Quem diria! PT expurga trabalhadores e vira partido da burguesia de esquerda.

(Valor Econômico, hoje) O segundo mandato de Dilma Rousseff começou marcado pela inflexão na política econômica, coroada pelo simbolismo do primeiro ministro da Fazenda não petista em 12 anos. Mas há outro dado, despercebido nos resultados da eleição de outubro, que reflete a transformação progressiva do PT. Pela primeira vez, o Partido dos Trabalhadores não terá trabalhadores em sua bancada de deputados federais, que toma posse em fevereiro.

O fato inédito é um dos achados de um levantamento feito pelo cientista político da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Luiz Domingos Costa. No estudo, trabalhadores são considerados os candidatos que declararam ao TSE exercer 111 ocupações: de motoristas a carpinteiros, de petroleiros a auxiliares de escritório. De torneiro mecânico - origem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - a bancário - como o atual ministro das Comunicações Ricardo Berzoini. Foram analisadas as profissões dos 23.220 candidatos que concorreram nas últimas cinco eleições à Câmara dos Deputados.

A principal conclusão, afirma Costa, é que o PT "abandonou", "largou a mão" de recrutar trabalhadores para suas fileiras. É um processo de aburguesamento de seus filiados, semelhante ao descrito pelo sociólogo Robert Michels, há cem anos, na análise do SPD alemão, e expresso em sua "lei de ferro da oligarquia". E que inclui casos como o de Vicentinho, que se reelegeu, mas pela primeira vez se declarou como político, e não metalúrgico. 
Em 1998, entre os candidatos petistas a deputado federal, 21% eram trabalhadores, índice que caiu a menos da metade, 9,8%, na disputa do ano passado. No mesmo período, a presença de trabalhadores na eleição à Câmara teve um crescimento moderado. Passou de 10,6% do total de concorrentes para 13,1%.

Para onde, então, foram os trabalhadores? Espalharam-se para a miríade de pequenas legendas que nos últimos anos levaram o Brasil a bater o recorde mundial de fragmentação partidária. "A queda de candidatos trabalhadores no PT é muito alta, principalmente quando levamos em consideração que este é o período em que o partido cresce. O PT, quando se profissionaliza, expurga os trabalhadores", diz Luiz Costa. 

Uma vez no poder, acrescenta o pesquisador, o partido passou a confiar mais em práticas eleitorais tradicionais. Por exemplo, utilizar intermediários políticos, como prefeitos e vereadores, para alcançar o eleitor. Ou confiar no poder das emendas parlamentares individuais. Deixou de botar a mão na massa e fazer o trabalho de "formiguinha", de contato direto com as bases eleitorais.

Com a retirada, os demais partidos ocuparam o espaço - embora ainda não consigam eleger trabalhadores com a mesma eficiência que o PT fazia. Apesar de uma leve recuperação desde 2006 (de 1% para 1,9%), a proporção de eleitos ainda é menor do que em 1998 (3,1%). A mudança, porém, está em curso, e o que se vê hoje seria apenas a ponta de um iceberg. Ou de uma arena em que o PT vem "apanhando" nas periferias das regiões metropolitanas, afirma o pesquisador. 

O recrutamento dos trabalhadores, antes conduzido tipicamente pelos sindicatos, deu lugar à mobilização essencialmente por meio de três canais: pelas igrejas, pelas rádios e pelas brechas aproveitadas por candidatos que "surfam" nas deficiências dos serviços públicos e constroem carreiras políticas movidas a assistencialismo.

Luiz Costa cita o caso do vereador mais votado de Curitiba, em 2012, Cristiano dos Santos (PV). O motorista conseguiu seu próprio mandato depois de trabalhar para um vereador, que tinha contatos privilegiados e oferecia atendimento médico para seus eleitores. "Ele carregava gente em sua Belina. São esses os candidatos do povão. Escoram-se num deputado, num vereador, que depois os mandam embora porque montam sua própria rede", afirma Costa. Os métodos e a competitividade, compara o pesquisador, diferem dos utilizados pelos petistas. "No PT não tem essa. Só se é candidato depois de ter sido secretário da juventude, vereador etc. É uma escadinha, que não tem nos outros partidos", diz. 

Uma das consequências é que os trabalhadores migraram para outras legendas, pequenas e mais conservadoras, favorecendo o recente fenômeno da popularização da direita - também apontado por Costa e seu colega Adriano Codato, também da UFPR. Em 2014, "nanicos" como PHS (4,8%), PEN (4,5%) e PTdoB (4%) lançaram mais trabalhadores do que o grande PMDB (3,8%). O PT, apesar da queda, ainda é o quarto (4,9%), porém bem atrás do líder PSOL (11,7%) - o que indica que seu nome de batismo pode perder sentido, ou ser ameaçado, à direita e à esquerda.
Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o link http://www.valor.com.br/politica/3849876/o-ex-partido-dos-trabalhadores ou as ferramentas oferecidas na página.
Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor (falecom@valor.com.br). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

13 comentários

>>

Vicentinho, um dos políticos mais boçais do PT, tem aquela voz empostada de quem possuiu a língua presa pelo fato de lamber a bolas de seu chefe, o pinguço Lulla.

<<

Reply

>>

Não vi, até agora, nenhum editorial na imprensa brasileira condenando com veemência o violento ataque à liberdade de imprensa e ao direito à livre expressão perpetuado em Paris por fanáticos assassinos.

Com o silêncio, a esquerda, que impera em nossas redações, tenta passar a imagem de que a culpa é da própria vitima, por ter cutucado a fera com vara curta e também de que a França paga o preço por ser aliada dos Estados Unidos no combate aos sanguinários do Estado Islâmico.

<<

Reply

Correção: O FT não virou, se revelou, agora, achando que detém todo o poder no país. Esse Lulla aí da foto é o mesmo descrito no livro Assassinato de Reputações, do Tuma Jr. Antes Lullarápio dedurava a patota pateta numa sala privilegiada do DOPS; agora, se locupleta da patota pateta refestelado na fortuna que vai acumulando à custa da voluntária massa de manobra operária.

Reply

Voltamos aos anos 80. Com mais quatro anos de desmandos de Dillma, voltaremos aos anos 20.

Reply

Cristiano Santos foi o verador mais votado em Curitiba sim. Mas não é motorista é filho do apresentador de um popular programa policial (190 urgente) e deputado estadual Roberto Acciolly. Na verdade ele é co-apresentador do programa.

Reply

São as zelites petistas !Enquanto existir cavalo São Jorge não anda a pé , assim dizia minha avó .

Reply

Prezado Coronel,
Desculpe a insistência no meu off-topic. Sei que tem muitas outras coisas com o que se preocupar. Mas este assunto é muito estranho. Aqui tem coisa!!!
Peço seu sigilo para a fonte e se achar que não deve publicar eu entendo.
Fui atrás do decreto do prefeito que regulamenta a lei das sacolas plásticas em São Paulo. Tem coisa muito estranha e que precisa ser bem investigada. Vou resumir abaixo o que descobri até agora.
Informação contida no site da prefeitura fala sobre sacola feita de cana de açúcar. http://www.capital.sp.gov.br/portal/noticia/5202#ad-image-0
Em primeiro lugar é preciso esclarecer que não existe sacola feita de cana de açúcar. O que existe é Polietileno produzido a partir de Etanol ( que pode ser de cana de açúcar ), assim como o Polietileno comum é derivado de origens fósseis. Ambos não são biodegradáveis.
Este tal de Polietileno derivado do Etanol só é produzido no Brasil pela BRASKEM, do Grupo Odebrecht.
Vale ressaltar que além do monopólio na produção do polímero Polietileno a partir do Etanol, e da nenhuma diferença com uma sacola plástica produzida com Polietileno de origem fóssil, o cultivo das plantas que dão origem ao Etanol requer enormes quantidades de água, terras férteis, adubação, uso de agrotóxicos e muitos outros impactos.
Sem contar que não existe produção suficiente deste tipo de resina no Brasil e no mundo para suprir a quantidade de sacolas utilizadas pelo comércio da cidade de São Paulo. É mais que certo que vão misturar resina de origem vegetal com o de origem fóssil. Qual a vantagem? Quem está levando vantagem?
Existem países, estados e municípios que proíbem sacolas plásticas não degradáveis. Mas não existe um lugar no mundo que incentive sacolas plásticas NÃO DEGRADÁVEIS feitas a partir de Polietileno derivado do Etanol, iguais às de origem fóssil. As leis no mundo falam sobre plástico degradável em conformidade com normas internacionais.
Qual a vantagem ambiental então, se não de beneficiar um monopólio?
Como serão testadas as sacolas para evitar a fraude? Como ficam os fornecedores de resinas convencionais? Não tenho como provar, mas ouvi falar que somente algumas empresas fabricantes de sacolas tem acesso a este material. Teremos um cartel servindo a um monopólio?
Faço esta denúncia baseado em fatos e peço que investigue o que pode ser um enorme escândalo que mais uma vez vai prejudicar o cidadão.
O decreto: http://diariooficial.imprensaoficial.com.br/nav_cidade/index.asp?c=1&e=20150107&p=1&clipID=1JHAB03OBPU67eAKLIUU2BUL893
Um abraço

Reply

O estudioso do pt (que sina triste, hein?!) diz que elles fazem escadinha - está desatualizado, o negócio delles é de marcola pra mais.

Reply

Acho que o texto merece correção,pois o PT nunca recrutou trabalhador conforme frase de Roberto Campos que dizia:"O PT é o Partido do Trabalhador que não trabalha,do Estudante que não estuda e do Intelectual que não pensa".Portanto pela frase do saudoso Roberto Campos,o PT nunca foi do Trabalhador.

Reply

É a cara do FeTê (e não PeTê): Fudeu Tudo.

Reply
Ferreira Pena mod

Olha o vagabundo com o peixe pracú, fazer pose ele adora.

Reply

e esse cara da foto continua presidente do Brasil!eh de arrepiar............

Reply

Se exigir dos filiados no PT a apresentação de carteira de trabalho como condição para filiar-se ou ficar filiado a legenda deixa de existir.

Reply