempossar a mesma como aconteceu com Chaves. Só que aqui tem um detalhe: lá a maioria do povo era favor dele. Aqui a maioria do povo está contra! Só que tratando de Brasil, tudo é possível!

Reply

Toma, povo tolo. Vocês foram enganados pelo pete, e se não abrirem os olhos, serão enganados novamente.

Reply

18 de outubro de 2015 12:36

"A família de Ana Cláudia, de 23, uma das primeiras inscritas no Bolsa Família a ganhar um kit gratuito para a instalação da TV digital em casa. " A imagem ficou bem melhor e som perfeito"... e ficou bem melhor acompanhar os programas evangélicos. " Novela aqui em casa só os Dez Mandamentos" faz questão de deixar bem claro."

Bem o marido está desempregado e vive de bicos, recebem o Bolsa Família e os 10%, dizimo, continuam pagando?





Reply

Nossa eu acho que viramos a Venezuela , só falta formalizar , o povo brasileiro merece o que tem só carnaval , futebol e festa tá aí o resultado , quando lembro dos que não votaram me da um desespero acovardou na época errada ou se omitiu na época errada .

Reply
fred oliveira mod

Meu amigo, no interior da Paraiba e que votou em Dilma, disse que se sente lesado por ela estar fazendo todo o contrario do que falara na campanha. Multiplique essa situacao pelo maximo que voces puderem e imaginem o desgaste ela e o PT aqui no Nordeste. Lula tambem esta' afetado pois ele tambem disse-me que nao votara' em Lula novamente, embora tenha feito nas outras duas ocasioes.

Reply

Sem ''money'' nao se faz nada mas quando se tratava do governo FHC eles achavam que se podia fazer TUDO!
Hipocritas em todos os sentidos! Essa gente tem no DNA a doenca compulsiva de roubar como fizeram os 'colonizadores' de exploracao- roubavam nosso ouro e levavavam para lisboa.
A quadrilha rouba nosso dinheiro para se perpetuar no poder e tem muita grana nos paraisos fiscais, alem de outros paises! E tem idiotas que os defendem, por interesse, e muitos por burrice mesmo.

Reply