Para livrar Dilma, Petrobras joga a culpa em Cerveró.

Dilma diz que não viu. Cerveró diz, para interlocutores, que Dilma não só viu como aprovou a compra. Há um nítido esforço para jogar toda a culpa nas costas do ex-diretor internacional. Por falar em costas, Paulo Roberto Costa, o outro ex-diretor envolvido, continua preso e tem muito a contar sobre onde foi parar a dinheirama da compra superfaturada de Pasadena. 

O ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró escolheu a avaliação mais alta para sustentar a decisão de oferecer US$ 700 milhões na tentativa frustrada de comprar os 50% restantes na refinaria Pasadena, nos EUA, em dezembro de 2007.

A avaliação havia sido realizada, por encomenda da Petrobras, pela empresa Muse Stancil, que disse ter elaborado o estudo em menos de duas semanas, como antecipou o jornal "Valor Econômico" nesta semana.A análise contemplava três cenários, com cinco situações em cada, nas condições em que se apresentava a refinaria na época. A mais conservadora estabelecia que Pasadena inteira custava US$ 582 milhões. A mais otimista atingia US$ 1,54 bilhão.

Com o estudo na mão, Cerveró decidiu oferecer US$ 700 milhões por 50% do ativo. O fato de a oferta não corresponder à metade de nenhuma das cifras apresentadas no estudo chamou atenção da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que questionou a escolha de valores "aleatoriamente, sem comprovação, entre todos os cenários possíveis".

O questionamento foi feito em processo aberto para investigar a compra da refinaria em 2013. A investigação foi arquivada por ter sido feita depois do prazo legal. Em resposta à CVM, Cerveró justificou que os valores foram respaldados por "avaliação interna" e eram "objeto de confirmação por instituição financeira de renome mundial". O Citigroup, que deu aval ao negócio, foi procurado, mas não comentou.

Conforme documento interno da Petrobras, ao apresentar a negociação, dois meses depois da oferta, a equipe de Cerveró informou à diretoria que as áreas internacional, financeira, de estratégia e abastecimento --esta comandada por Paulo Roberto Costa, preso na semana passada na operação Lava Jato-- estudaram todos os cenários, mas validaram opções entre US$ 1,2 bilhão e US$ 3,4 bilhões para Pasadena.

Em seu parecer sobre a atuação de Cerveró, como mostrou o jornal "Valor Econômico", a CVM disse que "não é razoável que um diretor assine um documento em nome da companhia fazendo referência a valores que não tenham sido resultado de avaliação conclusiva e refletida". Afirmou, ainda, que "Cerveró negociou valores sem o cuidado e a diligência que todo homem ativo e probo costuma empregar".

A CVM questionou Cerveró por ter apresentado a oferta pelos 50% restantes sem aval do conselho de administração da Petrobras, que só soube da oferta dois meses depois de ter sido feita. A partir daí o conselho tomou conhecimento das cláusulas "Put Option", que dava à Astra o direito de vender sua parte no negócio, e Marlim, que garantia rentabilidade mínima. Logo depois, a Petrobras entrou em arbitragem contra a Astra, e a Astra exerceu o direito à "Put Option".

A intenção da CVM, após investigar o caso ao longo de 2013, era submeter Cerveró a julgamento administrativo por desobediência ao "dever de diligência", cujas penas vão de advertência a multa e proibição de atuar como administrador por até 20 anos. Procurada, a Petrobras repetiu que criou "comissão interna de alto nível para apurar todos os detalhes do processo referente a Pasadena". Cerveró não foi encontrado. (Folha de São Paulo)

25 comentários

nilson alves da silva mod

Cuidado, senhores ex-diretores da Petrobrás. Pode haver a reedição do caso Celso Daniel. Cuidado! Muito cuidado, mesmo!!!

Reply

Cerveró !..abra a boca logo senão vai sobrar para vc !

Reply

Lula, Dilma, o PT nunca têm nada com isso de errado, não viram nada, não sabiam de nada, de nada sabiam, sabemos que jamais assumem erro algum e, nessas horas, arranjam ou fabricam um bode expiatório para se safarem.
Os comunistas são assim:
Chame os outros do que v é;
Acuse os outros do que v faz - Lênin.

Reply

Isto já é um caso de POLÍCIA !

Conta tudo, Cerveró !


Chris/SP

Reply

REPORTAGEM-BOMBA DE 'VEJA' EXPLICA POR QUE QUANDO A DILMA CAI A BOLSA SOBE E ANIMA OS AGENTES ECONÔMICOS. IMAGINEM COM UM NOVO GOVERNO DEMOCRÁTICO E COMPETENTE?

(...)
O comportamento do mercado sempre foi e será o melhor termômetro para medir a temperatura política de um país. Um leve sinal na possibilidade de alternância do poder, fato que evidentemente reforça o sentimento de segurança democrática, tem um efeito imediato sobre o ânimo dos agentes econômicos. E foi isto mesmo que acabou de acontecer de forma concreta, pois até mesmo a combalida Petrobras viu suas ações se valorizarem!

Portanto, tirar o PT do poder nas próximas eleições será o início de um caminho que levará o Brasil bem mais para perto dos países do denominado primeiro mundo. Se apenas um pesquisa de opinião sinalizando o enfraquecimento do governo petista já teve esse efeito, imagine um novo governo com quadros competetentes e compromissado com a lei e a ordem, ou seja, o respeito à Constituição?

Além da reportagem-bomba, no miolo a revista Veja traz ainda aquelas matérias que a maioria dos veículos da grande mídia, patrulhados pelos jornalistas a serviço do PT, sonegam sistematicamente do grande público brasileiro.

(...)
http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2014/03/reportagem-bomba-de-veja-explica-por.html

A capa de Vejá está linda !

Dilma, numa gangorra, lá em baixo!kkkkkk


Chris/SP

Reply

Para desopilar, o melhor comercial da mãe do PAC https://www.youtube.com/watch?v=6-GguMghOpU

Reply

Aquilo não foi obra de um homem só, é obra de uma quadrilha, contando com a leniencia e colaboração de petistas de todas as raças.

Reply

Aquilo não foi obra de um homem só, é obra de uma quadrilha, contando com a leniencia e colaboração de petistas de todas as raças.

Reply
O Libertário mod

É pura sacanagem! Pra começo de conversa, que diabo de "avaliação" é essa que o valor máximo é quase três vezes o valor mínimo? E aí o proposto comprador sai ofertando quase metade do valor máximo! Será que ele esperava que o proposto vendedor prosseguisse na negociação rebaixando a proposta dele? Com o PT tudo é às avessas...

Reply

Abra a boca logo, senao vai pagar a conta sozinho.

Reply

quando dilma estela vana, usava o termo "filé mignon" para a petrobras, ela estava incluindo PASADENA ?

Reply

Isso é nitidamente uma matéria paga pelo Palácio do Planalto para tentar livrar o rabo da Dilma!

Reply

O Congresso e feito para fiscalizar o governo e não dizer amem a tudo. Sera que eles não sabiam também. Então para que pagamos tanta gente? Para que quarenta ministérios? 39 ministérios e mais Joao Santana porque também e ministro e da pitaculos.Viva o Brasil pais dos aloprados e deslumbrados. Estao pensando que estão na suíça mas para o cidadão brasileiro pagante de seus impostos o pais e um verdadeiro inferno no dia a dia.
Depois das olimpiadas vamos ver o tamanho do petardo. E não dizer que a culpa e de dilma, ze Dirceu, lula petralhas todos estavao la e estão vendo. Senado, Camara, Justiça, Ministérios. Por uma maquina tao inchada que não trabalha e não fiscaliza nada. Viva o Brasil. Coitados dos aposentados que cumpriram todos os rituais para se aposentar e agora recebem migalhas, vivem nas filas do sus e nego ainda quer tirar a merreca que ganha. Vamos que vamos continar a pagar e fingir que não ve.

Reply

Caro

Remeto este comentário ao post "a Farsa da Petrobrás", que trouxe informações importantes.

A data do memorando de entendimento no relatório da Petrobrás (16/11/2005) é consistente com a data que está no relatório da NPM/CNP de 2005. O que não bate é o valor. No relatório belga o valor estimado e apresentado no relatório é U$ 330 milhões, a ser pago em 3 parcelas (1). Esse valor é inconsistente com o valor que está no comunicado de 16/11/2005, que é de U$ 370 milhões e que depois virou U$ 360 milhões. O que isso significa? Significa que para os belgas o valor mínimo da venda dos 50 % girava em torno de U$ 330,00 e que para a Petrobrás o valor oferecido aos belgas maior em U$ 40 milhões.

É preciso que examinar esse memorando de entendimento porque os valores informados pelas partes em seus relatórios são discrepantes em US$ 40 milhões. é muito provável que as ditas cláusulas estejam discriminadas nesse memorando. Não sei em que data o contrato final foi assinado, mas é certo que ele passou a vigorar a partir de 01/09/2006. Essa data é comum aos relatórios belga e da Petrobrás.

(1) "at the end of 2005, a partnership (um memorando de entendimento ou um acordo. Isso é semelhante a uma minuta de contrato), was negotiated with PETROBRAS [...] whereby (pelo qual acordol) the ASTRA Group will sell to its partner a 50% interest in the refinery (and the related trading activities) for a net present value of some USD 330 million payable in three installments (net profit group share of some USD 150-180 million depending on the effective tax rates). (p. 59)

A história da origem dos desentendimentos está mal contada, pelo que se lê na imprensa e nas declarações oficiais ou de pessoas ligadas ao imbroglio.

Reply

Este comentário refere-se ao post " Para livrar Dilma, Petrobras joga a culpa em Cerveró."

De fato, o mote da hora é "o culpado é Cerveró". Isso está bem evidenciado tanto pelo que disse Dilma, quanto pelo que disse G. Foster na entrevista ao jornal O Globo.

A informação de que Cerveró fez uma proposta de compra em dezembro de 2007 é consistente com o que se lê no relatório de 2007 dos belgas. Desde 1º de outubro de 2007 a Astra já considerava a participação restante (os 50%) como "asset held for sale":

It should also be noted that, as from 1 October 2007, the remaining shareholding in this asset was considered as “asset held for sale” and, consequently, the profits generated as from this date were not equity-accounted for; (p. 19)

Ou seja, não é crível que o Conselho Administrativo (principalmente Dilma) somente tenha tomado conhecimento da cláusula put option na reunião de 03/03/2008, conforme a nota oficial de 19/03/2014:

" Em 03.03.2008, a Diretoria Executiva levou ao conhecimento do Conselho de Administração a proposta de compra das ações remanescentes da Refinaria de Pasadena, em decorrência da aplicação da Cláusula de Put Option"

O que pode ter havido na reunião de 03/03/2008 foi divergência quanto ao valor de US$ 700 milhões apresentado por Cerveró desde dezembro de 2007.

O fato da apresentação da proposta em dezembro de 2007 por Cerveró é um forte indício de que todos no Conselho Administrativo tinham conhecimento da cláusula put option. Se não fosse assim, por que raios Cerveró teria sido incumbido de apresentar um preço de compra para os 50% restantes?

Só quem acredita que Dilma não sabia de nada e que foi enganada por Cerveró é capaz de afirmar que o Diretor agiu na sombra. Não agiu, como provam as avaliações da Muse Stancil por encomenda da Petrobrás e o aval do Citigroup .

Aliás, a certeza do conhecimento da cláusula put option no contrato foi asseverada em entrevista por Gabrielli. Até Nassif em seu blog concordou com Gabrielli. Advogados especializados nesse tipo de negócio também confirmaram que o put option é uma cláusula elementar e que é usual e normalíssimo que esse tipo de cláusula esteja nos contratos. Ou seja, é conhecimento básico até para estudantes universitários.

Até onde sei, a cláusula Marlim só iria vigorar depois que a Astra efetivamente colocasse dinheiro novo na Refinaria. Isto é, somente depois de aprovadas e iniciadas as obras de modernização (revamp) e de adequação às normas da agencia americana do meio ambiente (EPA). O que, sabemos, nunca aconteceu.

A cláusula Marlim parece ter entrado na história como cortina de fumaça para tirar o foco do que interessa na história: a cláusula put option e seus vínculos com a venda da segunda parte. A Astra não aceitou a proposta de investimentos da sócia Petrobrás e, por direito assegurado em contrato, executou a put option.

Seria preciso perguntar para os belgas por que não aceitaram o plano de investimentos (Cf. Petrobrás, U$ 2 bilhões) apresentado pela sócia Petrobrás.). Mas parece que por lá também está valendo a regra da omertà.

A explicação de que o motivo dos desentendimentos seriam disputas sobre os investimentos e adequação ao EPA é conversa mole. Já no acordo firmado no final de 2005 (memorando de entendimento ou partnership) ficou definido que o comando técnico da modernização e adequação ao EPA era da Petrobrás. E isso quem diz são os belgas no report de 2005. (continua)

Reply

(continuação)
E por que tanta moleza e dar ao sócio tanta autonomia? Simples. Os belgas estavam cobertos pela cláusula da put option. Esta é a cláusula principal. No report de 2006, ano em que o contrato foi assinado (1/09/2006), o report explica aos acionistas que a autonomia da Petrobrás era de fato e não de direito porque a autonomia estava muito bem limitada pelo direito dos sócios belgas de executar a put option:

Pasadena refinery to process heavier crude from Brazil. After completion of the revamp project, the refinery will be fully EPA qualified and its competitive position will improve substantially. PRSI is currently contemplating additional investment opportunities in order to expand the capacity and broaden the spectrum of crude oils processed by the refinery. Should these expansion investments be considered suitable by PETROBRAS and should TRANSCOR ASTRA GROUP not be willing to participate in these, PETROBRAS has the power to force the investment decision and the Group will then be in a position to exercise a put option on its remaining shareholding in PRSI at conditions which, in the worst case, do not significantly differ from the initial transaction. (Report 2006, p.67)

A cláusula Marlim, repito, é cortina de fumaça nessa história. Até onde sabemos, a Petrobrás não pagou sequer um centavo em decorrência da Marlim porque ela só valeria após o aceite dos sócios belgas ao projeto de modernização apresentado pela Petrobrás. E isso não aconteceu.

Desde 1º de outubro de 2007 a Astra estava em litígio e, conforme sugere o report na passagem "asset held for sale", já havia tomado decisão de vender, executando a put option. A briga sempre foi sobre o acerto do preço de venda das ações remanescentes.

Não é crível que a notícia da put option só chegou ao Conselho Administrativo em 3 de março de 2008, conforme afirma a nota oficial. Certamente chegou antes, se não formalmente (como pauta de reunião no dia 3/03/2008), certamente por e-mails e telefonemas. Não é crível que Dilma só tivesse tomado pé do imbroglio em março de 2003.

Reply

Caro

A síntese do Reinaldo Azevedo no post "É claro que Pasadena é um caso de política, mas é inegável que é, sobretudo, um caso de polícia. Ou: A resposta de Gabrielli a este blog há um ano e três meses" fechou o cerco.

Escrevi os comentários antes de saber das notícias do JN de ontem e da FSP de hoje.

Reply

Cerveró, mão seja tão tímido como tem sido Marcos Valério. o Brasil precisa saber. Para remover esse tumor que está destruindo nosso país. Essa corja tem de ser desalojada do poder, Cerveró
Saiba que muito pouco te resta depois que foi escalado como vítima da gang que quer se safar à custa do parceiro que você foi enquanto um dos do andar de cima não periclitou. Caia na real e que te RESTE ao menos a CONSCIÊNCIA LAVADA .

Reply

Será que ele vai mesmo dizer quanto ela recebeu de comissão? A partilha foi grande e para muitos cardeais do comando da PTbrás.

Reply

Ô " Zoinho" conta tudo rapaz se não eles vão te fritar véio

Reply

a pergunta eh:por que a petrobras se interessou pela compra dessa Passadena sucata???????????

Reply

P T R O U B R Á S - A GRANDE SACADA DO LULLA LADRÃO E DA DILMA 1,99, TAMBÉM TEMOS A
C A I X A R O U B R Á S - ONDE VAI TOD O DINHEIRÃO DAS LOTERIAS, PARA OS COFRES DOS ALOPRADOS DO LULLA E SEUS QUARENTA LADRÃO , OU JÁ SÃO QUATROCENTOS LADRÕES. ETA BRASI LDE MERDA, CADE A SOCIEDADE DECENTE PARA COLCOAR ESTES PETISTAS NA CADEIA.

Reply

ORA SENHORES JUIZES DO SUPREMO ( OU DIZER JUIZES DO PT),SE A PETRALHADA NÃO É UMA QUADRILHA O QUE DIZER ENTÃO DAS FARSAS DE SUAS DECISÕES. A QUADRILHA DOMINOU TUDO , ATÉ O SUPREMO DE MER.......

Reply

Resta saber se elles vão falar alguma coisa. PizzolaTo tá calado até hoje.

O outro ex-diretor foi preso e também não abriu a boca. Resta saber até quando tanta gente vai se sacrificar pelo projeto de corrupção petralha.

De resto. Really? Juira?! Alguém ainda vai acreditar que a Governanta "não sabia". Esse truque já tá "manjado, mano".

Aliás, de tanto ter sido usado, já deveria ter virado um artigo no código penal. Art. 666.

Reply

Fode tudo logo Zoinho, o BO é grande para o PT e tudo indica que novamente não vai dar em nada a CPI, se houver.

Reply