Gilmar insiste que Janot cumpra seu papel.

Ministro Gilmar Mendes
(Estado) O vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, decidiu reenviar à Procuradoria-Geral da República  um ofício  que pede a investigação de eventuais práticas criminosas envolvendo a contratação da gráfica VTPB pela campanha da presidente Dilma Rousseff, em 2014. A decisão de Gilmar contou com apoio de outros três ministros da Corte eleitoral, que fizeram coro nas críticas feitas ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que decidiu, no último dia 13, arquivar o caso. 

Os ministros Dias Toffoli, presidente do TSE, João Otávio de Noronha e Henrique Neves, concordaram com Gilmar ao rebater o procurador-geral sobre a fala de que a Justiça eleitoral e o Ministério Público eleitoral não podem adotar posicionamento de "protagonismo". Já as ministras Rosa Weber - que substituía o ministro Luiz Fux -, Luciana Lóssio e Maria Thereza de Assis Moura, não se pronunciaram sobre o caso. As duas últimas ministras têm adotado um posicionamento mais brando sobre as investigações contra Dilma que estão em curso no TSE.
 
A decisão de Gilmar Mendes, que relatou as contas de campanha de Dilma nas eleições de 2014, aconteceu pouco depois de Janot ter arquivado pedido de investigação encaminhado em maio à Procuradoria. "Causa especial espanto a afirmação do chefe do Ministério Público Federal de que a Justiça eleitoral e o Ministério Público não devem ser protagonistas do espetáculo da democracia", disse Gilmar em crítica direta à decisão de Janot. 

"A atuação da Justiça eleitoral deve ocorrer de forma minimalista, isso equivale a dizer que os agentes devem enfiar a cabeça na terra como se fossem avestruz para que os ilícitos não sejam vistos?" emendou. Em entrevista publicada pelo Estado ontem, Gilmar classificou o parecer de Janot como "ridículo" e disse que a argumentação vai de "pueril a infantil".

O ministro Dias Toffoli também contestou trecho do despacho do procurador-geral que defende que a Justiça eleitoral deve promover a pacificação social. "O exercício dessa pacificação social que a justiça eleitoral traz é em razão da sua ação e não da sua não-ação", disse Toffoli, acrescentando que a decisão de determinar a investigação de fatos relativos à campanha de Dilma "não é uma determinação isolada do ministro Gilmar Mendes. "Isto consta do acórdão do TSE e é uma determinação da Corte", defendeu. O presidente do Tribunal repetiu uma frase que vem sendo ditar por Gilmar, de que as investigações devem ocorrer para apurar, inclusive, "desvios que podem ter como vítima a própria campanha".

O ministro Henrique Neves citou o julgamento de uma prestação de contas de 2007, em que a Corte teve atitude semelhante à adotada em relação à campanha petista. Segundo ele, "foi exatamente o mesmo procedimento que este Tribunal adotou", lembra.

Já Noronha disse que, apesar de Janot defender uma postura "minimalista" da Justiça eleitoral e do Ministério Público, ter testemunhado o papel de protagonismo adotado pela Procuradoria nas eleições de 2014. "Sou testemunha de quanto se empenharam os ministros para que pudéssemos proceder eleições sérias, democráticas, transparentes", provocou. "Sou testemunha de que a Justiça eleitoral não tem sido, ao contrário do que afirmado no despacho, um protagonista exagerado. Houve um processo que se cassava, e com muito empenho, e o MP atuou de forma em que se buscava cancelar o registro do senhor Paulo Maluf (deputado federal pelo PP-SP). A justiça eleitoral foi protagonista em assegurar a aplicação da lei", lembrou.

Noronha, que é relator de duas ações que investigam a campanha de Dilma Rousseff, repetiu ainda afirmações que vêm sendo feitas por Gilmar Mendes, de que a Corte adota posições "assimétricas" em relação a casos envolvendo prefeitos, governadores e presidente da República. "Nós julgamos impugnação de registro dos prefeitos das pequenas cidades todo dia. Se há para os pequenos, por que não pode haver para os maiores?", indagou.

O ministro aproveitou ainda para afirmar que as investigações acontecem de forma posterior à diplomação dos candidatos eleitos "porque os fatos são revelados depois de concluído o processo, as eleições", disse. "Tudo isso se faz para que haja um controle, ainda que a posteriori, da legitimidade do pleito eleitoral. Isso não deve ser imputado como uma medida de perseguição, de descontentamento", defendeu. 

6 comentários

No Brasil as pessoas insistem na irrealidade, a verdade machuca, tortura o brasileiro como talvez não torture povo nenhum no mundo, somos um povo "não sério" como já foi dito, então repetimos coisas alegremente tais como "fomos descobertos", atestado maior de falta de patriotismo, seriedade em rápida evolução para a calhordice, aliás o que se vê no cenário político brasileiro nada mais é que a comprovação dessa calhordice ao que parece inata ao brasileiro, notadamente sua elite política, herdeira de homens que nunca tiveram compromisso algum com a formação de um pais ao contrário dos colonos do norte.

É nesse contexto que surge o movimento comunista no Brasil, são os filhos dos calhordas históricos agora alinhados a um movimento internacional psicopata, cujo único compromisso é destruir as nações em prol da comuna internacional.

Foi para isso que o petê foi criado, para isso ele trabalhou abertamente, e por fim subiu ao poder declamando cinicamente uma carta aos brasileiros onde afirmava "esqueçam o que escrevi", não é mera coincidência...

O resultado não poderia ser outro, muito pelo contrário, tudo absolutamente previsível.

Mas a verdade tortura o brasileiro como talvez a nenhum outro povo, acostumados as lides e as guerras, não foram descobertos nem sua pátria é um balcão de negócios.

A última grande ilusão nacional, a lei e as instituições tirarão o petê do poder...como já se viu o petê está acima da lei, pode tudo, ameaçar a sociedade com armas, promover manifestações armadas, descumprir sistematicamente a lei, cumprir seu programa e armar os nosso inimigos em outros países para que nos ameacem também...

Isso é o Brasil...com certeza nenhum outro povo suportaria isso por 15 dias e já partiriam para a guerra civil, mas aqui, a verdade tortura o brasileiro como talvez a nenhum outro povo, e nem podemos fazer nada de fato, a não ser aguardar o posicionamento dos militares, esses que deram anistia ao pessoal do petê e o criaram.

Reply

Ê fazendão!
Sinhazinha Dilma e seus escravos, o capitão do mato Rodrigo Janot e as três mucamas Luciana Lóssio, Rosa Weber e a Therezinha.

Reply

Se Dilma não fosse uma BANDIDA, CORRUPTA E CONTRAVENTORA ninguém estaria escondendo sua ficha suja. Este seria o momento de provar que de fato ela é inocente.
Mas culpada como é, seus COMPARSAS LOCUPLETADOS em cargos estratégicos, usam o cargo para blindar a bandida terrorista.


FORA CALHORDAS. OS BRASEILEIROS NÃO VÃO ADIMITIR MAIS COMUNSTAS BOLIVARIANOS LADRÕES NO COMANDO DA NAÇÃO BRASILEIRA!

Reply
Despetralhando mod

"Pueril, infantil e servil".

Reply

Fora vagabundos bolivarianos!!! Lacaios desgraçados!!! Perdeu FDP!

Reply

Se um agente público se nega a cumprir seu papel, não cabe um processo por prevaricação?

Reply