Delação da Camargo Corrêa vai fechar as comportas da corrupção em Jirau e Belo Monte. Investigação avança sobre R$ 500 bilhões do PAC da Dilma.

(Valor Econômico) Os executivos da Camargo Corrêa que firmaram acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal (MPF) vão detalhar irregularidades que afirmam ter ocorrido em obras estatais do setor energético, entre as quais empreendimentos licitados durante as duas gestões do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e no primeiro mandato da presidente Dilma Roussef. 
 
Entre os projetos colocados sob suspeita pelos novos delatores estão alguns que integram o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), lançado por Lula em janeiro de 2007 e que previa investimentos da ordem de R$ 500 bilhões até 2010 para obras de infraestrutura, como saneamento básico, habitação, transportes, energia e recursos hídricos.

No foco dos investigadores da Operação Lava-Jato estão financiamentos liberados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). No entanto, o banco ainda não é alvo de investigação. As informações foram apuradas com fontes diretamente ligadas à Operação Lava-Jato pelo Valor PRO, serviço de informação em tempo real do Valor.

O diretor-presidente da Camargo Corrêa Construções e Participações SA, Dalton dos Santos Avancini, e o vice-presidente, Eduardo Hermelino Leite, fecharam acordo de colaboração premiada com a força-tarefa do MPF na madrugada de sábado.

Entre as obras listadas no rol de projetos que os delatores confirmaram ter sido alvo de cartel de empreiteiras estão as das usinas hidrelétricas de Belo Monte e Jirau, localizadas no Pará e em Rondônia. Somadas, as duas construções ultrapassam os R$ 40 bilhões, segundo dados do Tribunal de Contas da União (TCU). A corte de contas iniciou uma auditoria no ano passado para fiscalizar o repasse de R$ 22,5 bilhões do BNDES para o consórcio Norte Energia SA, responsável pela construção de Belo Monte.

Todas as empresas convidadas a participar da obra de Belo Monte estão sob investigação por suspeita de envolvimento no escândalo de desvios de recursos da Petrobras, segundo o MPF. A partir desta semana o presidente e o vice-presidente da Camargo Corrêa iniciarão séries de longos depoimentos a um delegado da Polícia Federal (PF) e a um procurador da República. Dalton Avancini dará informações e apresentará documentação referentes a Belo Monte e obras hidrelétricas. Segundo o site da Construtora Camargo Corrêa, "só no Brasil, mais de 50% de todo o parque gerador a partir de fontes hídricas tem sua participação".

Já Eduardo Leite está incumbido de apresentar provas de ilícitos em contratos firmados com a Petrobras. Os investigadores não esperam que o executivo aponte novas diretorias envolvidas em corrupção além das três já conhecidas: Abastecimento, Serviços e Internacional. Mas consideram a colaboração de Leite importante para fortalecer a prova sobre cartel. O oferecimento de denúncia por formação de cartel e fraude à Lei de Licitações contra os empreiteiros investigados pela Lava-Jato é um dos próximos passos da acusação.

Em nota divulgada pela assessoria de imprensa no sábado, a Construtora Camargo Corrêa informou que não participou das negociações para o acordo de colaboração premiada de seus executivos e disse que " permanecerá à disposição das autoridades para o que for necessário e sanará eventuais irregularidades, aprimorando a governança administrativa para seguir contribuindo com o desenvolvimento do país."

10 comentários

CORONEL

A espiral de escândalos promovidos por essa quadrilha petista assumiu feições e proporções de furacão.Agora entendo porque Lula considerava M.Kadhafi um irmão. Espero que igualmente seja caçado pelos esgotos de alguma cidade.

Reply

Qualquer titica que substituir os anarquistas e corruptos comunistas do PT serve, pois pior que essa quadrilha não pode existir!
Aliás, se o povo tivesse bom senso de substituir sempre um mau governo, a ordem deveria ser RECICLAR sempre - e se assim procedessem, vigiados, cobrados, os políticos cuidariam mais da gestão, estariam acompanhados e teriam mais medo de perder o posto.
Mas, elegendo um candidato 1, 2, 3 e mais, acham donos do pedaço e o povo com cara de "galinha do terreiro da panela não foge", dando chance de aparelharem e perverterem a todos, resultando no que deu com o PT, montando o sistema de só beneficiar os do esquema, como em Cuba; o velhaco Lula deveria ser impeached tempos atrás, mas FHC o protegeu, outro fumo!

Reply


EUA: Dilma impediu uma lei antiterror no Brasil.

Embaixador americano em Brasília Clifford Sobel endereçou em 2008 mensagem secreta ao Departamento de Estado dos EUA, “vazado” pelo site WikiLeaks, criticando a lentidão do governo brasileiro na aprovação da lei antiterrorismo. O governo alegava haver risco de enquadrar o Movimento dos Sem-Terra (MST) como grupo terrorista. Sobel não tinha dúvida: Dilma Rousseff foi quem sepultou o projeto. CH
................................

Já tivemos VÁRIAS provas de que a Dilma/Vanda não é "EX" terrorista. Continua na ativa desde sempre.

É claro que sua administração é pífia e não cuida do Brasil, ela atua sempre com a mentalidade de quem quer o poder para sempre, e para isso usa seu currículo de terror.

A LAVA-JATO tem a ver com suas idéias doentias de poder, e podemos acreditar que é um esquema terrorista para dominar uma Nação, assim como seus programas sociais descabidos.

Reply

Está faltando a principal empreiteira, a que mais ganhou e mais deu dinheiro roubado ao Lula: a Odebrecht. Mas o cerco está se feichando.

do CH:
Odebrecht virou desdobramento da Lava Jato.

O depoimento do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que confessou ter recebido da Odebrecht ao menos R$ 59,8 milhões em propina, motivou apuração especial da força-tarefa da Lava Jato contra a empreiteira baiana. E os resultados estariam na iminência de aparecer, segundo se acredita no Congresso, com devassa e prisão dos principais executivos, incluindo seu presidente, Marcelo Odebrecht.

Segundo Paulo Roberto Costa, a propina rendeu a Odebrecht, em consórcio com a OAS, um contrato de R$1,5 bilhão, em Abreu e Lima.

A Odebrecht foi a empreiteira que mais faturou na era Lula-Dilma: cerca de 53% dos R$ 71 bilhões gastos nos governos petistas.

Lá vem bomba:

A eventual prisão de Marcelo Odebrecht preocupa Dilma, que antes o detestava e depois se ligou a ele. É o empreiteiro mais ligado a Lula.

................................

É a fase TERMINAL DO PT.
Graças a Deus.

Reply

CORONEL

Pelo visto o melhor caminho vai ser arreliar o jogo, trocar o baralho, embaralhar as cartas e começar tudo de novo.Não tem mais concerto o que está aí.

Reply

Comentário bem singelo e com um questionamento: Qual a diferença entre roubo e corrupção? A resposta é bem simplória: o PT e seus asseclas!

Reply
fred oliveira mod

Tai', mais uma pova de que tudo começou com Lula. Ele nao tem como escapar disso. Quanto `a Dilma, prevaricou. Alia's, desde quando comprou o congresso para esconder o crime fiscal, ela ja' ofereceu elementos de sobra para ser retirada do poder. Eu nao quero continuar a pagar pelo enriquecimento ilicito de tantos. Chega!

Reply

Essa conta vai chegar em número nunca antes vistos no mundo!

Gabriel-DF

Reply

Esse Juíz Moro e o Ministério Público insistem nessa questão de Cartel das empreiteiras. Isso vai acabar livrando a cara dos políticos e com a penalização sómente dos diretores das Empreiteiras, ou seja, a corda vai estourar do lado mais fraco, já que as mesma serão beneficiadas por aquele pizza armada no TCU.

Reply

Isso e foda

Reply