Crise coloca 4 em cada 10 no SPC.

(Folha) Quase quatro em cada dez brasileiros estão inadimplentes no país. São 55,6 milhões de consumidores adultos impedidos de obter crédito, segundo levantamento da Serasa Experian de 31 março deste ano. Somadas, as dívidas chegam a R$ 235 bilhões. Em 31 de dezembro, eram 54,1 milhões de pessoas na mesma situação, as quais deviam, juntas, R$ 218,6 bilhões. 

Os dados mostram que 1,545 milhão de pessoas ingressaram no cadastro de inadimplentes em três meses. Ou, por dia, 17.171 consumidores não conseguiram pagar dívidas bancárias (financiamento de carros, imóveis etc.) ou contas de luz, água, telefonia, além das feitas no varejo. 

É o segundo maior patamar de inadimplência registrado pela Serasa desde junho de 2012, quando a empresa iniciou essa série histórica. Em 31 de agosto, eram 57 milhões de pessoas no cadastro. Nessa ocasião, dois bancos haviam fornecido novos dados de devedores à Serasa, o que pode ter contribuído para elevar o patamar. Após esse período, a empresa passou a mensurar os dados de inadimplência no último dia de cada trimestre e evitar o impacto de efeitos pontuais no cadastro. 

RELAÇÃO
 
Com a alta do desemprego e dos juros, economistas e especialistas no setor de crédito acreditam que a tendência é esse número aumentar ainda mais neste ano. "O aumento da taxa de juros encarece as dívidas e dificulta o pagamento. Esse fator, aliado à inflação, que corrói a renda do trabalhador, tem impacto na inadimplência", diz Luiz Rabi, economista da Serasa Experian. 

A cada ponto percentual que o desemprego sobe, a inadimplência cresce quase na mesma proporção --0,9 ponto percentual, segundo análise do economista. Para chegar a essa relação, ele comparou as taxas de desemprego (IBGE) e as de inadimplência bancária (do BC) trimestrais desde 2005. "Como a tendência é a de o desemprego continuar subindo no ano, a inadimplência deve superar o recorde do ano passado", afirma Rabi. 

Em dezembro, o desemprego medido pela pesquisa mensal de emprego e desemprego do IBGE foi de 4,3%. Em março deste ano, 6,2%. Já a taxa básica de juros (Selic) passou de 11,75% ao ano em 3 de dezembro para 12,75% em 5 março deste ano. "A massa salarial vai ser inferior à de 2014, e a tendência é a de juros continuarem subindo, o que contribui para aumentar o endividamento", diz o economista Fábio Silveira, sócio e diretor da consultoria GO Associados. 

"A situação é preocupante para o consumidor e para as empresas, que deixam de receber pelo produto vendido ou serviço prestado. O país sofre os efeitos dessa queda do consumo interno." Em média são quatro dívidas por consumidor. Juntas, somam R$ 4.223,17. Até sexta-feira (8), a Serasa faz um feirão on-line para ajudar o consumidor a renegociar suas dívidas. Os descontos, em média, têm sido de 60%. Mas houve casos de consumidores que conseguiram até 95% de desconto no valor total, segundo a Serasa.

8 comentários

não foi por falta de avisos publicados aqui e nos outros blogs decentes. aquela babaquice de crédito e consumo só podia dar nisso. e essa é uma das bolhas, há a bolha imobiliária, a bolha dos automóveis. vem muito mais inadimplência por ai...

Reply
TERMINATOR mod

Vamos combinar, se todo mundo em peso não pagasse nenhuma dívida a partir de hoje (principalmente as bancárias) o sistema perdulário deles entrava em colapso. Mas não, como todos pagam bonitinhos (como bons cordeirinhos e patetas que são) a festança continua e o povão que se foda com ou sem o nome no SPC.

Reply

Governo enganador. Nojo do pete!

Reply

Alguma novidade??? Todos os blogs decentes, como dito num post acima, avisaram disso.

Mais ainda, qualquer pessoa com bom senso crítico sabe que endividamento é uma bola de neve e, em algum momento, você vai parar de se endividar... seja por livre e espontânea vontade ou não.

E pensar que em meio a "marolinha", o Traficante de Influência queria vender essa "fórmula mágica" ao mundo?

Ao contrário dos EUA, que lentamente sai da greve em parte porque lá o consumo é mantido constante, já que não se tem parcelamento/financiamento/consignado e outras joças para comprar coisa do dia-a-dia, o BR está rumando para uma crise muito mais profunda e de onde sairá com muito mais dificuldade já que tá todo mundo endividado.

Reply

Quem sabe esses babacas eleitores da SOC-PT aprendam a não acreditar em trapaceiros e nunca mais votem em Lula/Dilma/PT.

Deus é grande, esse é o castigo que eles merecem por elegerem esses bandidos do PT para governar o Brasil.
Mas como Deus, acima de tudo, é misericordioso, com certeza vai ajudar esses pobres otários a sair dessa enrascada que o Lula/Dilma enfiou esses bobos.

Reply

E a escroque, bandida da Dilma ainda está fazendo firula para RENUNCIAR.
Cria vergonha nessa cara de baleia, entrega esse cargo, será que não tem capacidade de perceber que não vai continuar de jeito nenhum? Ou sai por bem ou vai sair por mal?

Reply

Repare a quantidade de "vende se" nas ruas e prédios.
A bolha imobiliária já começou a dois anos, está inflando, pelo que venho lendo e estudando, deve estourar ainda esse ano.
Será muito forte no Brasil, tentem poupar para pelo menos passar por esse ano.

Reply

O anônimo das 15:03 tem razão. Onde moro, prédio de 18 apartamentos, no centro da Lapa, São Paulo têm 3 apartamentos para alugar e 3 para vender. Nunca vi uma situação como esta. Antigamente estes apartamentos não ficavam uma semana vazios. Logo eram alugados ou vendidos. Estou até preocupada com a situação. Fora PT!

Reply