Empreiteiros alegam extorsão. Pagavam propina ao PT, PMDB, PP ou perdiam os contratos. Mas também auferiram lucros astronômicos. Era corrupção ganha-ganha.

Mais um executivo admitiu à Polícia Federal nesta terça-feira que pagou propina ao doleiro Alberto Youssef e ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Depois que Erton Medeiros, diretor de Óleo e Gás da Galvão Engenharia, confessou a prática, foi a vez de Sérgio Mendes, diretor-presidente da Mendes Júnior, declarar aos policiais que pagou R$ 8 milhões a Youssef entre julho e setembro de 2011, a mando de Costa. Os dois executivos afirmam que foram extorquidos e que poderiam perder contratos se não pagassem o valor pedido. 

Mendes prestou depoimento na sede da PF em Curitiba durante três horas. Segundo seu advogado, Marcelo Leonardo, que acompanhou a oitiva, Mendes disse que foi ameaçado por Youssef e Costa: se não pagasse propina, não conseguiria fechar novos contratos com a Petrobras e não receberia o pagamento dos contratos que já estavam em vigor — na época, a construtora Mendes Júnior havia sido contratada para fazer a Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná. O pagamento foi dividido em quatro parcelas de R$ 2 milhões.

O presidente da construtora disse que foi apresentado a Youssef pelo ex-deputado federal José Janene (PP), que morreu em 2010 — o doleiro trabalhava como arrecadador para as campanhas do PP. Ainda falando aos policiais federais, Mendes afirmou que desconhece a formação de cartel entre as construtoras. De acordo com ele, todos os contratos que a Mendes Júnior ganhou foram por meio de licitações. O executivo declarou, ainda, que não teve nenhum contato com o ex-diretor de Serviços da estatal, Renato Duque, nem com o ex-diretor da área internacional, Nestor Cerveró. 

Ao ser questionado porque seu cliente não fez a denúncia de pagamento de propina antes, o advogado Leonardo respondeu que isso não foi perguntando a seu cliente durante o depoimento. Ele disse que todos os contratos firmados entre a Mendes Júnior e a Petrobras foram entregues à Polícia Federal. — Ele (Sérgio Mendes) está tão disposto a colaborar que veio diretamente a Curitiba se entregar. Não houve proposta de delação premiada feita pela PF — disse o advogado. 

O advogado Antônio Figueiredo Basto, que defende o doleiro Alberto Youssef, afirmou que não iria comentar a acusação do empresário Mendes: — Isso é uma tese de defesa. Não vou comentar a tese de defesa de outros indiciados. Basto afirmou que vai pedir a prisão domiciliar de Youssef, que está com problemas cardíacos. Também disse que, como seu cliente é delator do esquema de corrupção, está em uma cela especial, longe dos demais presos, embora não veja risco para ele: — Aqui ninguém é marginal para agredi-lo.

O criminalista José Luis de Oliveira Lima, advogado do diretor de Óleo e Gás da construtora Galvão Engenharia Erton Medeiros, investigado no âmbito da Operação Lava-Jato, informou nesta terça-feira que seu cliente também confirmou ter pagado propina ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e ao doleiro Alberto Youssef, após ser extorquido pelos dois. O depoimento de Medeiros foi prestado na segunda-feira.

Segundo Lima, a empresa obteve contratos com a Petrobras “de forma lícita”, mas depois disso passou a ser vítima de extorsão e concussão (ato de exigir para si ou para outrem, dinheiro ou vantagem em razão da função que ocupa). — Se ele denunciasse o que estava acontecendo, era ameaçado de perder os contratos. Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef estão longe de serem “Madres Teresas de Calcutá” — ironizou o advogado. 

Lima afirma que o temor de perder a receita garantidora do funcionamento da Galvão Engenharia fez com que Medeiros aceitasse as condições impostas pela dupla. — Você colocaria 10 mil funcionários na rua? O empresário era ameaçado constantemente — afirmou Lima. No depoimento, que ocorreu nesta segunda-feira, Medeiros também afirmou que destino de parte do dinheiro foi o Partido Progressista (PP), que integra a base aliada do governo Dilma Rousseff, segundo reportagem publicada nesta terça-feira pela “Folha de S.Paulo”.

UTC NEGA PARTICIPAÇÃO

Alberto Toron, advogado do Ricardo Pessoa, presidente da UTC, que prestou depoimento até 17h30 desta terça-feira, disse que seu cliente desconhece o pagamento de propina ao doleiro Youssef ou a diretores da Petrobras. Segundo Toron, Pessoa tinha apenas negócios legais com Youssef, uma sociedade num hotel em Lauro de Freitas, na Bahia. O advogado afirmou que seu cliente não deveria estar preso: — É uma violência prisões feitas antes do julgamento. Isso só deveria acontecer quando há risco de fuga ou de destruição de provas.(O Globo )

8 comentários

Todo mundo roubando tudo de todos, porém os grandes prejudicados somos nós os contribuintes.
Nesta canalhice toda, surge o PT!
A maior organização criminosa em atividade no mundo ocidental, um recorde para brasileiro algum deixar de comemorar.
O maior problema de todos é o roubo do futuro da Nação: nenhum País sobrevive comandado por uma quadrilha como o PT. É inviável.
A solução é o desmantelamento radical do esquema, a troca deste desgoverno corrupto, e a prisão exemplar do Chefe e da gerente, a partir da comprovação de que eles, desta vez pelo menos, sabiam de tudo sim. Participaram? Rsrsrs...

Reply

como ? os empreiteiros entram numa concorrência, através de edital publicado no diário oficial, assinam contratos oficiais, têm trânsito livre em todos os ministérios, pagam a um analfabeto milhares de reais para que elle faça "palestras", levam o mesmo analfa em jatinhos para cuba e áfrica para elle "intermediar" contratos, compareceram à posse do luiz inácio e da dilma vana. e ai, submetem-se "à extorsão" de um aspone qualquer ? contem outra!

Reply
César de Castro Silva mod

Coronel, só algumas perguntinhas:

a) o que vai acontecer com os partidos políticos que receberam essa fortuna em propinas?

b) O que a lei dos partidos políticos fala a respeito?

c) não existe punição para os partidos?

d) e o pt, que é reincidente desde a época da campanha de lula, em 2002, quando recebeu grana vindo de contas do exterior, segundo Duda Mendonça, pertencente ao valerioduto?

Perguntar não ofende!!!!!!

Reply
Despetralhando mod

"Si" Maquiavel tivesse conhecido o barba X9-dedos não escreveria "O Príncipe" e sim "O Apedeuta Safo" ou "O Ladrão de Consciências".
... Visto que não lhe posso fazer regalo maior do que lhe propiciar a faculdade de adquirir em tempo mui breve o aprendizado de tudo
quanto, em tão dilatados anos e à custa de tantos atropelos e perigos, hei conhecido... (O PríncipeMaquiavel).

Reply

— Aqui ninguém é marginal para agredi-lo.


Ah é? E está preso por quê, então?


Lanterna

Reply

Isso é verdade. A corrupção na Petrobras é institucionalizada. Quem não concordar em participar do esquema não recebe Carta Convite. Além de porcentagem nos contratos, membros das comissões pedem reformas em casas, viagens, carros e até prostitutas. É nojento. Sei porque trabalhei numa empresa que é fornecedora da Petrobras.

Reply
Roberto Vieira Cavalcanti mod

Prezado Coronel, a desculpa de serem chantageados corresponde à desculpa do caixa dois do mensalão e bolada pelos mesmos criadores. Tem o dedo do advogado padroeiro dos corruptos. Não caiam nessa. Com a censura à imprensa já existente, a auto censura, a ameaça de perda dos anúncios do governo e das estatais e com a ameaça da perda de anuncio das empreiteiras, até o bloguista mais famoso da Veja está caminhando na mesma direção ao tratar disso em um post ontem, como se tratasse apenas de uma comissãozinha de 3%, ignorando o super faturamento dessas obras. Lembro que a Veja e o mesmo bloguista defenderam o calote das perdas provocadas aos poupadores pelos diversos planos econômicos, indo contra o direito adquirido e já consolidado esse direito através da das decisões judiciais ao longo de todo esse período, alegando risco contra o sistema financeiro, atuando exclusivamente no interesse dos bancos, seu anunciantes. Imaginou a Veja sem os anúncios desses setores? Quebraria e a última publicação livre seria calada. Nem isso justifica essas posições.
Para essa censura existe remédio, aprovar uma lei impedindo o governo de fazer uso dessa pressão, como está fazendo agora concretamente contra a Veja e indiretamente com os demais, ao obrigar que a distribuição de verbas publicitárias seja feita na mesma proporção da média dos últimos 5 anos para cada veiculo da imprensa, por exemplo. Se nada for feito vai aparece uma medida como as tomadas na Venezuela e na Argentina, com o controle da venda de papel imprensa.

Reply

Operação, ganha, ganha e perde. Ganham os gatunos do governo petista, ganham os oportunistas das empreiteiras e tomam no rabo os brasileiros que são os verdadeiros proprietários do dinheiro público. Bando de desqualificados estes petralhas e empresários. Todos têm que ir para a Papuda e se juntar com os bandidos do mensalão do PT Oh súcia dos inferno, vai demorar, mas vamos acabar com esta escória que tomou de assalto o Brasil.

Reply