PMDB para Temer: por que não te calas?

 
(Valor Econômico) Pilhado no centro da decisão que triplicou o valor da verba orçamentária para os partidos, o PMDB protagonizou suas primeiras trapalhadas no comando da coordenação política do governo. Tudo começou em Lisboa, onde o vice-presidente Michel Temer disse que a presidente Dilma Rousseff poderia contingenciar os recursos do fundo, mas depois teve de recuar. Por fim, o mesmo Temer declarou que o PMDB abriria mão de um percentual de sua cota, para ajudar no ajuste fiscal, mas novamente teve de voltar atrás ao esbarrar em resistências no partido. Em nota oficial o PMDB apenas afirma que "não usará" parte dos recursos, um artifício semântico para justificar, mais tarde, o recebimento do dinheiro.
 
Na origem do bate-cabeça pemedebista está a sanção da presidente ao Orçamento de 2015, que prevê a dotação de R$ 867,5 milhões para os partidos políticos. A quantia é três vezes maior que a proposta inicial do governo. O valor foi fixado pelo relator-geral Romero Jucá (PMDB-RR) sob a justificativa de provocar o debate sobre o financiamento público das campanhas. Na prática, segundos líderes pemedebistas, uma precaução do senador contra a esperada queda nas doações aos partidos, em virtude da Operação Lava-Jato. Aprovado pelo Congresso, os recursos para o Fundo Partidário foram mantidos com a sanção da lei, sem vetos, pela presidente.

Constitucionalista reconhecido, Temer tropeçou ao dizer que a presidente poderia contingenciar os recursos. O dinheiro destinado aos partidos não pode ser contingenciado, segundo a lei. O objetivo é proteger os partidos de oposição ou as pequenas siglas de eventual retaliação do Executivo. O contingenciamento também é mal visto no Congresso porque em geral é usado pelo Palácio do Planalto para pressionar parlamentares. A reação a Temer expôs a divisão do próprio PMDB. Na volta do feriado, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), criticou a sugestão, mas atacou a presidente Dilma em vez de Temer.

"Ela [Dilma] sem dúvida nenhuma escolheu a pior solução", disse. "A presidente fez o que havia de pior. Sancionou um aumento incompatível com o ajuste [fiscal] e disse que vai contingenciar. Fez as duas coisas ao mesmo tempo e errou dos dois lados". Segundo Renan, a presidente "deveria ter vetado [o aumento], como muitos pediram. Aquilo foi aprovado no meio do Orçamento sem que houvesse um debate suficiente". A proposta original da lei orçamentária previa R$ 289,5 milhões para os partidos.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), também se manifestou na contra-mão do vice. "Não mergulhei no assunto, mas acho que nem vetar ela poderia, porque se vetasse ia ter que vetar a rubrica inteira, ia deixar os partidos sem recurso nenhum", afirmou. Na realidade, Dilma poderia vetar e depois editar uma medida provisória estabelecendo um valor menor ou até a proposta inicial.

A vice-presidência divulgou depois uma nota na qual Temer "esclarece que buscou contribuir com o debate sobre as medidas para a redução de despesas em benefício do ajuste fiscal".

Em entrevista mais cedo ao Valor PRO, em Madri, onde cumpria agenda oficial, o vice-presidente reconheceu que não seria possível o contingenciamento, mas o PMDB abriria mão de uma parte do acréscimo a que teria direito a receber. Não era propriamente o que estava combinado com os dirigentes partidários. O presidente da Fundação Ulysses Guimarães, Moreira Franco, e o tesoureiro Eunício Oliveira (PMDB-CE), defendem que o corte deveria ser combinado com todos os partidos.

O estatuto do PMDB também prevê repasse automático da verba destinada aos diretórios regionais, que precisariam ser ouvidos. Por isso a nota oficial não diz que o partido devolverá ou não receberá, apenas que "não usará parte dos recursos acrescidos ao fundo partidário", no Orçamento de 2015, como forma de colaborar com o esforço de corte de gastos para a reprogramação da economia brasileira".

Na avaliação de líderes pemedebistas, o episódio é um desgaste desnecessário para o partido que tenta resgatar a credibilidade da articulação política do governo. Ao dizer que a presidente poderia contingenciar os recursos, o vice reconheceu que a sigla exagerou ao triplicar a verba e jogou o PMDB numa agenda negativa - doações de campanha - que é do PT. 

14 comentários

Coronel,
essa cambada vive na política e da política a vida toda e ainda faz estas trapalhadas toda, imagine para resolver questões que não lhe são da rotina e da sua lavra. Estamos num mato sem cachorro e sem gato. Somente ratos.

Reply

Sem dúvida alguma o governo está totalmente sem rumo e agora que o vice Michel Temer está encarregado da descordenação política tanto pior. O país não aguentará até 2018 com esse "desgoverno".

Reply

Esse dinheiro a Dilburra devia somente a oposição com verba indenizatória por ter doado durante 12 anos dinheiro da Petrobras para o PT,PMDB ,PP,PCdoB,PR,PSOL e so o DEM, PSDB, PPS, graças à Deus não fizeram parte da roubalheira que quebrou a Petrobras.

Reply

Agraciados em anos anteriores em Minas protestam devolvendo comenda . Mais um desserviço do PT na figura de Pimentel . Banalizaram a honraria .(EM.COM)(UAI)

Reply

O valor foi fixado pelo relator-geral Romero Jucá do PMDB!!! sorrateiramente! no Orçamento que foi aprovado.

Todas as explicações foram ridículas. A emenda ficou pior que o soneto!

Absurdo mesmo foi este aumento escorchante diante da crise do país.


FORA DILMA!
FORA PT!



Chris/SP



Reply

OFF - IMPORTANTE!

VIDEO: Caiado desmascara caderno de teses do PT

O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) imprimiu o caderno de teses que o PT levará ao seu congresso partidário em junho e leu no plenário trechos das barbaridades escritas, a começar pelo título “Um partido para tempos de guerra”, além das propostas de “demitir ministros capitalistas”, “estatizar a Rede Globo” e “recolocar o socialismo como objetivo estratégico”.

(...)

http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2015/04/23/video-caiado-desmascara-caderno-de-teses-do-pt/


Aplaudo o Senador Caiado! O vídeo é sensacional! Assistam!!!!


Chris/SP

Reply

Ao ganhadores por mérito fazem muito bem em devolver as medalhas que receberam no passado.
Se receberam por algum mérito, não podem ser igualados a esses bandidos do PT, que recebem por ser quadrilheiros.

Reply
daniel camilo mod

Tanto blá blá blá mas no fim todos os partidos gostaram da mesada triplicada. Por quê não triplicam a verba para a saúde, por ex?

Reply

Coronel,
Quanto afinal por ano vāo receber os 31 partidos, depois multiplica por 4 anos. Daí veremos o rombo que a Dilma está provacando nos cofres públicos. Quantos bilhōEs serāo gastos com os partidos em 4 anos.?..
Esta é a conta a fazer e falar o que os politicos e. dilma estāo causando ao Brasil

Reply

>>

No Jornal da TV Globo de ontem a noite, Carlos Alberto Sardenberg "desenha" aos brasileiros a destruição da Petrobrás patrocinada pelo Partido dos Trabalhadores nos últimos 12 anos:


Entenda como a Petrobras chegou a uma perda bilionária


No final, Sardenberg declara: " DESTRUÍRAM UMA EMPRESA QUE ERA SÓLIDA "


<<

Reply

>>

Michel Temer é um politico fisiológico, medíocre e decadente.

E justamente por ser fisiológico, medíocre e decadente, ele foi escolhido, e aceito pelo PT, para ser vice da ex-assaltante de bancos.

<<

Reply
fred oliveira mod

A coalizao de compadrio idealizada por Lula e' de uma imoralidade a toda prova. E mostra como o Brasil vem decaindo e perdendo mais espaço no cenario economico e politico mundial. Somos uma piada.

Reply
Roberto Vieira Cavalcanti mod

Todos estão comendo mosca.
Comentário que fiz no Blog do Reinaldo Azevedo e outros:

"Em primeiro lugar estranho o fato desse blog passar a censurar qualquer coisa que contrarie a vontade do dono, em segundo o fato tanto aqui como ali que a Petrobrás calcule a perda com a corrupção em 3% das obras "corruptadas", querendo dizer com isso que a única perda devido à corrupção foi o que se pagou como propina, quanto aos valores das obras,aumentados, virou perdas com outros nomes, ineficiência, erro de projeto, queda nos valores e o escambau, as empreiteiras apenas pagaram as propinas para conseguir as obras que, caso assim não fizessem, a obras "seriam delas mesmas".Com isso a Petrobrás forneceu munição para que essas empreiteiras paguem apenas 6 bilhões. (Esse comentário está sendo feito inicialmente no Rei dos Blogs, o do Reinaldo Azevedo)
http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/mercado-externo-reage-bem-a-balanco-por-enquanto/#comments"

Reply

Que rataiada!!A fome deles é grande demais!O movimento de rua deveria pressionar pela reforma política,a única maneira de conter a fome desses políticos!Eles nunca vão cortar a mordomia deles mesmo!Piores partidos do Brasil:PT e PMDB!Apesar dos outros não ficarem tão atrás não!!!Fora PT!!!

Reply