Época disseca o cadáver Palocci.

O DOCUMENTO Descrição feita pelos advogados de Palocci sobre os serviços que ele diz ter prestado à JBS – e que a JBS nega ter recebido  (Foto: Revista ÉPOCA)
Em 3 de dezembro de 2010, a petista Dilma Rousseff, eleita havia poucas semanas para seu primeiro mandato como presidente da República, mandou anunciar o nome do ministro mais poderoso de seu governo. Dali a dias, Antonio Palocci ex-ministro da Fazenda, ex-deputado federal, ex-prefeito de Ribeirão Preto e hoje alvo ilustre da Operação Lava Jato – assumiria a chefia da Casa Civil. Era a improvável ressurreição política de Palocci, ceifado do governo Lula anos antes, quando, após resistir a toda sorte de acusações de corrupção, acabou por não resistir ao escândalo da quebra dos sigilos do caseiro Francenildo. Perdeu o cargo, mas não a influência.  

Palocci ressurgiu na eleição de Dilma. Coordenou a campanha e atuou como arrecadador informal da petista, ao lado do tesoureiro do PT, João Vaccari, hoje preso. A nomeação para a Casa Civil, na qual sucederia a Erenice Guerra, premiava seus bons serviços na campanha. Nas palavras de Dilma, Palocci fora “um dos artífices da jornada vitoriosa” que a elegera. Estava claro quem mandaria em Brasília no terceiro mandato petista.

No mesmo dia do anúncio, Palocci recebeu R$ 1 milhão do escritório do criminalista Márcio Thomaz Bastos, segundo documentos da empresa do petista, em poder do Ministério Público Federal (MPF) e obtidos por ÉPOCA. MTB, como era conhecido o advogado, morreu no ano passado. Em 2010, após uma longa passagem pelo Ministério da Justiça do governo Lula, na qual fez muitas tabelinhas com Palocci, resistia como principal conselheiro jurídico da cúpula do PT. O dinheiro foi repassado sem que houvesse sequer contrato formal. Era um contrato de boca. Duas semanas depois, Palocci recebeu mais R$ 1 milhão de MTB.

Os R$ 2 milhões somavam-se aos R$ 3,5 milhões repassados durante a campanha e a pré-campanha de Dilma. No total, 11 pagamentos. Sempre sem contrato. Sempre em valores redondos – R$ 500 mil, no auge das eleições, e R$ 250 mil, antes. Sempre depositados, segundo o próprio Palocci, na conta da Projeto, a empresa de consultoria criada por ele após deixar o governo Lula.

No dia em que foi anunciado como ministro de Dilma, Palocci recebeu R$ 1 milhão em sua consultoria. Qual a origem do dinheiro? O Pão de Açúcar, dizem os advogados de Palocci e do escritório de MTB. Por que o Pão de Açúcar pagaria uma pequena fortuna a Palocci? Para que o petista, um médico sanitarista que passava aqueles dias de 2010 na intensa faina de uma campanha presidencial, ajudasse na fusão entre o grupo de Abilio Diniz e as Casas Bahia. Não se sabe como Palocci poderia ser tão valioso numa negociação dessa natureza – nem por qual razão o Pão de Açúcar não o contratara diretamente.

Mas ele prestou algum serviço? A renomada consultoria Estáter, contratada de forma exclusiva pelo Pão de Açúcar para tocar a fusão, informou ao MPF que, por óbvio, não – Palocci não prestou qualquer serviço, o que despertou suspeitas entre os investigadores. Fontes que participaram das negociações confirmaram a ÉPOCA que Palocci não participou de qualquer reunião, conversa informal ou troca de e-mails durante o negócio. Em ofício ao MPF, o Pão de Açúcar disse que “em função da relação de confiança desenvolvida” é comum que os “serviços de assessoria jurídica sejam contratados de modo mais informal”. Palocci não é advogado. Procurado por ÉPOCA, o Pão de Açúcar informou que não vai se pronunciar.

Palocci não tardou a cair novamente. Pouco após assumir a Casa Civil, o jornal Folha de S.Paulo revelou que ele comprara um apartamento avaliado em R$ 6,6 milhões, antes de voltar a Brasília. Palocci, que não tem herança e sempre foi político, se recusou a explicar a origem do dinheiro. Disse apenas que provinha dos clientes que contratavam a Projeto, sua empresa de consultoria. Preferiu deixar a Casa Civil a revelar os nomes deles – e a declinar para que fora exatamente contratado.

Agora, ÉPOCA teve acesso a documentos internos da empresa de Palocci, a uma investigação sigilosa do MPF sobre ela e a uma lista com 30 nomes de empresas que pagaram o ex-ministro. Os papéis oficiais, assim como a investigação dos procuradores, revelam que a prosperidade da empresa de Palocci coincidiu com o momento em que ele assumiu as tarefas de coordenar a campanha de Dilma – e de arrecadar para ela.

Em 2010, Palocci recebeu, ao menos, R$ 12 milhões em pagamentos considerados suspeitos pelo MPF. Além dos pagamentos do escritório de Márcio Thomaz Bastos, supostamente em nome do Pão de Açúcar, os procuradores avaliaram como suspeitos os pagamentos do frigorífico JBS e da concessionária Caoa. Eles somam R$ 6,5 milhões. São suspeitos porque, na visão do MPF, Palocci, mesmo depois de ouvido, não conseguiu comprovar que prestou serviços às empresas – ou foi desmentido por quem estava envolvido, como no caso da consultoria Estáter e do Pão de Açúcar.

Ademais, para o MPF, a inexistência de contratos para muitos dos pagamentos reforça os indícios de que as consultorias foram, na verdade, de fachada. Por que grandes empresas gastaram tanto com Palocci? E qual o destino final do dinheiro? Ninguém sabe ainda.

A investigação à qual ÉPOCA teve acesso corre em Brasília, mas será requisitada por procuradores que trabalham nos dois maiores casos de corrupção sob investigação no país: a Lava Jato. No petrolão, a Procuradoria-Geral da República abriu inquérito para apurar a acusação de que o petista arrecadou R$ 2 milhões – para a mesma campanha de Dilma em 2010. A denúncia foi feita pelo delator Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras. Como Palocci não tem foro privilegiado, o processo contra ele corre no Paraná, sob a guarda do juiz Sergio Moro. Com base no trabalho dos procuradores de Brasília, a Força-Tarefa de Curitiba espera avançar mais rapidamente no rastro do dinheiro que circulou pelas contas associadas ao ex-ministro. Eles preparam o pedido de quebra dos sigilos de Palocci, entre outras medidas.
O DOCUMENTO Relatório da investigação do Ministério Público Federal, com a lista dos pagamentos da Caoa a Palocci (Foto: Revista ÉPOCA)
O procurador da República Frederico Paiva, responsável pela investigação e coordenador do núcleo de combate à corrupção no Distrito Federal, não quis dar entrevista, porque o caso corre sob sigilo. Com o avanço em Palocci, que também está sob investigação em outras frentes da Lava Jato, a Força-Tarefa do Paraná atinge a tríade responsável pela arrecadação de dinheiro no PT desde a queda de Delúbio Soares. Além de Palocci, a tarefa cabia ao ex-ministro José Dirceu e ao tesoureiro João Vaccari. No caso de Vaccari, já preso, as evidências de participação no esquema são abundantes (leia mais na coluna de Ruth de Aquino).

Os procuradores também abriram uma investigação específica para Dirceu. À semelhança de Palocci, Dirceu enriqueceu como consultor, após sair do governo em desgraça. Ele é suspeito de forjar contratos de consultoria para receber propina das empreiteiras. Ele e as empresas negam. No total, José Dirceu recebeu como consultor pouco mais de R$ 29 milhões entre 2006 e 2013. “Uma das principais sistemáticas para o pagamento de propina para agentes públicos era justamente a celebração de contratos simulados com empresas de consultoria.

Há suspeita de que a JD assessoria tenha sido utilizada para essa finalidade”, escreveram os procuradores ao pedir a quebra de sigilo da empresa de Dirceu. O ano de 2010, quando Dilma foi eleita, também foi próspero para o petista. Sua empresa de consultoria faturou R$ 7,2 milhões. Para os procuradores, as operações de Dirceu e Palocci são siamesas no método e, suspeitam, na finalidade.

Há uma proliferação de consultorias petistas. Também preso na Operação Lava Jato, o ex-deputado André Vargas é mais um deles. Valeu-se de contratos de consultoria de fachada para ganhar dinheiro. Por meio da empresa Limiar, ele recebeu R$ 200 mil da JBS em agosto de 2010, às vésperas da eleição. Questionada sobre o repasse, a empresa afirmou que contratou em 2010 os serviços de “consultoria de marketing” prestados por Vargas, técnico de nível médio em administração de empresas. Não colou. No despacho que decretou a prisão de Vargas, o juiz Sergio Moro disse que “há prova de que a empresa teria recebido remuneração por serviços não prestados”.

A consultoria do frango 
Segundo os documentos obtidos por ÉPOCA, a consultoria de Palocci recebeu R$ 2 milhões da JBS entre 2009 e 2010. É um caso para lá de estranho: embora Palocci tenha admitido que recebeu da JBS, a JBS informou a ÉPOCA, por e-mail, que nunca teve qualquer negócio com o petista. Em 2010, a JBS foi a campeã de doações oficiais à campanha de Dilma, com R$ 13 milhões – foram quase R$ 70 milhões em 2014. No caso de Palocci, a JBS fez sete depósitos em cinco meses. Os pagamentos se dividiram em dois de R$ 250 mil e outros cinco de R$ 300 mil, segundo notas fiscais obtidas pela reportagem. Embora a JBS negue, a justificativa para esses pagamentos está num contrato com metas e tarefas inverossímeis para um consultor como Palocci.

O contrato foi assinado antes da eleição, no dia 1º de julho de 2009. Previa o assessoramento do ex-ministro na aquisição que a JBS faria nos Estados Unidos da multinacional Pilgrims Pride, segunda maior produtora de aves do mundo. A JBS fechou o negócio logo depois, em 16 de setembro daquele ano. Aos procuradores, Palocci descreveu os serviços que a JBS diz não ter contratado: “Apoio decisório que passa pela análise das perspectivas do mercado de carnes de frango nos mercados americano e global e pela avaliação do valor de mercado da companhia e as sinergias passíveis de serem auferidas com a globalização do grupo em outras áreas de proteína animal, além da carne bovina”.

Mesmo que Palocci entendesse profundamente do mercado avícola americano e global, um documento enviado ao BNDES pela dona da Friboi em 5 de agosto daquele ano – um mês, portanto, após a contratação de Palocci – põe ainda mais em dúvida a veracidade dos serviços, segundo o MPF. Na nota técnica AMC/DEPAC 028/2010, a que ÉPOCA teve acesso, a JBS informa ao BNDES que “já estava em fase adiantada de negociação com a Pilgrims”. O próprio dono da JBS, o empresário Joesley Batista, que já era dono nos Estados Unidos da multinacional Swift, disse, em outubro daquele ano: “Começamos a negociar com a Pilgrims Pride há um ano, antes que pedisse concordata”. Dez meses antes, portanto, da assinatura do contrato com Palocci. Nele, aliás, Palocci assinalou que ajudaria a JBS “no processo de negociação” e na “avaliação do empreendimento”.

Executivos envolvidos nessa negociação disseram a ÉPOCA que a JBS foi assessorada por uma equipe de cerca de 20 especialistas em fusões e aquisições, formada por representantes dos bancos JP Morgan e Santander – e de dois tradicionais escritórios de advocacia, o brasileiro Pinheiro Neto e o americano Shearman & Sterling. Segundo essas fontes, que pediram anonimato, Palocci em nenhum momento se agregou ao grupo ou foi mencionado como um dos analistas da operação comercial. É, portanto, o mesmo relato que se fez no caso de MTB e do Pão de Açúcar.

Palocci, portanto, nada fez? Não há certeza, novamente. Mas, em setembro de 2009, dois meses depois da contratação do petista, a JBS anunciou a aquisição do frigorífico brasileiro Bertin e da americana Pilgrim’s Pride numa só tacada. Para fechar o negócio com a Pilgrim’s, a JBS contou com o apoio do BNDES, que, segundo suspeita, o MPF só topou financiar essa aquisição internacional se a companhia adquirisse o endividado Bertin. Assim foi feito. Em dezembro, o banco adquiriu R$ 3,47 bilhões em debêntures (papéis de dívida) do frigorífico Bertin. Um mês depois, Palocci emitiu sua última nota de consultoria para a JBS, no valor de R$ 300 mil. O financiamento da operação do banco estatal desencadeou uma investigação em andamento no Ministério Público Federal no Rio de Janeiro. O BNDES se recusa a fornecer informações sobre a operação de financiamento da JBS.

O DOCUMENTO Recibo do escritório de Márcio Thomaz Bastos. Ele disse ter encaminhado os pagamentos para o Pão de Açúcar (Foto: Revista ÉPOCA)

A consultoria chinesa
Meses depois, em 1º de julho de 2010, já no auge de suas atividades na campanha, Palocci fechou um contrato com a rede de concessionária de automóveis Caoa. No papel, o petista foi contratado para ajudar o empresário Carlos Alberto Oliveira Andrade, dono do grupo automotivo, na avaliação de oportunidades de negócios com a China e na ampliação de produção de veículos.

Palocci deveria ajudar a explorar uma nova marca e uma nova linha de veículos com preços competitivos em relação às montadoras chinesas que estavam chegando ao Brasil. O ex-ministro foi então recrutado para negociar uma parceria com a Great Wall, maior fabricante de utilitários esportivos da China, e a BYD, fabricante chinesa de carros elétricos. Novamente: era isso que o contrato previa. Nele, consta a definição do que seria o serviço. Há expressões como “no intuito de analisar e assessorar a concretização de investimentos em projetos na área de produção” e procurar “definição de investimento em nova planta”.

Conforme o próprio grupo Caoa admitiu, as consultorias de Palocci não vingaram – nenhum acordo relevante foi fechado. Mesmo assim, o ex-ministro levou uma bolada. De julho a dezembro de 2010, ele recebeu da Caoa R$ 4,5 milhões. Durante o período em que o ex-ministro era seu consultor, o grupo Caoa pleiteava no Congresso a aprovação da Medida Provisória 512, que estendeu até 2020 as isenções fiscais para montadoras do Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país – a Caoa tem uma fábrica da Hyundai em Goiás. Sem a medida, o benefício se encerraria em janeiro de 2011. A MP foi transformada em lei em abril de 2011, quando Palocci era chefe da Casa Civil. O grupo Caoa afirmou: “Não temos e nunca tivemos nada com a consultoria do Palocci. O grupo não se manifesta sobre assuntos relativos a contratos privados e acrescenta que não possui parceria e nem contrato com nenhuma das duas empresas citadas”.

Procurado, Palocci não quis falar. Pronunciou-se por meio de nota. “A empresa de consultoria Projeto não pode divulgar cláusulas e condições dos contratos que celebra com seus clientes, os quais se revestem de cláusula de confidencialidade, inclusive por conterem segredos comerciais das contratantes. Todas essas informações, todavia, estão – e sempre estiveram – à inteira disposição dos órgãos estatais de fiscalização e controle. Sobre os questionamentos formulados, esclarecemos que rigorosamente tudo o quanto se indagou já foi respondido ao Ministério Publico Federal, há tempos, inclusive com envio de todas as informações contratuais, contábeis, financeiras e tributárias – e a respectiva documentação –, as quais foram encaminhadas à Procuradoria da República no Distrito Federal, onde tramita, desde o ano de 2011, procedimento a respeito dos fatos e que se reveste de caráter sigiloso, que nada tem a ver com a Operação Lava Jato.”

A nota prossegue. “Afirmamos, categórica e peremptoriamente, que as atividades e recursos da Projeto não têm nem nunca tiveram qualquer relação com a referida campanha eleitoral ou com qualquer outra, como demonstra a documentação que se acha em poder do Ministério Público Federal, repita-se, desde o ano de 2011. Repudiamos, assim, com indignação, qualquer insinuação ou ilação gratuita nesse sentido. A despeito de a Projeto prestar serviços para empresas de diferentes ramos de atividade, Engevix e UTC jamais foram suas clientes. Nada obstante, no ano de 2006, depois de ter deixado o Ministério da Fazenda e antes da constituição da Projeto, Antonio Palocci Filho proferiu palestras, enquanto pessoa física, para diversas empresas, por solicitação dessas, uma das quais na UTC.”

Se Palocci teve, ao menos, 30 clientes, qual a natureza da relação do petista com as demais 27 empresas? Um exame dos pagamentos conhecidos e uma análise do MPF mostram que havia dois Paloccis à frente da Projeto. Um conseguia milhões de grandes empresas, sem, segundo o MPF, prestar qualquer serviço – é o caso de MTB e Pão de Açúcar, JBS e Caoa. O outro Palocci dava palestras e fazia análises de cenários, por valores muito mais modestos. Nesses casos, tudo indica que os serviços – as palestras e as análises de cenário político – foram prestados. Trata-se, portanto, de uma relação comercial corriqueira. Nesses casos, o valor de mercado do ex-ministro, quando contratado por uma grande empresa, é de R$ 30 mil a R$ 50 mil por mês. Nas palestras, a fatura não fica muito longe disso.

Em 12 de novembro de 2013, Palocci fez uma palestra para um grupo de empresários, a convite do banco BR Partners. Cobrou R$ 30 mil. Como menciona em seu comunicado, Palocci fez palestra até para a UTC, empreiteira apontada como líder do cartel do petrolão. Foi em 2006, logo após deixar o governo Lula. Cobrou R$ 27 mil. Procurada, a UTC disse que “foi efetuado pagamento registrado e tributado no valor de R$ 27 mil, compatível com o que era cobrado na época por palestrantes de primeira linha, caso do senhor Palocci”.

26 comentários

Cada enxadada, uma minhoca... aliás, vermes, muitos vermes...

Reply

A alguns meses atrás escrevi aqui que para o governo petê cair duas condições opcionais teriam que ocorrer, considerando, a complacência do povo brasileiro, sua incrível capacidade de ser cego e principalmente a sua orfandade em termos de instituições legítimas que promovam a integração das famílias para um diálogo fraterno, onde surgem as lideranças da comunidade, dai os partidos políticos e etc. Evidente que se esse tipo de coisa existisse no Brasil, aquele sentimento que une um povo a sua terra, pátria, o pt jamais teria sequer nascido, mas enfim, não estamos nos EUA e nem na Escócia, ou na Pérsia ou no Japão, estamos no Brasil, vamos ao que temos...ainda. Para o petê cair no Brasil é preciso que "Deus se apresente na terra e deponha contra o petê", aceito seu testemunho no stf, a possibilidade do pt cair aumenta de forma considerável.

Outra condição é o somatório de 100.000 escândalos interligados, talvez ao longo dos próximos 100 anos essa condição comece a despertar suspeitas nos brasileiros e esses comecem a ficar incomodados ao ponto de querer até, imaginem, protestar...

Como leitor assíduo desse blog, creio que o Coronel já noticiou algo próximo da última condição, mas algumas semanas vai estourar o teto das 100 mil e não estou exagerando, pois para cada escândalos desses existem mini escândalos de corrupção aqui e ali que podem ser somados.

No caso da primeira hipótese espero que Deus dê preferência a esse blog para uma entrevista e assim eu ser informado em primeira mão do acontecimento histórico.

Reply

UFA!!! Quando terminei de ler esta matéria, já estava esgotada!

Quanta bandalheira, meu Deus!

Juiz Sergio Moro e seus procuradores ainda terão um trabalho hercúleo pela frente para desbaratar esta corja. Mas, tenho certeza, serão vitoriosos, apesar de o PT estar tentando melar a Lava Jato.

NÃO PASSARÃO PETRALHAS!




Chris/SP

Reply

Cel,

Fala o nome de um petralha limpo?

Reply

Ratos de porão , ratos de esgoto , pior especie de ratos o legado que vão deixar para as novas gerações é terrível .

Reply

só lama...

é assim que um medico sanitarista se torna um fenômeno da consultoria financeira...

na base do milagre companheiro...

Reply

Cada enxadada uma minhoca e, um militante do PT junto.

Reply

OFF

Olha isso, Coronel !!!

Folha petralha publica matéria falando do BLOG IMPLICANTE!!!!


BLOGUEIRO ANTIPETISTA RECEBE PAGAMENTOS DO GOVERNO ALCKMIN

Um blogueiro que distribui propaganda antipetista a milhares de seguidores na internet recebe há dois anos pagamentos mensais por serviços de comunicação prestados ao governo Geraldo Alckmin (PSDB) em São Paulo.

Na rede, o advogado Fernando Gouveia se apresenta com o pseudônimo Gravataí Merengue e como "CEO", ou executivo principal, do site Implicante, que publica e ajuda a difundir notícias, artigos, vídeos e memes contra o PT e a presidente Dilma Rousseff.

SEGUE...

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/04/1618288-blogueiro-antipetista-recebe-pagamentos-do-governo-alckmin.shtml


Chris/SP

Reply

Esses petistas fdp são especialista em roubar o dinheiro público e as propriedades alheias. Só o que sabem, ROUBAR!
Sempre souberam que o Brasil foi e é um GIGANTE, deitado em um berço esplêndido de riquezas de todo tipo. O sonho desses calhordas "lulosociocomunistas" é se apropriar disso tudo, e como donos do maior quinhão, serem os DITADORES DA AMÉRICA LATINA.

Essa conduta criminosa vem de longos tempos, essa mesma postura de ladrões corruptos está no DNA, vem de berço, de pai pra filho.

Como no governo militar, SERÃO DE NOVO DOMINADOS e, com certeza tentarão tudo de novo em futuro próximo.

E com a maior cara de cú, formarão de novo uma COMISSÃO DA VERDADE para reverter a verdade da história e passarem de criminosos para vítimas. Como foi feito por Pedro Dallare no seu ridículo relatório da ComEssão da verdade criada por Dilma.

FORA BANDIDOS, LADRÕES, LULISTAS COMUNISTAS.

Os brasileiros não querem mais ouvir falar de petistas, mas nem pintados!

Reply

Graças a Deus eu tenho idade (e se Ele quiser, também terei saúde) para ver este Brasil daqui a uns, pelo menos, 25 anos. Poderei contar para os meus netos: """... e o que mais favoreceu a tomada de poder por aquele partido criado em 1980 pelos intelectuais de esquerda e os sindicalistas do ABC paulista foi o semi-analfabetismo do povo brasileiro até então !""" ###Txr/JF

Reply

Coronel,
já já chega no velhaco. Que ele fique de malas prontas para usar o passaporte com cidadania italiana e fazer par com o Pizzolato. Caso contrário, fazer companhia ao Vaccari.

Reply

A PURA VERDADE!
O grande ERRO, a grande incompetência dos militares foi não ter acabado com essa RAÇA DE COMUNISTA TERRORISTA que está a DOZE anos DESGOVERNANDO e ROUBANDO DESCARADAMENTE o BRASIL.

Em minha o opinião; Ainda ha tempo de corrigir grandes erros do passado.

Reply

Dizem que checarão o escritório do MTBastos, e do lado de lá deve estar muito arrependido de seus malfeitos cá na terra por dinheiro; usou seus dotes para o mal, defendendo indefensáveis!

AÍ É QUE ESTÁ O "POBREMA" PARA O PT...
Quando boa parte do povo está ao lado de um partido, seria o caso do PT, a coisa realmente complicaria, mesmo com auxilio de forças militares a outra parte, já que o PT está desafiando os da ativa e reserva, contando com seus milicas, apenas.
Mas o PT está é desesperado, perdeu a cabeça, não conta com apoio de nada mais e essa 1/2 dúzia de fanáticos do PT contra o povão + militares é suicídio.
Bem se quiserem, lancem seus milicas nas ruas X povo + militares e rapidamente os sufocarão.
Tô achando tratar-se de muita trovoada, chuva pouca ou nenhuma do PT, gosta muito de fazer tutu nos outros, são é traiçoeiros e covardes, pois o povão cerca de 90% está sentindo agora o que é o PT na carne, ser governado por quadrilha de larápios!
E desistiu de vez das aves de rapina do PT!

Reply

A matéria é só para os que tem o aparelho digestivo forte e saudável.


O candidato e seu passado

Depois de uma série de divergências com o Brasil sobre a administração da Usina Hidrelétrica de Itaipu, pertencente aos dois países, o Paraguai decidiu mover uma ação judicial para garantir aqueles que, a seu ver, eram direitos que vinham sendo ignorados.

Quem foi o advogado da parte paraguaia no processo contra brasileiros? Ele mesmo: Luiz Édson Fachin, agora indicado pela presidente Dilma para o lugar do ministro Joaquim Barboza no Supremo Tribunal Federal.

Fachin ganhou a ação contra o Governo brasileiro. Viva o Paraguai!


http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,748825,Tenta_jogar_mas_e_inexperienta_Coluna_Carlos_Brickmann_,748825,8.htm

Reply

O PT é uma quadrilha não é um partido político.
Deve ser extinto e seus elementos enviados para Cuba.
Mas antes apanhar todo dinheiro de volta.

Reply

E o projeto maquiavélico e ditatorial do PT.

"Tese petista "Partido para tempos de guerra" tenta convencer militância a combater os militares e a mídia"

http://www.alertatotal.net/2015/04/tese-petista-partido-para-tempos-de.html

O que o PT não entende que ninguém quer saber do PT.

Reply

Negócios nebulosos, mas certamente um dia toda a verdade será passada a limpo e a população brasileira vai tomar conhecimento do modo como eram feitos. É só seguir o dinheiro .

Reply

BLOGUEIRO ANTIPETISTA RECEBE PAGAMENTOS DO GOVERNO ALCKMIN

Se isso ficar confirmado vou passar a ler esse blog 3 vezes por dia.

Reply

J.Freira - 12:12

Que é isto, coturneiro? Torcendo para o molusco conseguir fugir tal como o Pizzolato???

Eu quero que ele apodreça na PAPUDA!


Chris/SP

Reply

A propósito:
Panamá,é um dos locais que petistas e mulher do lula movimentam dinheiro!!!
Investiguem!!!

Reply

As pragas do Francenildo, o caseiro escorraçado e humilhado pelo sanitarista Pallocci, estão pegando e se Deus quiser ainda veremos o crápula de mãos algemadas lá em Curitiba.

Reply

Todos os líderes do PT cairão em desgraça eterna. O povo nunca os perdoará. A queda será monumental.

Reply

baita capivara.........sigam o patrimonio do meliante de Ribeirao!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Reply

ESCLARECIMENTO!!!!

Esclarecimento sobre a matéria deste sábado (18/04) na Folha de S. Paulo sobre o Blog Implicante:

O Implicante e alguns de nossos colaboradores foram citados em matéria intitulada “Blogueiro antipetista recebe pagamentos do governo Alckmin” nas versões online e impressa da Folha de S. Paulo, e por isso gostaríamos de esclarecer alguns pontos:

1.O Implicante foi criado e idealizado no início de 2011 e nunca recebeu verba ou patrocínio de partido ou governo nenhum. Nossas postagens pessoais são assinadas e o conteúdo do site nunca foi objeto de nenhum contrato das empresas citadas na reportagem, ou de nenhuma outra.

2.A hospedagem do Implicante é feita nos EUA por uma questão de custos.Utilizamos um domínio.org com opção de privacidade, e não .br, justamente para evitar a exposição indevida que os domínios registrados no Brasil infelizmente apresentam. Vale lembrar que, graças a uma busca no WHOIS de um domínio nacional, um leitor de blogueiro progressista já foi parar na porta da casa dos pais de um de nossos administradores há alguns anos. O próprio jornalista Lucas Ferraz, que assina a matéria da Folha, deveria saber que não se trata de artifício para “omitir o responsável” pelo site, uma vez que, além de nos identificar com nome, CPF e RG, ele conseguiu obter com facilidade os números dos celulares de alguns de nossos colaboradores

3. Além de “blogueiros”, também somos advogados, empresários, escritores, jornalistas, publicitários, tradutores, revisores, profissionais de comunicação e de internet. A empresa citada, fundada em 2013, prestou todos os serviços para os quais foi contratada e mantém todas as notas fiscais, contrato de prestação de serviços, além das atas de reunião, registros e relatórios relativas ao projeto para o qual foi contratada. Ela foi escolhida por oferecer o melhor preço para o serviço em questão, e não por conta de afinidades políticas ou ideológicas – e muito menos como contrapartida de conteúdo publicado no Implicante, no Reaçonaria ou em qualquer um de nossos perfis pessoais na internet -, como dá a entender a matéria.

4. Nossa relação com o portal Reaçonaria é de amizade, apoio e respeito. Devido a isso, alguns colaboradores de um site já escreveram no outro a convite e vice-versa. Não temos nenhuma participação ou responsabilidade sobre os conteúdos postados por eles no reaconaria.org e nem sobre a administração e funcionamento do portal, assim como eles não tem sobre o que vai publicado aqui neste site.

5. Nós diariamente louvamos, elogiamos e divulgamos o bom jornalismo – nossa principal matéria-prima -, inclusive da Folha de S. Paulo, citada inúmeras vezes como fonte aqui no Implicante. No entanto, a matéria peca ao tentar relacionar, de forma oblíqua, a atividade profissional e os serviços prestados por uma empresa com as opiniões e análises emitidas por seus sócios e colaboradores em projetos pessoais e perfis em redes sociais.

Os esclarecimentos por parte da empresa já foram dados pelo Gravz em seu perfil pessoal no Facebook.


http://www.implicante.org/editorial/esclarecimento-sobre-a-materia-deste-sabado-1804-na-folha-de-s-paulo/


Como saiu na Folha, a matéria sobre o Implicante, só pode ter sido escrita por uma petralha. Este jornal é um vexame!!!



Chris/SP

Reply

OFF

Difícil acreditar numa notícia destas, ainda mais quando sai no UOL, mas ei-la:

Tucanos de SP pressionam bancada federal a barrar redução da maioridade

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2015/04/17/tucanos-de-sp-pressionam-bancada-federal-a-barrar-reducao-da-maioridade.htm

A reportagem não dá o nome destes infelizes. Precisamos saber os nomes para colocá-los no Facebook, e nunca mais serem reeleitos!



Chris/SP

Reply

Paradoxo: como é que uma turma tão boa em consultoria, esperta mesmo, capaz de ganhar milhões e ser contratada por megaempresas, obrigando-nos a admitir que estas não possuem em seus quadros pessoal tão capaz como a turma do PT, afinal foram em busca do conhecimento fora da empresa, repetindo - como é que essa turma não consegue bem administrar o nosso país após 12 anos no poder? Como não conseguem enxergar que essas mesmas empresas estão se associando entre si e a funcionários subalternos para lesar o patrimônio público?
Não precisam explicar, eu nasci ontem e acho que é só intriga da oposição.

Reply