Espantoso! Agora Dilma quer economizar cortando o ganho real do salário mínimo.

(O Globo) Inoportuno, ineficiente e sem estudos. Este é o resumo das opiniões de especialistas ouvidos pelo GLOBO sobre o discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, de alterar a regra de reajuste do salário mínimo. Mesmo sem conhecer a nova proposta do ministro — que não foi apresentada — eles afirmam que a ideia de mudar pontos isolados é equivocada. 

Eles consideram o debate inoportuno por ter um forte impacto político. A aprovação de uma nova regra de reajuste vai requerer um apoio que poucos governo tiveram — alguns lembram que a regra atual demorou quatro anos para passar no Congresso e comparam a dificuldade do tema à reforma tributária. Sem estudos, pois a atual regra não foi avaliada corretamente pelo governo como a legislação previa — o Ministério do Trabalho nunca divulgou parecer sobre o tema. 

Dizem ainda que é uma discussão ineficiente, por ter pouco impacto nas contas públicas em anos de baixo crescimento do PIB (conjunto de bens e serviços produzidos no país). A atual regra prevê reajuste pela inflação do ano anterior mais a variação do PIB de dois anos antes.
Gabriel Leal de Barros, da FGV, diz que a fórmula deveria ser alterada apenas em 2018, porque a atual garante reajuste pequeno em 2016 e 2017, já que o país deve crescer pouco este ano, como já ocorreu em 2014. Uma nova regra, dizem, pode fazer com que o aumento seja ainda maior, zerando a redução de custos esperada pelo governo. O economista explica que, como os resultados do PIB de 2014 e de 2015 devem ser fracos, o reajuste do piso salarial em 2016 e 2017 também deve ser baixo.
— A melhor opção do ponto de vista fiscal é a manutenção da atual regra até 2017.
Além disso, mudar agora pode não trazer ganhos de competitividade por não alterar estruturalmente o mercado de trabalho: — Mais uma vez o governo mostra que se especializa em enxugar gelo — diz Claudio Dedecca, da Unicamp, defensor da regra atual.

Para Dedecca, o governo está focado apenas com as contas públicas e não com a retomada do crescimento econômico, diz. Favorável à regra atual, ele lembra que antes de ser ministro, Barbosa sempre defendeu a vinculação entre o mínimo e o salário médio do país:

— A regra que ele historicamente defendeu é um equívoco, congela as diferenças salariais e vai contra o tratado da OIT sobre o mínimo, que o Brasil assinou. Mostra até desconhecimento do ministro, que, se não é contra a valorização do mínimo, se mantiver essa proposta, pode criar sua esterilização.

José Márcio Camargo (PUC-Rio) e Margarida Gutierrez (Coppead/UFRJ) lembram que o problema do mínimo não é a sua fórmula de reajuste, mas o fato de ser o grande indexador de políticas sociais.
Margarida Gutierrez, professora do Coppead/UFRJ, defende mudanças no reajuste do mínimo, com a adoção de uma regra que considere a inflação mais a produtividade do trabalho. A seu ver, a fórmula de corrigir o salário mínimo pelo PIB de dois anos antes mais INPC é uma distorção, não apenas por não guardar qualquer relação com os ganhos de produtividade da economia, mas também por indexar benefícios previdenciários e sociais, pressionando as contas públicas.

— O governo poderia adotar algum indicador de produtividade da mão de obra — sugere.
Por sua vez, Camargo diz que a mudança não precisaria ser feita de forma apressada: como o país quase não cresce, o reajuste do mínimo pela regra atual já seria pequeno. Ele vê o modelo atual insustentável no longo prazo e defende a correção pela expectativa de inflação mais o ganho de produtividade dos trabalhadores menos escolarizados. Mas discorda do governo por mexer em pontos isolados, como na fórmula do reajuste e do seguro-desemprego:

— As medidas até agora visam ao corte de gastos, não é uma reformulação geral, essa é a maneira menos inteligente de mudanças.

11 comentários

E a auditoria das urnas eletrônicas, ninguém fala nada????

Reply

Sendo uma forma menos inteligente de atacar o problema deve ser encampada pelo pete, por coerência até.

Reply

Se esses economistas da Unicamp defendem uma coisa, pode saber que o contrário é o correto.
Esses caras não acertam uma... pô

Reply

Coronel,

off - Berzoine já anunciou a intenção nefasta de controle social da mídia!

Querem amordaçar de vez a sociedade!
Já não bastam os MAVs e as TVs amordaçadas pelo medo de perder contas do governo? Já não nos basta todos os vermelhos - tipo Boechat - que lavam os cérebros brasileiros diariamente???

OLHO VIVO E FARO FINO!

O BRASIL NÃO É VERMELHO!
O BRASIL É VERDE E AMARELO!

Flor Lilás

Reply

Ô Camargo...
Quando você está num barco cheio de furos e a agua subindo rapidamente, lá fora, meia dúzia de tubarões só na botuca.
O quê que você faz? Deixa os buracos e tenta crescer a borda do barco.
Doutor, você está fufu...
Tem é que tampar os buracos, rapidamente, ou não, como diria a bichona.

Reply

De um modo geral quem deve se preocupar com a fórmula de correção do mínimo é eleitor do PT. São pessoas avessas à produtividade elevada em busca de riquezas, afinal, são comunistas. Basta utilizar a forma de distribuição de renda cubana e está resolvido! Cambada de gente safada e hipócrita!

Reply

Mas os salarios deles aumentaram , ne?
63 milhoes na farra dos cartoes corporativos e vaii em cima de miseraveis ?

E ainda querem que funcione no voto?

nao respeitam nada, lei nenhuma, quando querem roubar, mudam a lei pra "caber na roubalheira".

E o botijao passeando de barquinho com a
entourage a custas do povo.!
gente burra!
Muita paciencia, olho vivo e povo nas ruas,
ate que toda a corja esteja na cadeia e chave joga no mar!
luciana fellows



Reply
fred oliveira mod

O Brasil com o pior número de crescimento da América Latina e um dos piores do mundo e Dilma falando no fracassado pac e em pátria educadora. Em doze anos de governo agora que atentou no desastre da educação? E os sindicalistas, levando pau do governo, com aperto para cima da classe, embora dando aumento para ministros e poderosos, não se manifestam e ficam caladinhos. Imagine se fossem atitudes de Aécio !

Reply

Coronel,
o segundo mando da presidAnta nem começou e os capachos digo, ministros já estão mostrando suas "competências".

Reply

Toma, tabaiadô eleitor do PT!!!!

Reply

Coronel,

lendo seus comentários no twitter sobre a TV Brasil...

Uma das coisas que mais tenho ódio dessa Petralhada populista asquerosa é a lei que fez TUDO na TV a cabo ser dublado!! E na maior parte das vezes não se tem a opção de obter legendas em português com a língua original. É para avacalhar de vez com a classe média culta que fala outras línguas, quer ter o prazer de ouvir o idioma original e precisa de apoio da legenda. Malditos! É para embrutecer todo mundo e igualar por baixo.
Enquanto isso os gatos rolando solto nas favelas e o zé povão curtindo uma tevezinha a cabo roubada. Nojo.


FORA PT!

Flor Lilás

Reply