Dilma marca a reunião da quinta para discutir a reunião da terça. E lá vai o Brasil descendo a ladeira.

(O Globo) A presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião extraordinária da coordenação política para a manhã desta quinta-feira para debater o rebaixamento do grau de investimento do Brasil. Ela teria uma reunião com os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), Nelson Barbosa (Planejamento) e Joaquim Levy (Fazenda) para discutir cortes orçamentários e formas de aumentar a arrecadação, entre eles, a possibilidade de elevação ou criação de impostos. No entanto, a presidente optou por chamar mais ministros e o vice-presidente, Michel Temer, para fazer um debate ampliado da crise e do downgrade que o país enfrenta.

Na manhã de hoje, o dólar comercial opera em forte alta de 2,63%, um dia após a agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) ter cortado a nota de crédito do Brasil, fazendo-o perder seu grau de investimento — espécie de selo de bom pagador. A divisa americana está cotada a R$ 3,897 para compra e a R$ 3,899 para venda. Na máxima da sessão, chegou a R$ 3,908. O mercado acionário brasileiro ainda não abriu mas os Depositary Receipts da Petrobras em Frankfurt — recibos de ações da estatal negociados na Bolsa alemã — chegaram a cair 13,9%, de € 4,70 a € 4,05.

A presidente convocou além do vice, oito ministros e os líderes do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS), na Câmara, José Guimarães (PT-CE), e no Congresso, José Pimentel (PT-CE). Os ministros presentes à reunião são Gilberto Kassab (Cidades), Ricardo Berzoini (Comunicações), Edinho Silva (Secretaria de Comunicação Social), Eduardo Braga (Minas e Energia), José Eduardo Cardozo (Justiça), além de Mercadante, Barbosa. e Levy. A reunião começou às 9h20.

Na noite de ontem, em entrevista ao “Jornal da Globo”, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou que a nota da S&P “é apenas uma avaliação se a gente está olhando com seriedade para isso. Se a sociedade, o Congresso, o governo estão entendendo a seriedade de ter equilíbrio fiscal, é necessário para o Brasil ter a confiança das pessoas”.

As reuniões de coordenação política ocorrem, normalmente, uma vez por semana e, geralmente, às segundas-feiras. Nesta semana, houve reunião na terça-feira, já que na segunda foi feriado da Independência.

O governo enfrenta dificuldades para aumentar impostos. Dilma sinalizou com a volta da CPMF e o ministro Joaquim Levy (Fazenda) passou a defender o aumento do Imposto de Renda. No Congresso, as medidas são consideradas absurdas. Os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) são contra a elevação da carga tributária e pedem ao governo que aprofunde os cortes no Orçamento.

9 comentários

Em 13 anos não tiveram competência, nem capacidade, nem eficácia para transformar o ensino no Brasil e a escola da filha da doméstica continua a mesma merda.

Reply

Coronel,

Confiança no Brasil com a Dillma mandando e desmandando??

Espera sentado, Pastor Levy.

JulioK

Reply

Já temos o hino: "Lá vem o Brasil descendo a ladeira".

Reply


Qdo elles enganavam os brasileiros com conversas, ficou evidente que a única coisa que sabiam fazer era Reuniões. O pt sempre foi prodigo em reuniões, improdutivas.
Aí, um ministro rentista, que a gente pensava que entendia de alguma coisa de economia, puts, só quer aumentar impostos da classe verdadeiramente trabalhadora.
Aumentar impostos sem produzir oh ministrão. Bobão.!!!.

Reply

Cel
Pois é, o Levy é um tonto mesmo e nem parece que tem doutorado. Agora, as reuniões da Anta com os energúmenos citados não dará em nada, como de costume. A Anta, para mostrar serviço e ação, marca reuniões até aos domingos, como se isto fosse resolver a grave crise que ela instalou no País. Os Dilmaboys aloprados estão doidinhos para reintalar a política econômica que não deu certo. Agora vai!
Esther

Reply

Levy pensa que o Brasil é o Bradesco que cobra R$ 1,00, R$ 3,00, R$ 15,00 e coloca lá: taxa administrativa, recadastramento, atualização de cadastro, etc. Não é à toa que esses banqueiros estão rindo à toa.

Reply

Não devemos aceitar a volta de CPMF ou similar e muito menos aumento de imposta de renda. Que renda tem assalariado? Que renda tem uma aposentada como eu? Nenhum povo é mais roubado pelos seus governantes do que nós pobres brasileiro nascidos num pais tão rico!!!

Reply

Karadibunda!

Reply
Despetralhando mod

Porco não sobe escada, mas desce rampa.
Um porco é um rampeiro.

Reply