PT sofrendo de dupla personalidade: quer sentar em duas cadeiras ao mesmo tempo e inicia oposição contra o próprio governo.

(Valor) Preocupados com o impacto do ajuste fiscal nas eleições municipais de 2016 e na imagem do PT, integrantes da corrente majoritária do partido Construindo um Novo Brasil (CNB) fizeram uma avaliação do cenário eleitoral em reunião na segunda-feira e tentaram afinar um discurso que passe a mensagem ao eleitorado de que não haverá prejuízo aos trabalhadores em meio a crescentes críticas internas contra a nova política econômica.

No encontro de mais de seis horas na sede do partido em Brasília, integrantes da corrente fizeram uma extensa avaliação do cenário eleitoral e demonstraram preocupação com o resultado nas grandes cidades diante de um quadro de recessão que pode aumentar o desemprego e reduzir a renda das famílias.

"Temos que dar atenção especial para os governos municipais. Em 2014 o resultado eleitoral foi ruim para nós. Ganhamos a eleição perdendo. Vencemos a disputa presidencial, mas tivemos regressão no desempenho do PT, com redução das bancadas federal e estaduais e desempenho abaixo do nosso histórico nos grandes centros", afirma o ex-deputado Paulo Ferreira, um dos coordenadores nacionais da CNB.

O cenário tende a se agravar, avaliam petistas, se o ajuste executado pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, levar à recessão em 2015, com impacto no emprego e perdas para os trabalhadores. As primeiras ações da nova equipe econômica foram mudanças no seguro-desemprego, abono salarial e pensões por medida provisória (MP), seguidas por aumento de impostos sobre gasolina, movimentações financeiras, importações e cosméticos.

A nova política econômica será um dos principais temas do próximo encontro da direção nacional do PT, no início de fevereiro, em Belo Horizonte. A cúpula da corrente majoritária do partido, a CNB, da qual fazem parte a presidente Dilma e o ex-presidente Lula, tenta minimizar o descontentamento de parte do partido e pondera que o sucesso eleitoral de 2018 depende da defesa política inequívoca do ajuste de agora. O respaldo a Levy tem partido da Executiva do partido.

Mensagens dissidentes já aparecem dentro da sigla. Integrante do Diretório Nacional do PT, o deputado estadual Raul Pont (RS) diz que as medidas poderão prejudicar o desempenho do PT em 2016. "Essa visão de política econômica do ministro não combina com o que pensamos e defendemos no PT. É uma negação do discurso da presidente", afirma.

Pont, da corrente Democracia Socialista, a mesma do ex-secretário do Tesouro Nacional Arno Augustin e dos ministros Miguel Rossetto (Secretaria-Geral da Presidência) e Pepe Vargas (Relações Institucionais), compara este início de mandato com os dois primeiros anos do governo Lula, quando Antonio Palocci (Fazenda) e Henrique Meirelles (Banco Central) promoveram uma política de austeridade. "Pagamos um preço enorme por isso nas eleições seguintes, quando o PT teve desempenho ruim nos municípios", diz.

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP), um dos líderes da tendência Mensagem ao Partido, diz que o PT ainda debaterá as medidas internamente e com Dilma. "O que for efetivamente combate à fraude [na Previdência] terá nosso apoio, mas vamos sugerir mudanças quando se tratar de revogação de direitos", afirma. "Me parece que a formulação inicial da MP precisa ser revista quando passar pelo Congresso", diz, ao negar impacto eleitoral.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), ligada ao PT e que fez campanha por Dilma, prepara uma marcha no dia 28, junto com as outras centrais, e um protesto no Congresso em 2 de fevereiro contra as mudanças. "É um governo em disputa. O arco de alianças contém progressistas e conversadores, e nosso papel é cobrar que seja colocado em prática o projeto defendido na campanha", diz o presidente da central, Vagner Freitas (PT). "O governo tem que dizer qual a claramente o que quer. Estamos preocupados com essa política recessiva junto com mudanças no seguro-desemprego."

O ex-ministro José Dirceu, que presidiu a sigla entre 1995 e 2002 e foi cassado no escândalo do mensalão em 2005, retomou reuniões políticas e publicou em ontem seu blog, pelo segundo dia seguido, que o país caminha para uma forte recessão. Citou a redução de 1,4% para 0,3% na previsão de crescimento da economia brasileira neste ano feita pelo FMI e afirmou torcer "para que uma projeção drástica do FMI - de que teremos algum crescimento este ano - se confirme, porque tudo indica que o que vamos ter é uma recessão, e das bravas no Brasil este ano".

A Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT e presidida pelo ex-presidente do IPEA Marcio Pochmann, também destacou ontem, em texto do economista Guilherme Mello, que as medidas "podem afetar a defesa dos ganhos sociais e de empregos dos anos recentes, dado o impacto recessivo". O texto diz que o governo Dilma "parece ver-se obrigado a coadunar parcialmente com os argumentos mercadistas (em particular na esfera fiscal), apesar de manter a orientação de buscar sempre a preservação dos empregos e da renda".

Responsável pela estratégia do PT para as eleições, o secretário de Organização, Florisvaldo de Souza, defende que ainda é cedo para discutir os efeitos das ações do ministro da Fazenda. "É precipitado achar que vai ter impacto nas eleições", diz. " O mais importante é que Dilma não está mexendo nas áreas sociais, que são muito caras ao PT. E não vejo redução dos direitos dos trabalhadores", afirma. "Na verdade o governo está fazendo um ajuste para manter o emprego".

Um Levantamento do Valor nos dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre o segundo turno mostra como é justificada a preocupação do PT com o que pode acontecere ao partido nos grandes centros. Nas cidades com mais de 200 mil eleitores, importantes como polos formadores de opinião e de criação de novas lideranças e por terem os maiores orçamentos, o partido registrou queda com relação à 2010.

Há cinco anos, a presidente Dilma Rousseff (PT) bateu José Serra (PSDB) por 20 milhões de votos a 17 milhões nas médias e grandes cidades. Agora, perdeu para Aécio Neves (PSDB) por 22 milhões a 19 milhões. Ou seja, teve um milhão de votos a menos, mesmo com o eleitorado destes locais crescendo cinco milhões.

O que a salvou a campanha à reeleição de Dilma foram as pequenas cidades, com menos de 200 mil eleitores, em que ela abriu 7 milhões de votos de vantagem em relação ao tucano no ano passado. A perda de influência nas grandes cidades já era sentida em 2012, quando o PT só não reduziu o eleitorado governado por vencer a disputa pela Prefeitura de São Paulo.

27 comentários

Vamos esperar o que deste pessoal com baixa capacidade? Estamos no pior dos mundos: situação crítica em todos os setores e governados por gente despreparada. Vão atirar para todos os lados, mas a chance de acertar o alvo é quase nula. Imaginem um grupo que se diz ateu apelando para S.Pedro mandar chuva e dizendo que Deus é brasileiro...

Reply

Coronel,
temos de tirar o chapéu para os petralhas. Sabem enganar e deixar a "oposição" sem espaço. Com o apoio da mídia comprada, deita e rola junto aos otários.

Reply

Que se implodam!

Reply

Todo cara de bom senso sabe que o Aécio Neves, se tivesse ganho a eleição estaria fazendo, hoje, na economia o mesmo ou até mais do que a Dilma vem fazendo, pois a situação do Brasil exige *ia) isto.. Se fosse ele qual o quadro que teríamos? Um caos total, com os movimentos sociais com as cabeças coroadas do PT desempregadas botado fogo no Brasil e a gente vivendo um clima de guerra civil. Eles estão tentando fazer via Joaquim Levy (vão ter saco para esperar os efeitos?) um Brasil melhor, mas sabem muito bem que as consequências são funestas e o país maravilha que existe na mentalidade dele e do povão abilolado vai ruir e levar junto a popularidade deles. É só saber aproveitar o momento certo e ver eles caírem de maduro.

Reply

Alguém já percebeu que a mídia fica atacando o ministro Levy, inclusive o site Brasil247?
Igual ao papagaio do pirata:
"A culpa é do Levy!
A culpa é do Levy!
A culpa é do Levy!
Curupaco!"
É apenas uma estratégia para evitar que Dilma seja atacada.
Assim, o nome dela não aparece na reportagem, e o "Manchetometro" petista não registra que ocorreu um ataque a Dilma.
Alguém já percebeu isso?

Reply

Concordo com anonimo das 09:44.

LEVY irá ser crustificado! É pra isto que foi convidado pelo PT. Aceitou por ser ignorante em politica.

Outro expert em finanças já comentou que o novo ministro da fazenda é de baixa auto estima por aceitar o cargo.

LEVY futuramente irá ser escorraçado do governo perante o Brasil inteiro.

Merece, assim como Sr. Jorge Gerdau, ser enxovalhado ao se meter com um partido mafioso.

Reply

Do que se conclui que petista não pensa em outra coisa que não nas próximas eleições.
Se o país vai para o buraco eles não estão nem aí...

Reply

Não são os ajustes do Levy que vão levar à recessão; eles são uma tentativa (estúpida) de tirar o país da recessão que já chegou.
Há apenas uma solução: Sai, Dilma!
Caro Coronel: não pretendo um golpe, nem pedir impeachment sem argumentos, mas acho necessário ir bradando Sai, Dilma! para ir acostumando o eleitor com essa idéia, assim como foi feito com o Fora, FHC! que era pintado em todo viaduto de SP.

Reply

A única preocupação dos PT é com o poder, nenhuma com o Brasil.

Reply

Esperar o quê? Esse pessoal nunca trabalhou, nunca produziu, não sabem o que é empreender. Querem manter emprego sem beneficiar o mercado?

Nunca imaginei que o partido dos trabalhadores seria o maior interventor, retirando 40% brutos da economia prá quê? Prá financiar estatismo e corrupção.

Enquanto 50% trabalha os outros 50% vivem na pobreza sustentados com R$ 70,00.

Reply

O que a salvou a campanha à reeleição de Dilma foi a Smartimatic e ponto final. Melhor assim para a oposição se souber aproveitar o momento enterra o PT em 2016.

Reply

Trata-se, pura e simplesmente, da estrategia das tesouras, do centralismo democrático, táticas le-
ninistas para sequestrar o debate po-
litico, confinando-o no âmbito da es-
querda. O aparente "racha" e só jogo
de cena!

Reply

Esse governo é só estelionato e roubo. Se apenas a Petroroubras está na faixa do bilhões imaginem os ministérios.
Pelo menos um PIB foi desviado durante os anos podres do PT.

Reply

o BODÃO DA SALA
o SOFÁ DOS ADULTEROS,
O LARANJÃO DA DILMA
ESCOLHIDO A DEDO para supostamente , já que advindo do mercado financeiro,
figurar no noticiário e poupar Dilma da impopularidade das medidas mais uma vez confiscatórias sobre o povão, o idiota pagador da farra da roubalheira dos governantes inescrupulosos.

Reply

Anonimo 09:38

Que disse:
"Todo cara de bom senso sabe que o Aécio Neves, se tivesse ganho a eleição estaria fazendo, hoje, na economia o mesmo ou até mais do que a Dilma vem fazendo (...)"

Errado, viu! Aécio em primeiro lugar cortaria os gastos: menos 20 ministérios, menos cargos de confiança (hoje 22 mil!!!!), e outras despesas correntes.

Em segundo lugar, Aécio não iria terceirizar os aumentos, como faz a anta com Levy. Não, senhor! Aécio viria a público explicar as razões de alguns aumentos. Não se trancaria no planalto, como hoje faz a soberana fajuta.

Ele não seria leviano, mentiroso e irresponsável, como hoje é a anta.


Chris/SP

Reply

Não devemos permitir que o PT arme isto. Eles querem ser oposição e situação, se der merda, culpa da Dilma que enganou o PT, se der certo (difícil!), Lula vai aparecer reforçando que foi ele quem a colocou no troninho da presidência. PT é SITUAÇÃO! PT é DILMA! E PT final!

Reply

A motivação política é nojenta, seja qual for o tema. O Asaf e a Larissa, mortos por bala perdida, não mereceram da Dilma a manifestação de pesar pela execução do traficante na Indonésia. Como explicar?

Reply

Os caras são geniais. Agiram assim durante os mandatos de Lula, notadamente no primeiro que promoveu a seu modo um saco de maldades. Os chamados movimentos sociais, ao menos os amestrados, maioria, diga-se, estão em silêncio. Vamos torcer que Aécio Neves lidere a Oposição, sim, mas as ruas também. Durante o primeiro Lula, o PSDB foi mais aguerrido que o PT na defesa do pacote de maldades. Se depender de Alkimin, queridos, essa prática se repetirá.

Reply

IMPERDÍVEL , hoje, no blog mantido junto ao yahoo, o que escreve Tognolli(escritor do livro do Tuminha), sobre os longa manus do mão-peluda-mor.
Em que petistas de altíssima patente estão a serviço da desmoralização de resultados da cumpanhêra, a mando.
Aliás, crimes de mando são sempre um problema ...

Reply

Já fizeram isto em 2014, falando de mudanças, como se fossem da oposição. Aécio denunciou nos debates, questionando Dilma que parecia ser oposição ao seu governo, falando em Mais Mudanças. Mas, pra 2016 não vai colar, a derrota será acachapante em todos as cuidades com mias de 200 mil habitantes. É hora de filiar nomes potenciais prefeitos e vereadores em todos os partidos de oposição. Até no Rio e São Paulo eles vão ser derrotados.

Reply

Quer dizer que a grande culpada é a D1, agora? Os doze anos de chupinhagem do Estado não começou na era Lula, então? O mau desempenho deles nas eleições não foi por causa deles mesmos? Quem quer acreditar nessa briguinha ensaiada que caia, eu não. São todos farinha do mesmo saco e vampirizaram o Brasil em tudo que conseguiram,e não vão se afastar do imbróglio agora, não senhor! São mesmo muito caras de pau e pensam que o povo é imbecil. Típico de psicopatas.

Reply

Quem estudou a história do início da década até agora sabe que o que acontece no Brasil já aconteceu na Espanha, Portugal e Grécia. A máquina estatal está inchada desde programas sociais a funcionalismo ppúblico. Já estavamos indo para os anos 80 e já estamos beirando os anos 70 onde até surgem propostas para cortar os produtos importados e ficar somente com os nacionais que foi o plano de "Protecionismo da indústria nacional" criado pelos militares. Essa turma não vai descansar até mandar a gente de volta para os anos 60. Eles querem sentir o gosto de mandae os opositores para o paredão. Como diz o ditado: para o psicopata todos os meios justificam seu propósito. Sei que é viagem ou pelo menos espero quw seja.

Reply

Lula não registrou os feitos do seu governo em cartório? É só olhar o que deixou de herança para Dilma que entrou de boba e tenta acertar agora que o vulcão vai explodir em suas mãos é o preço da ideologia do tempo dos dinossauros. Se Dilma não cortar no social o social vai passar como um rodo por cima do governo de Dilma. Transformaram o semi-analfabeto num malandro que mostrou ser mais esperto e tão safado quanto eles. Fazer filhos virou seu ganha pão e está dando um nó no governo. Um parasita menor, mas somando dá milhões que condenam seus próprios filhos a condição de pedinte.
Hoje pessoas que acreditavam num pais pujante sob o comando do PT estão se conscientizando que as mentiras são uma constante nesse partido sem pátria. Sentem na carne o que o PT está fazendo com aqueles que não usufruem da benesses. Se Dilma tiver mais que dois neurônios vai voltar atrás na tabela do imposto de renda ou então terá mais uma classe que o PT vai usar contra ela.

Ver homens como Raul Pontes (RS), José Eduardo Cardozo, Valter Pomar, Nilmário Miranda apoiando os gritos revolucionários e chavões socialistas, em nome do sofrimento dos pobres sabendo que seus camaradas enriquecem como num passe de mágica e condenam esses coitados, sem direito de defesa, a uma vida de cão, vai muito além da imoralidade
Tenho nojo dessa gente sem escrúpulos e sem alma.

https://www.youtube.com/watch?v=fCEJ3ydG0H8

https://www.youtube.com/watch?v=y1456joMic4&x-yt-ts=1421782837&x-yt-cl=84359240#t=326

http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2014/03/24/conheca-o-foro-de-sao-paulo-o-maior-inimigo-do-brasil/

Reply

Chris/SP. Você não entendeu nada do que escrevi. Antes de criticar os outros aprenda a ler e compreender o texto. Beijos gracinha.

Reply

Brasil País de Tolos,só entra nesse joquinho mequetrefe quem quer.Afundam o país ainda saem atirando para todos os lados.

Reply

>>

Está cada vez mais claro e transparente, até para a quadrilha petista, que o Partido dos Trabalhadores arrebentou a Petrobrás e a economia brasileira.

<<

Reply
fred oliveira mod

O pt vai acabendo com o Brasil e necessário se faz que deixemos claro para a população que isto é o governo do pt. Dilma é lULA E lULA É dILMA. QUEREMOS MAIS DO MESMO?

Reply