Clima de terror no Mais Médicos: Cuba proíbe que famílias permaneçam no Brasil e ameaça participantes com extradição.

(Folha) O governo cubano está pressionando profissionais do programa Mais Médicos, bandeira da presidente Dilma Rousseff (PT), para que seus familiares (cônjuges e filhos) que estejam no Brasil voltem imediatamente a Cuba. Caso contrário, ameaça substituí-los por outros médicos que já estariam selecionados, aguardando vaga. Até dezembro, dos 14.462 profissionais trabalhando no Mais Médicos, 11.429 --quase 80%-- eram cubanos. Não há estimativa de quantos estão com as famílias no Brasil. 

A pressão tem sido feita diretamente pela vice-ministra da Saúde de Cuba, Estela Cristina Morales, e por seus interlocutores, que vêm se reunindo com médicos cubanos em várias cidades brasileiras. Ela foi confirmada à Folha por oito médicos cubanos e dois supervisores do Mais Médicos. 

O principal argumento de Cuba é de que no contrato de trabalho do governo da ilha com os médicos só há previsão de que eles possam receber visitas de parentes --sem fazer menção a moradia. O contrato, porém, não estipula prazo para as visitas, abrindo brecha para que se estendam. O governo brasileiro concede aos familiares dos médicos cubanos visto de permanência de 36 meses --mesmo tempo dado a eles. 

O Ministério da Saúde diz que não há nada que impeça a família dos médicos de permanecer no Brasil. O artigo 18 da lei de criação do Mais Médicos prevê a vinda de dependentes dos profissionais. As regras para viagens de cubanos ao exterior foram flexibilizadas pelo governo da ilha desde janeiro de 2013, não sendo mais preciso autorização prévia. Elas mantiveram em aberto, no entanto, a possibilidade de vetar pesquisadores, médicos, atletas e opositores ao regime. 

A presença de cônjuges e filhos no Brasil, na prática, facilita a fixação desses médicos cubanos no país, agravando os riscos de fuga de uma mão de obra qualificada, que gera dinheiro para a ilha. No sábado (7), a vice-ministra cubana esteve no município de Jandira (SP). Entre as 13h e as 16h conversou com médicos e disse que há 530 profissionais na ilha à espera de vaga no programa. "O recado foi claro. Se os familiares não voltarem, seremos substituídos", diz um médico que pede anonimato. 

Há casos em que marido e mulher são do programa e têm filhos pequenos. "Temos dois casais de amigos que têm filhos de três e seis anos e que estão sendo pressionados para mandar as crianças de volta, sozinhas", relata outro. "Querem que meu marido volte. Ele está há quatro meses empregado, com carteira assinada. Não é justo", afirma uma médica cubana que atua na Grande SP. Outra teme se separar do marido e do filho de sete anos --já matriculado numa escola. "Se eles forem obrigados a voltar, irei junto."

16 comentários

fred oliveira mod

'E o humanismo e democracia cubana, tao cantada pelos socialistas e petistas brasileiros. 'E isso que se quer para o Brasil?

Reply

CUBANADAS INACREDITÁVEIS - Intercambista prescreve "Laboratório" para paciente...

https://www.facebook.com/MaisMedicosFail?fref=nf

Reply

O programa ¨mais médicos¨ devia mudar de nome para ¨mais latrinos comunistas¨.KKKKKKKKKKKK

Reply

Coronel,
enquanto até Cuba está sendo obrigada a voltar a ser um país democrático, o Brasil segue no sentido contrário. Não podemos deixar essa corja tomar fôlego. O dia 15, domingo, é somente o começo do enfrentamento a corrupção, desmandos e incompetência.

Reply

Escravos do governo cubano!

Reply

Ah! como é maravilhoso esse estilo comunista de viver! ...viver pressionado! ...viver enjaulado! ...viver com mil tons de cinza! ...no asfalto! ...nas paredes das casas carcomidas! ...no horizonte! ...na esperança! Lindo! Lindo! Lindo!

Reply


Cuba tem 6 milhoes de habitantes..SE os EUA despejarem na Ilha 6 bi de dolares, inundam o país de dinheiro....O futuro próximo de Cuba é virar capitalista, tornando-se local ideal para turismo..
Com lá está tudo por fazer, vai rolar uma tremenda atividade econômica.
Os boilivarianos perderão seu ícone..
Estes médicos que andam por aqui, ao contrário do que se pensa, perderão o temor, e se tornarão vozes contra o comunismo que lá vigora..
Sentiram o gosto de alguma grana e liberdade, e não se sujeitarão mais viver naquele muquifo...

Reply

O ditador está com medo. Sabe que o tempo de seus apoiadores no Brasil está com os dias contados. Logo que a maré mudar esses cubanos que estão com seus familiares no Brasil vão dar uma banana para Cuba e ficarão por aqui. Fora corruptos!

Reply

todo mundo agora caga dentro dessepaiz...

viramos o quintal do mundo...

so falta enviarem policiais para sequestrarem os familiares dos cubanos...

ops, parece que isso ja aconteceu, ne?

lembram dos pugilistas?

Reply

Eles são médicos????? Quanta ingenuidade, creio que eles não passam nem em exame para enfermeiros...

Reply

PRIMEIRO: OS CUBANOS NÃO SÃO MÉDICOS E SIM AGENTES DE SAÚDE. ELES CURSARAM UM TAL DE "MÉDICOS DE PÉS DESCALÇOS" QUE É NADA MAIS QUE UM CURSO DE FORMAÇAÕ DE AGENTES DE SAÚDE.
SEGUNDO: AQUI NO BRASIL NÃO TEM LUGAR PARA ELES. QUE VOLTEM PARA CUBA.

Reply

Coronel,

E depois disso não querem admitir (o Governo) que se trata de "trabalho análogo ao de escravo".

Até isso o PT conseguiu: ressuscitar a escravidão no Brasil!

Reply

Isso aí é aMesma "democracia" que o PT quer implantar no Brasil, todos convertidos a lacaios,de coleira no pescoço e fecho éclair na boca.
Se fazem isso com a classe de médicos, imaginem o que não fazem com os simples operários de mão de obra?
Bando de escravagistas, vigaristas e chantagistas esses comunistas!

Reply

É essa situação que os petistas/bolivarianos querem para o Brasil.

Reply

Voltem todos, não fazem falta. Ou assumam que querem exílio e 'desertar' de Cuba.

Reply

Os médicos brasileiros que vivem diariamente o drama da saúde tentaram alertar sobre o engodo que representa este programa. Foram acusados de coorporativistas, xenófobos e racistas. E ainda pior, morderam a isca direitinho...Tentaram se manifestar e só acenderam os holofotes da mídia para o programa.
O Brasil conta com 400 mil médicos, como que 14 mil profissionais (um aumento inferior a 5%) pode ser vendido como uma solução para a grave crise que vive a saúde brasileira?
Qual foi a mudança vista em um ano de programa?
Como o governo anuncia na mídia que o programa atende a 50 milhões de pessoas? Ora, então 56 mil médicos atenderiam o Brasil inteiro, correto?
Mais uma mentira, uma peça publicitária.
Espero que todos se perguntem no dia 15/03 quantas vidas salvaríamos? Quantas crianças faleceram por falta de UTI? Quantos hospitais seriam construídos apenas com a propina de um diretor da Petrobras?

Reply