Bachelet: Serra de saias ou Dilma de calças?

Hoje a "doutora" Dilma se comparou com Michele Bachelet, presidente do Chile. Bachelet é, na verdade, um Serra de saias. Fez grande parte da sua carreira na área de saúde, revolucionando o sistema público naquele país. Também pode ser chamada de General Bachelet, pela sua excelente formação militar. Ou seja: foi ministra da Saúde e ministra da Defesa em seu país, antes de se tornar "presidenta". Por último: o "postgrado" de Bachelet não é falso, é verdadeiro. E ela fala fluentemente cinco linguas, não precisa daqueles fonezinhos. Conheça aqui a biografia da chilena e veja que ela não tem nada a ver com a "doutora fake".

25 comentários

Mas as duas tem algo em comum, ou seja, são comunistas e, portanto, incompetentes.

A Dilma que não consegue fazer o PAC decolar e a Bachelet que levou o Chile à pior recessão dos últimos tempos, com críticas amenizadas devido à crise mundial.

As coincidências param por aí, é claro, já que uma é destemperada e a outra aparentemente equilibrada.

Reply

Epa!

Mas assim ela ofende Michele Bachelet como falsária.

Reply

Coronel,
Adoooro, quando VC mata a cobra e .... mostra a cobra morta!

Esses petistas pé de chinelo, "doutores" impostores ou analfabeto "Phd" como o bravateiro, nem desenhando assim como VC faz eles acordam do estado de deslumbramento em que se petrificaram. Ignorantes bobalhões.

Muito bom o cutucão dest post na pretensa doutora.

Reply

Caro Coronel,

O caso do pseudo-doutorado da Dilma é grave não porque ela não o terminou, mas sim por ter tentado passar a impressão de que o havia concluído. Na época, o custo de oportunidade de ficar estacionado na academia era altíssimo para pessoas competentes. Aconteceu comigo, que passei a ganhar US$ 400.000 por ano e acabei não concluindo o curso. Estranho era ficar até o final, sinal de um espírito realmente acadêmico ou de falta de interesse do mercado pela pessoa. Não sei se este último foi o caso da Dilma...

Reply

Essa Bachelet apóia EvoCoca e El Chávez del Ocho. Para mim, ela é tão comuna quanto os demais bolivarianos.

P.S. hoje a ONU iniciou o processo sobre liberar coca a pedido de EvoCoca.

Reply

Em um só dia,a Secretaria Especial de Direitos Humanos publicou no Diário Oficial quase 300 portarias da Bolsa-Ditadura. Obs:Não constam os valores das pensões ou das indenizações.DEPOIS DOS ATOS SECRETOS,CHEGOU A VEZ DA MAMATA SECRETA.

Reply

AMIGO ADVOGADO: SE PEGAREM O TEU CLIENTE COM A BOCA NA BOTIJA,NÃO VACILE:ALEGUE SEMPRE "BIOGRAFIA INATACÁVEL"

Reply

Coronel, não se iluda com José Serra. Ele é um voraz criador e cobrador de impostos, pior do que qualquer petralha maldito...

Reply
Paulo Borchio mod

Michele Bachelet disse que os países da américa do sul deveriam conhecer o PAC da Dilma.Eu pergunto:mas que PAC?Aonde ele está? É tão mentiroso como a gestora dele.É, a petralhada quer institucionalizar de vez a mentira.Agora querem fazê-la presidente.

Reply

O importante não é somente o currículo quanto aos diplomas, mas também, as ações importantes e a referência na sua conduta.
Se a presidente do Chile tem esses atributos, é lógico que se trata de um José Serra de saias.

Reply
Small Winner mod

Que coisa impressionante! Tudo que essa "sinistra" diz soa e é falso como seu "burrículo", rigorosamente nada se aproveita. Até uma bolsa talvez legítima com que ella quer incrementar sua grossa estampa fica parecendo fake. Por que será que ella demorou tanto a entrar pra corja? É petralha de nascença.

Reply

José Serra pode até ser um 'voraz cobrador de impostos' - o que não é verdade - mas pelo menos mostra onde usa o dinheiro. As obras estão todas aí para quem quiser ver. Pior é pagarmos impostos e vermos a roubalheira que campeia em Brasília e a 'doação' do nosso dinheiro suado para escolas do MST, por exemplo. Fora o que é desviado para o próprio bolso.

Estou até a goela dessa gente.
Se praga pegasse estariam todos devidamente 'inoperantes'.

Lilyane.

Reply

Doutora fake..
Essa foi covardia comparar as duas...
ai como doueeeuuuu!
a Bachelet tem formaçao sim.....
que coisa
APA

Reply

Coronel,
imagino o nível do diálogo entre a dra. Bachelet e o sr. da Silva:
-E aí, Michele, gostô du curíntia onti?
-???
E esses chilenos reclamam de barriga cheia.
Sds.,
de Marcelo.

Reply

Coronel,

Dona Dilma está delirando e para seu tratamento devemos obter uma receita para o tarja preta Gardenal 100mg.


Átila

Reply

Coronel

"Bachelet é, na verdade, um Serra de saias."

Quê? Também não paga os precatórios e pede no Senado para adiarem ainda mais o prazo?

Reply

Coronel

A saga dos "sarnas" não termina! Até no dinheiro do FAT, botam as mãos.

"Chegou à Justiça a cobrança de R$ 12 milhões por parte do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), estatal controlada pela União, em busca da dívida por empréstimos tomados pela Televisão Mirante, pertencente aos filhos do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, metade do montante, que em valores atualizados chega a R$ 14 milhões, refere-se a dinheiro público do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), vinculado ao Ministério do Trabalho. A TV rebateu e afirmou que já pagou $ 3,1 milhões, não se considerando mais devedora, depois de ter conquistado duas vitórias na Justiça do Maranhão.

O jornal teve acesso ao conteúdo das ações judiciais. As assinaturas de Fernando — indiciado pela PF sob acusação de formação de quadrilha –, Roseana e Sarney Filho estão no documento relativo ao empréstimo realizado em 2001. De acordo com o termo, a família se comprometeu a utilizar a verba do FAT em obras (R$ 488 mil), aquisição de equipamentos, como câmeras de vídeo e ilhas de edição (R$ 885 mil), móveis e utensílios (R$ 543 mil), entre outras despesas. Também prometeu desembolsar "no mínimo R$ 1,31 milhão" em dinheiro próprio."

http://opiniaoenoticia.com.br/brasil/politica/banco-publico-cobra-r-12-milhoes-de-empresa-dos-sarney/?optin

Reply

José Serra pode ser "eficiente" na cobrança de impostos, o que só incomoda aos sonegadores, e ninguém mais.
Do mesmo jeito, é eficiente na cobrança aos seus subordinados, para que zelem pela competência e preocupação com o bem-estar da população.
Quanto aos impostos estaduais (com exceção do preço dos pedágios que respeitam contratos antigos), a população recebe uma parte de volta, e olha que não é pouco.
Eu me inscrevi no programa da Nota Fiscal Paulista e estou satisfeita.
Além dos depósitos pontuais na minha conta bancária, já recebi uma grana em dois sorteios.
Quanta diferença daquele senhor do planalto que quer criar mais impostos, CPMF. CSSL, impostos sobre os rendimentos da poupança, entre outras taxas que se multiplicaram no seu governo.

Reply

Ceará terá curso de jornalismo só para sem-terra


Universidade já recebeu aval do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária, diz coordenadora

A Universidade Federal do Ceará (UFC) vai oferecer, a partir de janeiro, o primeiro curso de jornalismo no Brasil voltado para estudantes ligados ao MST. O curso, segundo a professora Márcia Vidal Nunes, coordenadora de pós-graduação da área de comunicação social da universidade, já foi aprovado pelo Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), ligado ao Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Ainda de acordo com a professora Márcia Vidal, serão ofertadas 60 vagas anuais. O curso terá duração de quatro anos e o acesso será feito através de vestibular.

As aulas serão ministradas pelos próprios professores do curso de comunicação da Federal do Ceará. Além das disciplinas comuns, os jovens ligados ao MST terão matérias voltadas para temas da área rural. Parte das aulas será ministrada na universidade e parte, nas comunidades dos assentados. Por Carmen Pompeu e Roldão Arruda –

Instituído em 1998, o Pronera destina-se a estimular a educação nas áreas de reforma agrária em todo o País. Inicialmente era voltado sobretudo o combate ao analfabetismo. Mais tarde passou a apoiar o ensino profissionalizante e a formação universitária.

Hoje a maior parte dos recursos do Pronera são destinados ao financiamento de turmas especiais nas universidades. Dos R$ 9 milhões destinados ao programa neste ano, quase 60% são para o ensino superior. Foi quase a mesma média de 2008, quando os recursos eram de R$ 58 milhões. O Pronera possui convênios com quase 50 universidades públicas. Os sem-terra contam com cursos especiais nas áreas de geografia, história, direito, agronomia, artes, pedagogia e outros. Agora passarão a contar com o curso de jornalismo.

CONTESTAÇÃO
A criação dos cursos especiais, porém, tem sido cada vez mais contestada. Em junho, a Justiça Federal determinou a extinção do curso de direito agrário da Universidade Federal de Goiás, destinado só para assentados.

De acordo com a decisão do juiz Roberto Carlos de Oliveira, da 9ª Vara Federal, o curso especial, com critérios diferenciados de seleção dos candidatos, feria "os princípios da igualdade, legalidade, isonomia e razoabilidade do direito brasileiro".

Em Pelotas, no Rio Grande do Sul, a criação de um curso de medicina veterinária para assentados também foi parar na Justiça. O procurador Max dos Passos Palombo, que impetrou ação civil pública contra o funcionamento do curso, alegou inconstitucionalidade. "O assentado da reforma agrária não constitui nenhuma categoria jurídica à parte que justifique a criação de cursos exclusivos para eles. Trata-se de um privilégio", disse ele.

No Ceará, o Pronera estimula atividades voltadas para assentados há onze, em parceria com as duas universidades públicas do Estado - a Federal do Ceará e a Estadual. Além de jornalismo, os assentados já contam com cursos de educação para jovens e adultos, a partir dos 15 anos, com conteúdo programático do 1º ano ao 4º do ensino fundamental, e de escolarização. No nível superior, são ofertados curso de pedagogia da terra, e de pós-graduação. O objetivo é qualificar profissionais para os programas de assistência técnica do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O Estado de São Paulo.

continua abaixo
Ceará terá curso de jornalismo só para sem-terra

Reply

Ceará terá curso de jornalismo só para sem-terra


Universidade já recebeu aval do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária, diz coordenadora

A Universidade Federal do Ceará (UFC) vai oferecer, a partir de janeiro, o primeiro curso de jornalismo no Brasil voltado para estudantes ligados ao MST. O curso, segundo a professora Márcia Vidal Nunes, coordenadora de pós-graduação da área de comunicação social da universidade, já foi aprovado pelo Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), ligado ao Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Ainda de acordo com a professora Márcia Vidal, serão ofertadas 60 vagas anuais. O curso terá duração de quatro anos e o acesso será feito através de vestibular.

As aulas serão ministradas pelos próprios professores do curso de comunicação da Federal do Ceará. Além das disciplinas comuns, os jovens ligados ao MST terão matérias voltadas para temas da área rural. Parte das aulas será ministrada na universidade e parte, nas comunidades dos assentados. Por Carmen Pompeu e Roldão Arruda –

Instituído em 1998, o Pronera destina-se a estimular a educação nas áreas de reforma agrária em todo o País. Inicialmente era voltado sobretudo o combate ao analfabetismo. Mais tarde passou a apoiar o ensino profissionalizante e a formação universitária.

Hoje a maior parte dos recursos do Pronera são destinados ao financiamento de turmas especiais nas universidades. Dos R$ 9 milhões destinados ao programa neste ano, quase 60% são para o ensino superior. Foi quase a mesma média de 2008, quando os recursos eram de R$ 58 milhões. O Pronera possui convênios com quase 50 universidades públicas. Os sem-terra contam com cursos especiais nas áreas de geografia, história, direito, agronomia, artes, pedagogia e outros. Agora passarão a contar com o curso de jornalismo.

CONTESTAÇÃO
A criação dos cursos especiais, porém, tem sido cada vez mais contestada. Em junho, a Justiça Federal determinou a extinção do curso de direito agrário da Universidade Federal de Goiás, destinado só para assentados.

De acordo com a decisão do juiz Roberto Carlos de Oliveira, da 9ª Vara Federal, o curso especial, com critérios diferenciados de seleção dos candidatos, feria "os princípios da igualdade, legalidade, isonomia e razoabilidade do direito brasileiro".

Em Pelotas, no Rio Grande do Sul, a criação de um curso de medicina veterinária para assentados também foi parar na Justiça. O procurador Max dos Passos Palombo, que impetrou ação civil pública contra o funcionamento do curso, alegou inconstitucionalidade. "O assentado da reforma agrária não constitui nenhuma categoria jurídica à parte que justifique a criação de cursos exclusivos para eles. Trata-se de um privilégio", disse ele.

No Ceará, o Pronera estimula atividades voltadas para assentados há onze, em parceria com as duas universidades públicas do Estado - a Federal do Ceará e a Estadual. Além de jornalismo, os assentados já contam com cursos de educação para jovens e adultos, a partir dos 15 anos, com conteúdo programático do 1º ano ao 4º do ensino fundamental, e de escolarização. No nível superior, são ofertados curso de pedagogia da terra, e de pós-graduação. O objetivo é qualificar profissionais para os programas de assistência técnica do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O Estado de São Paulo.

continua abaixo
Ceará terá curso de jornalismo só para sem-terra

Reply

Coronel

Os comentários do anônimo das 19:09, são extremamente chocantes. Afinal lulla conseguiu dividir a sociedade brasileira em quantas classes? Terroristas, selvagens(indios), quilombolas e os outros?

E que história è essa de:

"Os sem-terra contam com cursos especiais nas áreas de geografia, história, direito, agronomia, artes, pedagogia e outros."

Esses terroristas não precisam de cumprir todas as etapas do ensino obrigatório para entrarem nas Universidades? È isso? Mas quem não è terrorista, selvagem e quilombola, tem mesmo de cumprir todas as etapas do ensino?

Sabe, Coronel, "isto" só já vai mesmo com porrada a sério!

E curso de jornalismo de 4 anos? Mas se os "jornalistas" no Brazil não precisam de curso superior, porque razão eles vão tirar esse curso?

E que "jornalistas" sairão no final desse curso? Comissarios políticos?

Reply

Coronel:

a uma biografia chapa-branca é o que o seu link nos leva. "Fala fluentemente cinco línguas." Só?
Porque não 7 que é conta de mentiroso?

Hereticus

Reply

Não voto em dilma nem morto, nem em serra tampouco.

Reply
Barão do Cambijú mod

Eita Coronel!
-Assim vai dar "queredera", na "sia dotora" ser ministra da defesa,´p´ra ficar "inguar" Madame Bachelt, ai meus amigos camuflas terão que desertar, ou aderir a teoria Martaxa;relaxe e goze
-Tudo depente de 2010, Heleno ou o bando?

Reply

Pois é, Filoxera. Até curso de jornalismo estão dando para essa cambada.

Reply