Deputado acusado de espancar ex-mulher pode dirigir a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. É a gestão Cunha.

Conheça um pouco mais da ficha no futuro presidente da CCJ de Eduardo Cunha. Clique aqui.
 
(Do Valor Econômico) O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ofereceu a presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ao PP em troca do apoio à sua eleição no domingo. O partido, um dos principais investigados pela Polícia Federal na operação Lava-Jato, que investiga desvios na Petrobras, indicará o deputado Arthur Lira (AL) (foto) para o cargo em 2015

A CCJ é a responsável por analisar recursos contra decisões do Conselho de Ética e Decoro, instância que decide sobre as representações contra deputados. A Comissão de Constituição e Justiça tem, em tese, cinco dias úteis para analisar o recurso, ou a pauta fica trancada, mas o prazo costuma ser maior por obstrução de aliados do acusado.

Lira foi um dos coordenadores da campanha de Cunha e um dos defensores de que o partido, apesar de ter indicado o ministro da Integração Nacional, apoiasse o líder do PMDB. O acerto final ocorreu na noite de sábado, quando foi decidido que o PP ficaria com a presidência da CCJ e com a vice-presidência da Câmara.

(Do Diário do Poder, em 5/12/2013) O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu abrir um processo criminal contra o deputado federal Arthur Lira (PP-AL) para apurar indícios de que ele teria agredido a ex-mulher com tapas e chutes meses após a separação do casal. Por 6 votos a 3, os ministros do STF concluíram que existem indícios suficientes para a instauração de uma ação penal. 

Entre esses indícios estão um primeiro depoimento da vítima e de uma testemunha relatando as agressões e um laudo do Instituto Médico Legal (IML) constatando hematomas no corpo da mulher.Relator do inquérito no Supremo, o ministro Luiz Fux votou contra a abertura do processo. Ele disse que os elementos existentes no inquérito não corroboram depoimentos segundo os quais a ex-mulher teria sido agredida.

O ministro também destacou que, apesar de a suposta vítima ter dito inicialmente que as agressões demoraram cerca de 40 minutos, o exame do IML encontrou apenas lesões leves, como hematomas nos braços e nas pernas. “Não conheço murro de mão fechada que não deixa marca, principalmente se é seguido de agressão de 40 minutos”, afirmou Fux.

Apenas os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes acompanharam o voto de Fux. Os outros seis ministros presentes ao plenário atenderam ao pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que a denúncia contra o deputado fosse recebida e o processo fosse aberto. Com isso, o parlamentar passou à condição de réu. Em sua sustentação oral, Janot destacou um depoimento segundo o qual a suposta vítima teria inclusive sido arrastada pelos cabelos.

Em seu voto, o ministro Marco Aurélio Mello relembrou trechos da acusação e citou estatísticas alarmantes sobre agressões sofridas por mulheres no País. Segundo ele, 1 em cada 5 mulheres já sofreu algum tipo de agressão. “Como o Supremo Tribunal Federal, nesta quadra, pode dizer que não há base, em termos de materialidade, em termos de indício de autoria, para receber-se essa denúncia?”, questionou Marco Aurélio. “Receio muito as consequências dessa ótica prevalecer.”

Após ouvir os votos de colegas, o ministro Luis Roberto Barroso, que havia se posicionado contra a abertura do processo, pediu para modificar sua posição. A defesa do deputado sustentou que ele não agrediu a ex-mulher. Segundo a defesa, a suposta vítima afirmou ter sido agredida durante cerca de 40 minutos, mas apenas teriam sido identificados quatro hematomas nos braços e nas pernas. Além disso, a suposta vítima e a testemunha, empregada doméstica da família, teriam voltado atrás em seus depoimentos.

9 comentários

Olá,

O sistema republicano atual está falido e podre, senão mudarmos o sistema de nada adiantará derrubar a Dilma e colocar um Dilmo no lugar. O sistema parlamentarista sem mordomias e benesses colocaria o país de volta aos trilhos.

Reply

Susto, caramba! Não me acostumo.

Vejo essas fotos e vou logo levantando as mãos ao alto!

Reply

CORONEL

Sabe de uma coisa, com essa xepa política que temos não será possível produzir um prato apresentável.Só dá mesmo uma lavagem mal cheirosa e ,como diria o Barão de Itararé, bem ao gosto desse eleitorado sem vergonha.

Reply

Se o PSDB não fosse tão burro poderia ter esta comissão. Mas é!

Reply
Despetralhando mod

Não sei se falta dePUTAdo honesto ou vergonha na cara desta corja de políticos 'mal-intencionados'.

Reply

Espantoso é um membro da mais alta corte fazer declarações tais.

Há hematomas? Então ocorreu a violência. Qual é a relevância do tempo (40 minutos) em relação a quantidade de hematomas?

Ele pode ter passado 40 minutos batendo num lugar só. Isto diminui em que o fato de ter havido a violência denunciada?

Reply

Esse tipo de declaração de quem tem obrigação de ser politicamente correto me dá náuseas. Soco de mão aberta ou fechada, um hematoma ou mil hematomas, bater por 1 segundo ou 40 minutos é agressão do mesmo jeito!!!! Êta contingente de políticos de merda que nos representa!!!

Reply

Salve.
Bom, até em segurar os pulsos de uma mulher nervosa você já produz hematomas na região, 40 minutos de pancadaria lhe deixaria o corpo roxo-beringela.
Mulher mente também, viu gente? Em Vara de Família isso é o que mais se vê

Reply
Despetralhando mod

O EC. nunca me decepciona, como pmdebista ele é quase um petralha.

Reply